Autoridade de segurança cibernética da Casa Branca alerta sobre hacks russos

Anne Neuberger, vice-conselheira de segurança nacional dos EUA, esteve hoje com autoridades europeias em Bruxelas

Bandeira da Rússia atrás de arame farpado na embaixada russa em Kiev
Bandeira da Rússia atrás de arame farpado na embaixada russa em Kiev Gleb Garanich/Reuters 26/03/2018

James Pearsonda Reuters

Ouvir notícia

A Rússia pode usar ataques cibernéticos como parte de seus esforços para desestabilizar e invadir ainda mais a Ucrânia, disse uma autoridade cibernética da Casa Branca que visita seus colegas europeus nesta quarta-feira (2).

Anne Neuberger, vice-conselheira de segurança nacional dos EUA para tecnologia cibernética e emergente, estava se reunindo com autoridades da União Europeia e da Otan em Bruxelas para discutir a ameaça de ataques cibernéticos contra a Ucrânia pela Rússia.

“Estamos alertando há semanas e meses, pública e privadamente” sobre possíveis ataques, disse Neuberger em entrevista coletiva virtual.

“Os russos usaram o cibernético como um componente-chave de sua projeção de força na última década, inclusive anteriormente na Ucrânia”, disse Neuberger.

A Rússia reuniu mais de 100.000 soldados ao longo da fronteira com a Ucrânia, estimulando temores de guerra. Embora a Rússia negue estar planejando uma invasão, está exigindo amplas garantias de segurança, incluindo uma promessa de que a Otan nunca admitirá a Ucrânia.

A visita de Neuberger ocorre após um grande ataque cibernético alertando os ucranianos para “ter medo e esperar o pior” atingir sites do governo em meados de janeiro, deixando algumas páginas inacessíveis e levando Kiev a abrir uma investigação.

Kiev acredita que um grupo de hackers ligado à inteligência na Bielorrússia, um aliado próximo da Rússia, realizou o ataque cibernético usando malware semelhante ao usado por um grupo vinculado à inteligência russa.

A Shell disse na terça-feira que estava redirecionando os suprimentos de petróleo a outros depósitos após um ataque cibernético a duas subsidiárias da empresa de logística alemã Marquard & Bahls esta semana.

A natureza do ataque ou a identidade dos atacantes que realizaram o hack da Marquard & Bahls não ficou clara. A empresa não respondeu aos pedidos de comentários.

Mais Recentes da CNN