Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Autoridades eleitorais nos EUA se preocupam com segurança pessoal antes de eleições

    Preocupações com segurança física "aumentaram desde 2020 por causa de ameaças a autoridades estaduais e locais em todo o país", disse principal autoridade de segurança eleitoral nos Estados Unidos

    Ao mesmo tempo, as autoridades eleitorais locais precisam ficar atentas a ameaças cibernéticas que possam exacerbar a desinformação sobre o processo de votação
    Ao mesmo tempo, as autoridades eleitorais locais precisam ficar atentas a ameaças cibernéticas que possam exacerbar a desinformação sobre o processo de votação Pexels

    Sean Lyngaasda CNN

    em Washington

    Ouvir notícia

    Quando as autoridades de inteligência e segurança nacional dos Estados Unidos se reuniram em uma instalação confidencial no último mês de abril para falar com autoridades eleitorais em todo país, não havia nenhuma nova inteligência para compartilhar sobre ameaças cibernéticas à democracia americana.

    O briefing cobriu a guerra da Rússia contra a Ucrânia e fontes estrangeiras e domésticas de desinformação sobre as eleições nos EUA, de acordo com três pessoas familiarizadas com o briefing.

    Mas houve uma mudança impressionante em relação aos briefings anteriores a 2020: mencionou ameaças violentas a funcionários eleitorais que decorrem de teorias da conspiração sobre o processo de votação.

    As preocupações com a segurança física “realmente aumentaram desde 2020 por causa das ameaças que vimos a autoridades estaduais e locais em todo o país”, disse Kim Wyman, principal autoridade de segurança eleitoral da Agência federal de segurança cibernética e infraestrutura dos EUA, que incentivou funcionários eleitorais a denunciar ameaças à aplicação da lei e está contratando mais trabalhadores para aconselhar funcionários eleitorais sobre ameaças físicas.

    Muitos dos milhares de funcionários eleitorais locais nos EUA estão vivendo com uma nova realidade à medida que as eleições de meio de mandato se aproximam: eles passaram incontáveis ​​horas refutando falsas alegações do ex-presidente Donald Trump e seus apoiadores de que a eleição de 2020 foi roubada enquanto se perguntavam sobre sua segurança pessoal e tentando se preparar para as futuras eleições com um orçamento limitado.

    Ao mesmo tempo, as autoridades eleitorais locais precisam ficar atentas a ameaças cibernéticas que possam exacerbar a desinformação sobre o processo de votação.

    É um novo ambiente de ameaças híbridas – abrangendo potenciais ameaças físicas e digitais e como o público as percebe – moldado pelas eleições de 2020 e pelas falsas narrativas de fraude que surgiram a partir delas.

    “É exaustivo”, disse Barb Byrum, que há quase uma década supervisiona as eleições no condado de Ingham, em Michigan, onde vivem cerca de 285 mil pessoas.

    “Estamos sempre respondendo a alegações de conspiração”, disse Byrum, descrevendo uma infinidade de e-mails (alguns dos quais diziam “que vergonha”) e solicitações de registros públicos em busca de fraude eleitoral.

    Byrum está comprando um novo conjunto de persianas para seu escritório depois de ouvir sobre autoridades eleitorais em outros lugares que enfrentam ameaças de morte. Ela mantém a cabeça girando em torno do condado de Ingham, que abriga a capital de Lansing e votou por 2 a 1 para Joe Biden em 2020.

    “Você não pode planejar apenas um cenário”, disse Wyman em sua primeira entrevista desde que o governo Biden a escolheu em outubro para liderar os esforços de segurança eleitoral da Agência de Segurança Cibernética e Infraestrutura.

    Ela está cruzando o país incentivando os funcionários eleitorais a se inscreverem em serviços federais gratuitos de segurança cibernética e a se manifestarem com voz clara contra informações falsas sobre votação.

    “Uma corrida sem linha de chegada”

    Nas eleições de meio de mandato deste ano e nas eleições gerais de 2024, os holofotes estarão sobre os trabalhadores eleitorais como nunca antes, uma parcela dos eleitores pode alegar fraude se seu candidato perder e espiões ou trolls estrangeiros podem explorar o ambiente para diminuir ainda mais a confiança do eleitor.

    “Sejamos honestos: em termos de influência estrangeira, atores como a Rússia têm um histórico de esforços coordenados onde eles não estão apenas tentando atacar a confiança que os eleitores têm no sistema eleitoral, tentando semear discórdia e amplificando desinformação”, disse Wyman, “mas também empreendendo um esforço coordenado com ataques à infraestrutura cibernética”.

    “Nada disso foi embora”, acrescentou.

    No entanto, Wyman disse à CNN que as autoridades dos EUA não estão cientes de qualquer “ameaça específica às eleições de 2022. Mas esta é aquela corrida proverbial sem linha de chegada. Estamos dizendo às autoridades eleitorais para manterem um estado de vigilância.”

    Autoridades federais estão tentando se antecipar a qualquer campanha de influência estrangeira, em parte amplificando as vozes das autoridades eleitorais locais, esperando que possam efetivamente desmascarar teorias da conspiração sobre o processo de votação que bots e trolls podem aproveitar.

    A Agência de Segurança Cibernética e Infraestrutura está aconselhando autoridades estaduais e locais a criarem seus próprios sites dedicados para combater rumores e informações erradas relacionadas às eleições, na esperança de que os eleitores confiem mais em seus funcionários locais do que em um rosto desconhecido em Washington.

    “Vemos que as pessoas confiam mais em seus funcionários eleitorais locais do que em informações vindas do estado ou do governo federal”, disse Meagan Wolfe, chefe da Comissão Eleitoral de Wisconsin. “Estes são seus vizinhos e seus amigos.”

    Convencer os eleitores da integridade do sistema de votação – que inúmeras auditorias da eleição de 2020 afirmaram – ainda é uma tarefa difícil.

    Cerca de metade dos americanos entrevistados acredita que é provável que uma futura eleição seja anulada por razões partidárias, de acordo com uma pesquisa da CNN publicada em fevereiro.

    “A confiança do eleitor é o que mais me preocupa”, disse Wolfe, que, como principal autoridade eleitoral de Wisconsin, desmascarou publicamente as teorias da conspiração sobre as eleições do estado.

    Como secretário de Estado republicano no estado de Washington nas eleições de 2020, Wyman refutou as falsas alegações de Trump de fraude eleitoral.

    “A polarização que vimos saindo de 2020 – não tenho certeza se é possível, de certa forma, convencer algumas pessoas de que a eleição foi segura”, disse Wyman.

    “Acho que o melhor lugar para gastarmos nosso tempo é realmente tentar ser transparentes sobre a maneira como conduzimos as eleições neste país, as medidas de segurança que são colocadas na segurança cibernética e física para garantir nossas eleições, como estamos sendo responsável por todas as cédulas para as quais produzimos resultados”, disse Wyman.

    Outro ponto de destaque para a equipe de sua agência antes das eleições: ajudar os administradores eleitorais a proteger seus bancos de dados de registro de eleitores, que hackers russos e iranianos atacaram nas eleições de 2016 e 2020, respectivamente.

    Embora muitas informações encontradas nos bancos de dados de registro de eleitores sejam públicas, os conjuntos de dados podem ser usados ​​para semear dúvidas sobre a eleição.

    Dinheiro fala mais alto

    Votação em Ohio durante primárias das eleições americanas
    Eleitor participa de votação nos Estados Unidos / Matt Sullivan/ Reuters

    Ameaças domésticas e estrangeiras convergiram após as eleições de 2020, quando, concluiu o FBI, agentes iranianos criaram um site que incluía ameaças de morte a funcionários eleitorais dos EUA e suas informações pessoais.

    Mas especialistas em eleições dizem que o setor precisa de mais dinheiro e pessoas para lidar com esse tipo de ameaça combinada nos próximos anos.

    Os Estados precisarão de mais de US$ 500 milhões nos próximos cinco anos para substituir equipamentos de votação antigos, de acordo com o Brennan Center for Justice, para não falar do dinheiro necessário para proteger os trabalhadores eleitorais de ameaças físicas.

    A Agência de Segurança Cibernética e de Infraestrutura tem 127 especialistas em segurança física em todo o país que podem avaliar as instalações eleitorais quanto à segurança; a agência planeja contratar mais 15 até o final do ano.

    O Departamento de Justiça encorajou os promotores a apresentarem acusações contra aqueles que ameaçam funcionários eleitorais quando merecido, ao mesmo tempo em que enfatiza que um programa de concessões de justiça criminal que dá aos estados milhões de dólares a cada ano pode ser usado para proteção contra ameaças físicas.

    Mas o Bureau of Justice Assistance, a divisão do Departamento de Justiça que supervisiona os subsídios, até 6 de junho não havia relatado nenhum uso dos fundos para proteger contra ameaças de violência aos trabalhadores eleitorais, disse um porta-voz do departamento à CNN.

    Um rascunho do projeto de lei de financiamento fiscal de 2023 do Comitê de Apropriações da Câmara para serviços financeiros e governamentais daria à Comissão Federal de Assistência Eleitoral US$ 400 milhões em subsídios de segurança para distribuir aos estados.

    Esse dinheiro seria bem-vindo, mas os esforços de financiamento eleitoral ainda estão aquém, de acordo com Ben Hovland, um comissário da EAC.

    “Nas consequências da grande mentira, com ameaças físicas e assédio a funcionários eleitorais adicionados aos desafios de segurança cibernética e à pandemia contínua, nunca foi tão difícil administrar eleições e nunca foi tão caro”, disse Hovland à CNN.

    “A verdadeira questão que os formuladores de políticas devem se fazer é: estamos dispostos a investir em nossa democracia da maneira que ela merece?”

    Um homem de 42 anos de Nebraska se declarou culpado na última quinta-feira de ameaçar um funcionário eleitoral no Instagram e pode pegar até dois anos de prisão.

    Os senadores democratas Amy Klobuchar, de Minnesota, e Dick Durbin, de Illinois, pediram na quinta-feira ao FBI e ao Departamento de Segurança Interna que considerassem a emissão de um anúncio de serviço público às agências policiais locais “para garantir que eles estejam cientes do recente aumento dessas ameaças contra funcionários eleitorais e recursos federais para denunciá-los e combatê-los.”

    As ameaças e o assédio aos funcionários eleitorais afetaram a profissão. Quase 1 em cada 3 funcionários eleitorais locais conhece trabalhadores eleitorais que deixaram seus empregos pelo menos em parte por medo de sua segurança ou por causa de ameaças ou intimidações crescentes, de acordo com uma pesquisa divulgada pelo Centro Brennan em março.

    Apesar da rotatividade, ainda existem milhares de funcionários eleitorais experientes em todo o país que podem aproveitar os laços mais estreitos que estabeleceram com autoridades federais e entre si desde as eleições de 2016 para lidar com o novo cenário de ameaças físicas e cibernéticas.

    “Por causa de todo o trabalho que estamos fazendo juntos desde 2016 para abordar questões de segurança cibernética, conseguimos incluir nessas conversas preocupações e de segurança física”, disse Wolfe.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN