Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Biden busca manter ajuda à Ucrânia faltando semanas para financiamento acabar

    Destituição do presidente da Câmara Kevin McCarthy pressagia consequências potencialmente graves para esforços de Biden em garantir o financiamento da Ucrânia na guerra contra a Rússia

    Forças especiais ucranianas na região de Bakhmut
    Forças especiais ucranianas na região de Bakhmut Kai Pfaffenbach/Reuters

    Kevin LiptakMJ LeeAlex MarquardtNatasha Bertrandda CNN

    Funcionários do alto escalão da administração Biden acreditam, em particular, que faltam apenas algumas semanas para que a falta de financiamento adicional da Ucrânia comece a tornar-se uma séria preocupação no campo de batalha – um cenário que eles estão tentando evitar com avisos públicos e um grande discurso do próprio presidente Joe Biden.

    A corrida pela presidência da Câmara desencadeada pela histórica destituição de Kevin McCarthy na terça-feira (3) pressagia consequências potencialmente graves para os esforços de Biden para garantir o financiamento da Ucrânia, deixando a administração à procura de soluções.

    Publicamente, as autoridades dizem que continuam convencidas de que a maioria dos americanos – incluindo no Congresso – apoia a assistência sustentada à Ucrânia. No entanto, as manobras desta semana demonstram a preocupação persistente de que a assistência americana a Kiev possa abrandar em breve.

    Biden deu a entender na quarta-feira (4) que os funcionários do governo têm procurado métodos alternativos para fornecer assistência à Ucrânia caso os pedidos de financiamento da Casa Branca não sejam atendidos.

    “Isso me preocupa”, disse Biden quando questionado na quarta-feira se estava preocupado em entregar à Ucrânia a ajuda que prometeu. “Mas sei que há uma maioria de membros da Câmara e do Senado de ambos os partidos que disseram apoiar o financiamento da Ucrânia”.

    Funcionários da administração têm alertado o Congresso que deve aprovar urgentemente fundos adicionais para ajudar os esforços de guerra da Ucrânia – “obviamente o tempo é essencial”, frisou um funcionário.

    No entanto, sem sequer a oportunidade de votar um novo presidente da Câmara até pelo menos a próxima semana – e sem qualquer caminho claro para uma votação sobre a nova assistência à Ucrânia depois disso – as perspectivas de um novo pacote de assistência no curto prazo parecem escassas.

    Privadamente, as autoridades acreditam que um período de semanas em que o Congresso hipoteticamente funcionasse sem um presidente permanente da Câmara – e sem ser capaz de legislar – não seria extremamente preocupante no que diz respeito ao financiamento da Ucrânia.

    Muito mais preocupante, disseram eles, seria se os legisladores começassem a aproximar-se do fim da resolução contínua aprovada mais recentemente – que termina em 17 de novembro – sem quaisquer perspectivas realistas de aprovar financiamento adicional à Ucrânia.

    Presidente dos EUA Joe Biden em São Francisco / 27/9/2023 REUTERS/Evelyn Hockstein

    Sentindo a urgência, Biden disse aos repórteres na quarta-feira que estava planejando um discurso expondo o imperativo do apoio contínuo à Ucrânia. “Vou argumentar que é esmagadoramente do interesse dos Estados Unidos que a Ucrânia tenha sucesso”, disse ele.

    Funcionários da Casa Branca não forneceram outros detalhes sobre o discurso, inclusive quando Biden poderia pronunciá-lo.

    Ele também disse aos repórteres: “existe outro meio pelo qual poderemos encontrar financiamento” caso o Congresso não aprove a nova ajuda, sugerindo um esforço para encontrar soluções alternativas enquanto os legisladores hesitam na aprovação da assistência. Nem o presidente, nem os seus assessores explicaram os meios alternativos.

    Funcionários do Pentágono reiteraram na quarta-feira que o mecanismo mais eficaz para apoiar a Ucrânia ainda é através da Autoridade de Saque Presidencial, que precisa ser reabastecida com os fundos suplementares que estão agora no limbo.

    Por enquanto, os responsáveis da Casa Branca estão monitorando de perto a corrida à presidência da Câmara que se desenrola no Capitólio em busca de sinais de como o debate sobre a Ucrânia poderá se desenrolar.

    Embora permaneçam publicamente calados sobre qualquer legislador específico que esteja de olho no cargo, os assessores têm acompanhado de perto as linhas divisórias entre os republicanos sobre a prestação de mais assistência.

    Os principais candidatos ao cargo expressaram posições diferentes sobre a Ucrânia. Um grupo pró-Kiev que avalia os legisladores republicanos pelo seu apoio à Ucrânia atribuiu uma nota B ao deputado Steve Scalise, da Louisiana, que votou a favor de pacotes de assistência anteriores.

    Atribuiu ao deputado Jim Jordan de Ohio um F, a nota mais baixa, apontando para seus votos anteriores contra o financiamento da Ucrânia.

    Jordan, que anunciou a sua candidatura para presidente da Câmara na quarta-feira, disse que se opõe a um novo pacote de ajuda à Ucrânia. “Sou contra isso”, disse ele à CNN, quando questionado se apresentaria um pacote para a Ucrânia se fosse eleito presidente.

    O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, e o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden / Assessoria de Imprensa da Presidência da Ucrânia / Divulgação

    Durante meses, funcionários do alto escalão da administração manifestaram confiança de que o novo financiamento para a Ucrânia acabaria sendo aprovado pela Câmara republicana, apesar dos protestos de vários conservadores.

    Jake Sullivan, o conselheiro de segurança nacional, previu um processo de “idas e vindas” entre os republicanos antes que eventualmente surja um “forte apoio bipartidário para continuar a financiar a Ucrânia”.

    Financiamento adicional

    Neste verão, Biden solicitou um financiamento adicional de US$ 24 bilhões para a Ucrânia, além das centenas de bilhões já aprovados em assistência dos EUA. A medida provisória aprovada no fim de semana passado não incluiu novos fundos para a Ucrânia.

    À medida que os legisladores se preparam para outra batalha de financiamento governamental, há apelos crescentes em ambas as câmaras e de ambos os partidos para que a Casa Branca envie ao Congresso um único projeto de lei de financiamento suplementar para a Ucrânia que levaria o financiamento americano para a guerra na Ucrânia até 2024 e após as eleições, disseram dois assessores republicanos do Congresso à CNN.

    A conta pretendida, disseram os assessores, seria na ordem das dezenas de bilhões de dólares – muito superior aos US$ 24 bilhões solicitados pela Casa Branca em agosto.

    Esse argumento foi apresentado tanto em privado à Casa Branca, disse um dos assessores, como também publicamente.

    No domingo, o senador republicano Lindsey Graham disse à CBS News: “Estou preocupado com o próximo ano, produziremos no Senado dos Estados Unidos, a Ucrânia financiando US$ 60 (bilhões) ou US$ 70 bilhões, e não 24, para levá-los até o próximo ano”.

    Em conversas com os seus homólogos europeus, as autoridades americanas procuraram tranquilizá-los de que estão trabalhando ativamente com o Congresso na aprovação de uma nova ajuda à Ucrânia, segundo fontes familiarizadas com o assunto.

    Um receio entre os funcionários da administração é que um atraso prolongado no fornecimento de novo financiamento à Ucrânia possa levar outras nações a recuar no seu próprio apoio, dadas as pressões políticas semelhantes sentidas por outros líderes mundiais.

    Se continuarem a existir dúvidas sobre o financiamento dos EUA e este abrandar, haverá fissuras entre os apoiadores europeus da Ucrânia, disse um embaixador europeu em Washington à CNN, alertando que as forças anti-Ucrânia na Europa irão “levantar a cabeça”.

    Esta instabilidade está alimentando a percepção russa de que eles podem esperar até que o Ocidente recue, acrescentou o embaixador, e que se formarão divisões. A atitude é: “você é fraco, se a gente te testar, você vai piscar”.

    Em um telefonema conjunto com vários aliados da Otan na terça-feira, Biden procurou tranquilizá-los sobre o compromisso americano sustentado com a Ucrânia.

    “(Eu) argumentei que sabia que a maioria do povo americano ainda apoiava a Ucrânia e a maioria dos membros do Congresso, tanto democratas como republicanos, apoiam”, disse Biden na quarta-feira.

    Ainda assim, as garantias anteriormente fornecidas a Biden por McCarthy sobre o fornecimento de ajuda à Ucrânia foram prejudicadas pela sua saída da liderança do Partido Republicano.

    “Seja quem for o novo presidente, tenho a certeza que terá um impacto significativo na forma como será o apoio adicional à Ucrânia. E teremos que descobrir como formar uma coalizão para aprovar algo lá”, disse o senador John Thune, o número 2 entre os republicanos no Senado.

    FOTOS: Imagens mostram a destruição da guerra entre Rússia e Ucrânia

    O senador Richard Blumenthal, um democrata de Connecticut, expressou preocupações semelhantes sobre a ajuda à Ucrânia.

    “Estou profundamente preocupado. Há uma urgência e precisamos avançar custe o que custar. E a segurança das fronteiras está certamente em cima da mesa. Precisamos avançar com a verdadeira sensação de que o tempo não está do nosso lado. Há uma urgência”, disse ele à CNN.

    A incerteza abalou as autoridades ucranianas que há muito temiam uma desaceleração no apoio internacional. Questionada se tem medo do fim do apoio militar dos EUA, a embaixadora da Ucrânia em Washington disse: “É claro que isso nos preocupa, mesmo que seja adiado”.

    “Somos 100% dependentes dos nossos amigos e aliados”, disse a embaixadora Oksana Markarova. “Tudo o que precisamos, como disse uma vez Winston Churchill, são as ferramentas. Dê-nos as ferramentas e terminaremos o trabalho”.

    Outra autoridade ucraniana expressou confiança de que eventualmente tudo dará certo. “Não estou em pânico, ainda acredito que será resolvido”, disse a autoridade, observando que o Pentágono disse na terça-feira que ainda há mais de US$ 5 bilhões em equipamento militar para desembolsar à Ucrânia pela Autoridade de Saque Presidencial.

    “Acreditamos na democracia dos EUA”, disse a autoridade.

    Vídeo — Análise: Guerra na Ucrânia entra em momento crucial

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original