Biden diz que 90% dos adultos poderão ser vacinados daqui 3 semanas nos EUA

Governo trabalha para ampliar de 17 mil para 40 mil as farmácias que aplicam as vacinas

O presidente dos EUA, Joe Biden.
O presidente dos EUA, Joe Biden. Foto: Tom Brenner - 12.mar.2021/Reuters

Gregory Prudenciano, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou que 90% dos adultos americanos estarão elegíveis para serem vacinados contra a Covid-19 até o dia 19 de abril, daqui três semanas. O anúncio foi feito na tarde desta segunda-feira (29), e já havia sido antecipado por um comunicado no site da Casa Branca. 

“Estou feliz de anunciar que pelo menos 90% de todos os adultos deste país serão elegíveis para serem vacinados até 19 de abril, daqui três semanas, porque temos as vacinas. A grande maioria dos adultos não terá de esperar até 1º de maio. Por fim, os 10% restantes serão elegíveis até 1º de maio”, explicou o democrata em seu anúncio. 

A notícia veio acompanhada de novas ações do governo para prover vacinas a pessoas portadoras de deficiência física e com dificuldade de locomoção. Biden quer que haja um local de vacinação a no máximo cinco milhas (8 quilômetros) das casas de 90% dos americanos.

Além disso, o governo americano também trabalha para ampliar a rede farmacêutica em que os cidadãos podem ser vacinados. Por ora, a ideia é fazer a rede crescer das 17 mil farmácias cadastradas para cerca de 40 mil nas próximas semanas. 

“Estamos fazendo progresso na vacinação, mas os casos estão aumentando e o vírus está se espalhando por muitos lugares ainda. É por isso que hoje eu estou dando esses passos para fazer uma mudança na história do nosso programa de vacinação, para que avance ainda mais rápido”, afirmou Biden.  

Na quinta-feira (25), Joe Biden já havia dobrado a meta de vacinação contra a Covid-19 no Brasil, de 100 milhões de doses aplicadas em seus primeiros 100 dias na presidência para um total de 200 milhões de doses no mesmo período. 

O primeiro objetivo foi atingido em 19 de março, no 58º dia do mandato do democrata.

Mais Recentes da CNN