Apesar de resistência turca, Finlândia e Suécia devem integrar Otan, diz professor

À CNN Rádio, Kai Enno Lehmann avaliou que a invasão russa à Ucrânia “mudou cálculo estratégico” para finlandeses e suecos

Logos da Otan na sede da entidade em Bruxelas
Logos da Otan na sede da entidade em Bruxelas 21/10/2021 REUTERS/Pascal Rossignol

Amanda GarciaBel Camposda CNN

Em São Paulo

Ouvir notícia

A decisão de Suécia e Finlândia de formalizar a intenção de integrar a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) é lógica, quando se leva em consideração que a invasão russa à Ucrânia “mudou o cálculo estratégico” dos países, de acordo com o professor do Instituto de Relações Internacionais da USP, Kai Enno Lehmann.

“A Finlândia, por exemplo, tem fronteira de mais de 1000km com a Rússia e se sente ameaçada, a saída lógica é se associar a uma organização militar que tenha como princípio básico a defesa mútua de seus estados-membros”, explicou, em entrevista à CNN Rádio.

A Turquia sinalizou que será contrária à entrada de Finlândia e Suécia ao bloco. Kai Enno afirmou que os estados atuais precisam de unanimidade para permitir novos membros, mas disse acreditar que os turcos não deverão ser um empecilho.

Em tese, a Turquia poderia bloquear a entrada, mas (o presidente turco) Erdogan está sob pressão doméstica devido à política econômica desastrosa, com inflação alta, e pobreza crescente, para ele essa postura serve para desviar o foco dos problemas domésticos.

Kai Enno, professor do Instituto de Relações Internacionais da USP

Ao mesmo tempo, um segundo ponto é o papel dos Estados Unidos: “Me parece provável que os EUA vão exercer muita pressão na Turquia, se vender como a proteção necessária contra a agressão russa e fechar países que buscam proteção, Finlândia e Suécia vão entrar na Otan, pode demorar, mas a Turquia deve ceder.”

Para o professor, o presidente russo, Vladimir Putin, “resgatou a Otan”, uma vez que, agora, o bloco tem um objetivo claro pela primeira vez desde a Guerra Fria: proteger os estados-membros contra a agressão russa.

Mais Recentes da CNN