Ataque mortal de drone contra petroleiro foi retaliação a Israel

Dois tripulantes, um britânico e um romeno, morreram nesta quinta-feira (29) após explosões no navio; aparelho teria sido operado pelo Irã

O navio Mercer Street, que navegava sob bandeira da Libéria, foi atacado por um drone armado nesta quinta-feira (29)
O navio Mercer Street, que navegava sob bandeira da Libéria, foi atacado por um drone armado nesta quinta-feira (29) Foto: Johan Victor / Marine Traffic

Jonny Hallam, Kareem El Damanhoury, Barbara Starr e Sheena McKenzie, CNN

Ouvir notícia

A mídia estatal iraniana disse que o ataque mortal contra um petroleiro israelense foi uma retaliação a um ataque de Israel na Síria, no que vem se revelando uma escalada das tensões marítimas no Oriente Médio nos últimos dias.

Dois tripulantes, um britânico e um romeno, morreram nesta quinta-feira (29) quando o navio-tanque da Mercer Street foi atacado por um drone armado, que teria sido operado pelo Irã, na costa de Omã.

A estatal iraniana Alam TV, citando fontes não identificadas, relatou nesta sexta-feira (30) que o incidente no Mar Arábico foi uma “retaliação pelo ataque israelense da semana passada ao Aeroporto Militar Al-Dabaa na área de Al-Qusair, em Homs.”

O regime sírio é apoiado por forças iranianas. Nenhum oficial iraniano comentou sobre o ataque e a CNN entrou em contato com o Ministério das Relações Exteriores do Irã para comentar o assunto.

O navio estava viajando de Dar es Salaam, na Tanzânia, para Fujariah, nos Emirados Árabes Unidos, sem carga a bordo, disse a empresa de gerenciamento do navio.

Ele estaria navegando sob bandeira da Libéria, de acordo com o site de rastreamento marítimo Marine Traffic. O navio é de propriedade japonesa e administrado pela Zodiac Maritime, uma empresa de gerenciamento internacional com sede em Londres e liderada pelo magnata naval israelense Eyal Ofer.

O Zodiac também confirmou nesta sexta-feira que o navio-tanque estava sob seu próprio poder e se deslocando para um local seguro com uma escolta naval dos EUA. As autoridades americanas não disseram para qual porto o navio irá.

Um oficial de segurança com conhecimento da investigação preliminar disse que a tripulação relatou ter ouvido ruídos de drones seguidos de explosões e erupções na água. O navio então silenciou o rádio.

O motorista do navio e um destacamento de segurança permaneceram na ponte para pilotar e foram atingidos no ataque. O britânico morto era membro do pessoal de segurança, disse o oficial.

Um oficial de defesa dos EUA familiarizado com os detalhes do incidente disse que o petroleiro foi atacado por um drone armado que pode ter sido operado pelo Irã.

Outro oficial disse que os EUA responderam “a um pedido de socorro de emergência de um aparente ataque do tipo UAV”, e que o navio foi escoltado até o porto pelo porta-aviões USS Ronald Reagan e pelo destróier USS Mitscher.

Drone armado – ataque a navio-tanque
Imagem 3D de um drone armado
Foto: Koto Feja / Getty Images

A tripulação do petroleiro relatou que o drone explodiu em sua superestrutura nesta quinta-feira, disse o oficial dos EUA. Eles também relataram uma tentativa malsucedida de ataque de drone no início do dia, mas disseram que o aparelho caiu na água.

Drones armados do Irã

As Forças Armadas dos EUA há muito observam que o Irã possui drones que operam voando contra alvos e explodindo com o impacto.

Uma fonte oficial do Centro de Segurança Marítima de Omã disse à Oman News Agency nesta sexta-feira que o incidente aconteceu fora das águas de Omã, disse a agência.

Omã enviou jatos e um navio da Marinha para o local do ataque, e oficiais do país dizem que foram informados pelo navio e sua tripulação que ele continuaria navegando sem a necessidade de assistência, informou a agência.

Preocupações profundas

Este incidente ocorre em meio ao aumento das tensões entre Israel e o Irã e segue-se a uma série de ataques a petroleiros no Golfo de Omã nos últimos anos, que os EUA atribuíram ao Irã.

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Yair Lapid, disse que o mundo precisa enfrentar o Irã após o incidente.

“O Irã não é apenas um problema israelense, mas um exportador de terror, destruição e instabilidade que prejudica o mundo inteiro. Nunca devemos permanecer calados diante do terrorismo iraniano, que também prejudica a liberdade de navegação”, disse Lapid em um comunicado sobre Twitter.

Lapid acrescentou que disse ao seu homólogo britânico, Dominic Raab, que o ataque ao navio precisava de uma resposta forte. O Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido disse estar “profundamente preocupado” com o incidente na costa de Omã, em um comunicado no Twitter.

“Nossos pensamentos estão com os entes queridos dos cidadãos britânicos e romenos mortos no incidente”, disse o comunicado. “Os navios devem ser autorizados a navegar livremente de acordo com o direito internacional”, acrescentou.

Ambrey, a empresa de segurança marítima que empregou o tripulante do Reino Unido morto no ataque, também disse em um comunicado que estava “atualmente trabalhando em estreita colaboração com o nosso cliente e as autoridades competentes, oferecendo todo o apoio possível aos parentes da vítima. Nossos pensamentos estão com a família e amigos das pessoas envolvidas neste momento incrivelmente triste.”

Andrew Carey e Amir Tal da CNN contribuíram para esta reportagem

(Este texto é uma tradução. Para ler o original, em inglês, clique aqui)

Mais Recentes da CNN