Biden convoca 30 países para combater a ameaça de ataque ransomware

Anúncio foi feito após a ocorrência de uma série de ataques de ransomware contra empresas nos Estados Unidos nos últimos meses

EUA miram sanções contra pagamentos de ransomware em criptomoedas
EUA miram sanções contra pagamentos de ransomware em criptomoedas Código cibernético projetado na parece 13/5/2017 REUTERS/Kacper Pempel/Illustration

Sean Lyngaasda CNN

Ouvir notícia

A Casa Branca convocará uma reunião com 30 países, este mês, com o intuito de intensificar os esforços globais para enfrentar a ameaça de ransomware à segurança econômica e nacional, disse o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, em um comunicado compartilhado exclusivamente com a CNN.

“As ameaças cibernéticas afetam a vida e os meios de subsistencia das famílias e empresas americanas”, disse o assessor de segurança nacional Jake Sullivan em um comunicado à CNN. Sullivan garantiu que as autoridades “continuarão a desenvolver o esforço conjunto do governo para deter e prevenir ataques cibernéticos”.

O objetivo da aliança será de “acelerar nossa cooperação na luta contra o crime cibernético, melhorar a colaboração das forças de segurança, interromper o uso ilícito de criptomoedas e se envolver nessas questões diplomaticamente”, anunciou Biden nesta sexta-feira (1).

O anúncio foi feito após a ocorrência de uma série de ataques de ransomware contra empresas de infraestrutura crítica nos Estados Unidos nos últimos meses, incluindo um que forçou o grande fornecedor de combustível dos Estados Unidos, Colonial Pipeline, a fechar por dias.

Ceticismo de Moscou sobre ataques cibernéticos

A primeira reunião da iniciativa multilateral será realizada virtualmente. É parte de um esforço contínuo para cortar a receita de grupos de ransomware e encontrar maneiras de persegui-los, de acordo com a Casa Branca.

Para fortalecer a segurança cibernética da América, “o governo federal precisa da colaboração de todos os americanos e de todas as empresas americanas nesses esforços”, acrescentou Biden.

Em junho, Biden exortou o presidente russo, Vladimir Putin, a reprimir os cibercriminosos que operam em solo russo, mas as autoridades dos EUA estão céticas quanto à disposição de Moscou de fazê-lo.

Depois de um breve período de silêncio de alguns grupos de ransomware, após a reunião entre Biden e Putin, os cibercriminosos tiveram como alvo várias empresas americanas nas últimas semanas.

A New Cooperative, uma cooperativa de cereais com 60 lojas em Iowa, teve que desligar seus computadores no mês passado depois que os cibercriminosos, que falam russo, os criptografaram. A cooperativa disse que conseguiu conter a invasão.

As autoridades dos EUA vem buscando maneiras de deter os cibercriminosos sem depender da cooperação do governo russo. No mês passado, o Departamento do Tesouro impôs sanções a uma troca de criptografia, que as autoridades dos EUA acusaram de negociar com hackers que estavam por trás de oito tipos de ransomware.

(Texto traduzido, leia original em espanhol aqui)

Mais Recentes da CNN