Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Assessor de Milei diz que tem dor de barriga quando vê homens se beijando e justifica: “questão hormonal”

    O economista Carlos Rodríguez afirmou nesta quinta-feira (23), contudo, que "adora" ver beijos entre duas mulheres

    Javier Milei, presidente eleito da Argentina
    Javier Milei, presidente eleito da Argentina Matias Baglietto/Reutwrs (18.10.23)

    Daniel Rittnerda CNN

    Brasília

    Um dos assessores próximos do presidente eleito da Argentina, Javier Milei, o economista Carlos Rodríguez disse nesta quinta-feira (23) que tem dor de barriga quando vê dois homens se beijando e justificou sua discriminação como uma “questão hormonal”.

    “Se eu vejo duas mulheres se beijando, adoro. Mas, se vejo dois homens se beijando, me dói a barriga”, disse Rodríguez, em uma entrevista ao canal LN+.

    O economista falava no programa do apresentador argentino Luis Novaresio, homossexual assumido, que lhe propôs: “Na próxima marcha do orgulho gay, venha comigo. Eu o convido”.

    Rodríguez imediatamente rechaçou o convite. “Não, não, eu não gosto. É uma questão hormonal. Acho que os gays não entendem”, respondeu.

    Veja também: Trump vai visitar Javier Milei em Buenos Aires

    “Há um problema que vocês precisam entender, que é a testosterona, há um problema hormonal”, acrescentou o assessor de Milei.

    O entrevistador contestou Rodríguez. “Eu tenho tanta testosterona quanto você. A mim me dói a barriga quando um garoto é expulso de casa por ser gay ou [porque] não lhe dão emprego por ser gay”, disse Novaresio.

    Rodríguez faz parte da Liberdade Avança, partido criado por Milei, e é chefe do conselho de assessores econômicos da legenda. Doutor pela Universidade de Chicago, ele fundou o Centro de Estudos Macroeconômicos (Cema) de Buenos Aires, onde foi reitor por mais de 20 anos.