Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Aumento de mortes nos EUA pode ser por conta da Delta, e não da Ômicron, diz CDC

    Número de mortos por Covid-19 aumentou 40% em uma semana, segundo órgão de saúde dos Estados Unidos

    Hospitalização e morte por Covid-19 têm aumentado nos Estados Unidos
    Hospitalização e morte por Covid-19 têm aumentado nos Estados Unidos Andrew West/The (Fort Myers) New

    Jeff MasonKatharine Jacksonda Reuters

    Ouvir notícia

    As hospitalizações por Covid-19 nos Estados Unidos aumentaram cerca de 33% na última semana nos Estados Unidos. O número de mortes também aumentou cerca de 40% e pode estar relacionado a um velho inimigo, a variante Delta.

    O alerta é do CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos) e foi emitido nesta quarta-feira (12).

    A diretora do CDC, Rochelle Walensky, disse que os casos de Covid-19 nos Estados Unidos, impulsionados pela variante Ômicron de rápida disseminação, devem atingir o pico nas próximas semanas.

     

    “A magnitude desse aumento está amplamente relacionada à variante Ômicron, que agora representa cerca de 90% dos casos de Covid-19 no país”, disse ela a repórteres.

    As hospitalizações estão aumentando desde o final de dezembro, quando a Ômicron superou a variante Delta como a versão dominante do coronavírus nos Estados Unidos, embora especialistas digam que a Ômicron tende a ser menos mortal do que as variantes anteriores.

    O recente aumento nas mortes por Covid é provavelmente um efeito retardado da variante Delta, que estava aumentando antes da Ômicron se estabelecer nos Estados Unidos, em dezembro, disse Walensky.

    Com a Delta e outras variantes anteriores, as mortes atrasaram as taxas de infecção em algumas semanas.

    “Podemos ver mortes da Ômicron, mas suspeito que as mortes que estamos vendo agora ainda são da Delta”, disse Walensky, acrescentando que levará tempo para entender como a Ômicron afeta os números de mortes por coronavírus.

    Edição de Tim Ahmann e Bill Berkrot, da Reuters

    Mais Recentes da CNN