Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Arábia Saudita quer ter mais influência no Oriente Médio – agora com diplomacia

    A nova linha diplomática ocorre em um momento em que a rica nação prioriza o crescimento econômico doméstico, o que requer estabilidade regional para ter sucesso

    Aqueles que embarcam na esperança de deixar o Sudão são recebidos a bordo do navio da Arábia Saudita com flores, chocolates, garrafas de água e suco de laranja
    Aqueles que embarcam na esperança de deixar o Sudão são recebidos a bordo do navio da Arábia Saudita com flores, chocolates, garrafas de água e suco de laranja Reuters

    Nadeen Ebrahimda CNN*

    Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos

    Quando evacuados iranianos do Sudão estavam saindo da Arábia Saudita no sábado (29 de abril), um oficial militar do alto escalão saudita chegou a embarcar em seu avião de volta para casa para se despedir deles.

    “(Este é) o seu país”, declarou o major-general Ahmed Al-Dabais, comandante da região ocidental do reino, aos iranianos que partiam, enquanto dava as mãos a Hassan Zarangar, encarregado de negócios do Irã para o reino saudita. “Se você precisar de alguma coisa na Arábia Saudita, será muito bem-vindo […] Irã e Arábia Saudita, eles são irmãos”.

    Sessenta e cinco iranianos evacuados do Sudão pelos militares sauditas foram recebidos na cidade de Jeddah, no Mar Vermelho, com flores, cujas imagens foram transmitidas pela televisão estatal iraniana e saudita. Dabais disse a Zarangar que a recepção amigável para os iranianos veio “das diretrizes da liderança, do rei, do príncipe herdeiro”.

    Essas imagens seriam inconcebíveis apenas alguns meses atrás, quando o Irã e a Arábia Saudita eram inimigos regionais ferrenhos envolvidos em vários conflitos por procuração em todo o Oriente Médio. Mas os dois decidiram enterraram isso em março, com a mediação chinesa, após quase sete anos de hostilidade, e esperam reabrir as embaixadas em breve.

    “Isso só pode trazer boa vontade dos iranianos com a esperança de que seja retribuído”, disse Ali Shihabi, analista e escritor saudita, à CNN.

    O reino está agora em uma missão para renovar sua imagem global e restabelecer a paz com antigos inimigos.

    Os esforços diplomáticos são os mais recentes de uma série de movimentos que posicionam Riad em um papel de pacificação, que analistas dizem ser um pivô estratégico de mais de uma década de uma política externa de confronto e intervenção.

    “Há uma nova política externa em jogo aqui”, disse Anna Jacobs, analista sênior do Golfo no think tank International Crisis Group, com sede em Bruxelas. “A Arábia Saudita busca se afirmar cada vez mais no cenário internacional por meio da mediação e da elevação de seu perfil diplomático”.

    A nova política externa de Riad é mais independente e prioriza os interesses sauditas, disse ela à CNN.

    Ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amir-Abdollahian, ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, príncipe Faisal bin Farhan Al Saud, e o ministro das Relações Exteriores da China, Qin Gang, durante reunião em Pequim / Saudi Press Agency via REUTERS

    Diplomacia sudanesa

    A última tentativa diplomática do reino ocorreu no Sudão, onde forças leais a dois generais rivais, o comandante das Forças Armadas Sudanesas (SAF), Abdel Fattah Al-Burhan, e Mohamed Hamdan Dagalo, chefe das Forças de Apoio Rápido (RSF), estão lutando pelo controle do país. Os combates já geraram centenas de mortes e milhares de feridos.

    Em imagens amplamente divulgadas pelos meios de comunicação sauditas, as forças da Arábia Saudita foram vistas evacuando milhares de pessoas de Port Sudan para a cidade costeira de Jeddah, uma jornada de 12 horas pelo Mar Vermelho. Homens, mulheres e crianças receberam bandeiras sauditas para acenar enquanto as câmeras documentavam sua chegada.

    O reino disse na segunda-feira (1º) que evacuou mais de 5 mil pessoas de mais de 100 nacionalidades.

    “Faremos tudo o que pudermos para aliviar esta crise”, disse Fahad Nazer, porta-voz da embaixada saudita nos Estados Unidos, a Becky Anderson, da CNN, na terça-feira (2). “Estamos liderando esses esforços, mas estamos trabalhando em estreita colaboração com os Estados Unidos e nossos parceiros regionais e internacionais”.

    Com a ajuda dos Estados Unidos, a Arábia Saudita também mediou na semana passada uma breve trégua no Sudão entre o comandante da SAF, Al-Burhan, e o chefe da RSF, Dagalo. A trégua foi estendida por mais 72 horas na segunda-feira, e o reino está se juntando aos Emirados Árabes Unidos, Estados Unidos e Egito em esforços para intermediar uma trégua definitiva entre os dois comandantes.

    “O esforço saudita no Sudão foi uma oportunidade de colocar os consideráveis recursos sauditas no Mar Vermelho à disposição da comunidade internacional para ajudar”, disse Shihabi. “E isso só pode refletir bem para o reino”.

    Milhares chegam à Arábia Saudita depois de deixarem o Sudão, por conta dos conflitos que tomaram o país há algumas semanas. Três brasileiros seguem aguardando o momento de partir / Reuters

    Essa nova diplomacia ocorre quando a Arábia Saudita prioriza o crescimento econômico doméstico, o que requer estabilidade regional para ter sucesso. A economia de US$ 1 trilhão está em busca de se afastar de sua reputação tradicional como produtora de petróleo conservadora e combativa e seguir por um caminho para se tornar um ator econômico global e um importante centro regional de turismo e negócios.

    Suas antigas políticas intervencionistas, disse Jacobs, apenas “levaram a uma maior instabilidade regional e aumentaram as ameaças à segurança contra a Arábia Saudita”.

    Além do Irã, Riad está refazendo laços com os Houthis do Iêmen, Turquia e o regime da Síria. Tem liderado esforços para trazer o presidente pária da Síria, Bashar al-Assad, de volta ao domínio árabe mais de uma década depois de cortar os laços com ele.

    E no mês passado, líderes do alto escalão do grupo militante palestino Hamas foram vistos realizando uma peregrinação islâmica em Meca. Dois dias depois, o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, encontrou-se com o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman, na cidade vizinha de Jeddah. O Hamas e a Autoridade Palestina estão em desacordo há mais de uma década. Os laços da Arábia Saudita com o Hamas também foram tensos na última década.

    Desafios de credibilidade

    Os esforços de mediação de Riad também foram além do Oriente Médio. No ano passado, o governo disse que intermediou uma troca de prisioneiros entre a Rússia e a Ucrânia que resultou na libertação de 10 detidos, incluindo dois veteranos americanos e cinco cidadãos britânicos.

    Em dezembro, o reino disse que também ajudou a mediar a libertação da estrela do basquete Brittney Griner da detenção russa, em troca do traficante de armas russo Viktor Bout.

    Os esforços sauditas para renovar sua imagem como mediador da paz podem enfrentar desafios de credibilidade, no entanto, devido à sua política externa combativa de quase uma década e à má fama que atraiu pela imprensa.

    Ministro das Relações Exteriores saudita, príncipe Faisal bin Farhan, desembarca em Damasco / 18/04/2023. REUTERS/Firas Makdesi

    Como as negociações de paz entre os Houthis do Iêmen e a delegação saudita ocorreram na capital do Iêmen, Sanaa, no mês passado, as autoridades houthis fizeram questão de apontar que a Arábia Saudita não é um mediador no conflito do Iêmen, como afirma, mas sim um participante.

    O reino agora está tentando se livrar do Iêmen depois de intervir na guerra civil lá em 2015, após a aquisição de Sanaa pelos Houthis. Nessa guerra, mobilizou uma coalizão árabe que incluía o RSF do Sudão. Esse grupo faz parte do conflito no Sudão que a Arábia Saudita está tentando ajudar a acabar.

    Questionado pela CNN se o reino tem alguma responsabilidade pelo conflito no Sudão, dadas suas conexões com a RSF, Nazer, da embaixada saudita nos EUA, disse que o reino está “envolvido com todas as partes relevantes no Sudão” e que Riad está “tentando promover um processo político e diálogo que restaurarão a paz e a estabilidade no Sudão”.

    “Francamente, não estamos olhando para trás”, disse ele.

    Apesar de seu passado controverso, a Arábia Saudita ainda pode ter influência suficiente para trazer as partes em conflito para a mesa de negociações, dizem analistas. O país produtor de petróleo abriga os locais mais sagrados do Islã e é uma das nações árabes mais ricas.

    O país usou sua riqueza para construir pontes com alguns de seus antigos inimigos, especialmente após um breve aumento nos preços do petróleo que se seguiu à invasão da Ucrânia pela Rússia no ano passado.

    “(A Arábia Saudita) não pretende ser um mediador imparcial, mas sua voz tem peso para muitas partes na região”, disse Shihabi, acrescentando que onde puder, a Arábia Saudita quer usar essa influência para reduzir as tensões.

    *Com informações de Mostafa Salem e Zeena Saifi, da CNN.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original