Ao menos 25 casos de terrorismo doméstico foram abertos pós invasão do Capitólio

A informação foi passada pelo secretário do Exército Ryan McCarthy ao deputado democrata Jason Crow, de acordo com um comunicado à imprensa

Apoiadores de Trump invadiram o Capitólio
Apoiadores de Trump invadiram o Capitólio Foto: Reprodução/CNN

Paul LeBlanc,

da CNN, em Washington

Ouvir notícia

Pelo menos 25 casos de terrorismo doméstico foram abertos na justiça após a invasão do Capitólio dos EUA na quarta-feira (6) que engolfou a capital do país no caos. A informação foi passada pelo secretário do Exército Ryan McCarthy ao deputado democrata Jason Crow, de acordo com um comunicado à imprensa do gabinete do deputado.

Crow, membro do comitê de Serviços Armados da Câmara, disse que McCarthy retransmitiu os números em um telefonema no domingo (10). Segundo eles, as armas, coquetéis molotov, dispositivos explosivos e lacres foram todos recuperados pelas autoridades durante a ampla investigação em andamento.

A CNN entrou em contato com McCarthy para ter mais detalhes da ligação e não recebeu uma resposta imediata.

A lista de casos de terrorismo doméstico abertos contribui para uma compreensão crescente de como agiram os extremistas da multidão, que empurraram as barreiras criadas ao longo do perímetro do Capitólio na quarta-feira antes de entrarem no prédio.

Leia também:
Diplomata com experiência em Rússia será indicado por Biden para chefiar CIA
Democratas planejam ação rápida por impeachment de Trump se 25ª Emenda falhar
Policial do Capitólio que morreu após invasão ‘adorava o trabalho’, diz seu pai

Somente depois que assessores e aliados do Congresso dentro do Capitólio sitiado imploraram é que Trump divulgou um vídeo instando os manifestantes a “irem para casa”, enquanto ainda espalhava suas queixas equivocadas sobre uma eleição roubada.

Agora, enquanto a poeira se assenta e o país luta para dar sentido à violência que deixou cinco mortos (incluindo um oficial da Polícia do Capitólio dos Estados Unidos) especialistas alertam que os apelos à violência vêm se intensificando antes do Dia da Posse, quando o presidente eleito Joe Biden será empossado como comandante-em-chefe. 

“Estamos vendo conversas desses supremacistas brancos, de radicais da extrema direita. Eles se sentem encorajados neste momento”, afirmou Jonathan Greenblatt, CEO da Liga Anti-Difamação (ADL), que rastreia e combate o ódio. “Acreditamos que esta violência pode piorar antes de melhorar”.

Destaques do CNN Brasil Business:
Geração Z terá diversas carreiras ao longo da vida e remuneração ‘personalizada’
Corinthians, Cruzeiro e Botafogo: os clubes de futebol que mais devem no Brasil
Passageiros de 1ª classe ganham produtos de beleza de marcas de luxo; conheça

Crow disse no domingo que McCarthy “indicou que o DOD [Departamento de Defesa] está ciente de outras ameaças possíveis representadas por possíveis terroristas nos dias até e incluindo o Dia da Posse e está trabalhando com as autoridades locais e federais para coordenar os preparativos de segurança”.

O democrata do Colorado também disse que demonstrou preocupação para McCarthy sobre “relatos de que membros da ativa e militares da reserva estavam envolvidos na insurreição” e que ele solicitou “investigação acelerada e tribunais marciais contra os envolvidos”.

Crow também solicitou “uma revisão das tropas destacadas para a inauguração para garantir que os membros destacados não simpatizem com os terroristas domésticos”, com o que McCarthy concordou, disse o resumo da ligação do congressista.

Ao todo, existem agora 20 réus criminais federais conhecidos relacionados aos distúrbios no Capitólio.

Rob Kuznia, Curt Devine, Scott Bronstein e Bob Ortega da CNN contribuíram para esta reportagem.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).

Mais Recentes da CNN