Banksy venderá camisetas e dará lucro a manifestantes que derrubaram estátua

Protestantes que derrubaram estátua em Bristol, na Inglaterra, devem ser julgados na próxima semana

Onda de derrubada de estátuas começou no Reino Unido, com a homenagem ao mercador de escravos Edward Colston, em Bristol
Onda de derrubada de estátuas começou no Reino Unido, com a homenagem ao mercador de escravos Edward Colston, em Bristol Foto: Keir Gravil/Reuters (7.jun.2020)

Jeevan Ravindrada CNN*

Ouvir notícia

O grafiteiro britânico Banksy anunciou que venderá camisetas para ajudar os acusados ​​de derrubar a estátua do traficante de escravos Edward Colston, durante os protestos do Black Lives Matter em 2020.

Manifestantes antirracistas derrubaram a estátua na cidade de Bristol, no sudoeste da Inglaterra, em 7 de junho de 2020, durante uma manifestação em solidariedade ao movimento Black Lives Matter após o assassinato de George Floyd nos Estados Unidos.

O grupo amarrou uma corda em torno da estátua de bronze de Colston e depois a puxou para baixo do pedestal.

Em seguida, os manifestantes levaram a estátua para o porto de Bristol e jogaram no rio Avon, que atravessa a cidade.

Quatro pessoas foram indiciadas pela polícia sobre a remoção e devem ir a julgamento na próxima semana.

Banksy disse que suas camisetas de suvenir “marcariam a ocasião” e estariam disponíveis em lojas de Bristol a partir de sábado por R$ 158,79.

Em um post no Instagram, o artista anônimo — que parece ser de Bristol, embora pouco se saiba sobre sua identidade — disse que enviaria “todos os rendimentos aos réus para que eles pudessem comprar uma cerveja.”

Banksy também compartilhou uma foto das camisetas, estampada com a palavra “Bristol” em um emblema acima de uma imagem do pedestal vazio onde a estátua ficava anteriormente, com a corda pendurada e um cartaz de manifestante ao lado.

Rádio Ujima de Bristol disse que as camisetas estarão disponíveis para compra em cinco lojas independentes na cidade, com limitação de apenas uma por cliente.

A PA Media relatou que milhares de pessoas estavam na fila para comprar os itens da edição limitada no sábado.

Colston era um traficante e comerciante de escravos que ajudou a transportar dezenas de milhares de escravos da África através do Atlântico e os vendeu como mão-de-obra, principalmente em plantações de açúcar no Caribe e na Virgínia.

A estátua dele, instalada em 1895, é apenas um exemplo da forma como foi homenageado em sua cidade natal, Bristol, com estradas, escolas e prédios recebendo seu nome — embora muitos tenham sido renomeados desde então.

No momento da queda, Banksy sugeriu que a ideia para o futuro da estátua seria “colocá-la de volta no pedestal, amarrar o cabo no pescoço e encomendar algumas estátuas de bronze em tamanho real dos manifestantes que estavam no ato para puxá-la para baixo”.

A estátua está agora temporariamente em exibição no museu M Shed em Bristol, ao lado de cartazes do protesto onde foi demolida.

Foi colocado lá em junho e ficará até pelo menos janeiro de 2022, enquanto esperam por uma consulta para definir o futuro.

Após o assassinato de George Floyd e a ascensão global do movimento Black Lives Matter no ano passado, Banksy — que foi confirmado em entrevistas como um homem branco — compartilhou uma declaração antirracista online.

“As pessoas de cor estão sendo reprovadas pelo sistema. O sistema branco”, escreveu ele.

“Como um cano quebrado inundando o apartamento das pessoas que vivem no andar de baixo. Este sistema defeituoso está tornando suas vidas uma miséria, mas não é seu trabalho consertá-lo, este é um problema branco.”

(Texto traduzido. Leia o original aqui.)

 

Mais Recentes da CNN