Biden reitera a importância da democracia em abertura oficial da Cúpula das Américas

Presidente do México e líderes de El Salvador, Honduras e Guatemala faltaram à reunião em protesto; anda assim, Biden tentou trazer um tom positivo em abertura

Presidente Joe Biden faz abertura oficial da Cúpula das Américas, sediada em Los Angeles (08.06.2022)
Presidente Joe Biden faz abertura oficial da Cúpula das Américas, sediada em Los Angeles (08.06.2022) Allen J. Schaben / Los Angeles Times via Getty Images

Da CNN

Ouvir notícia

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, abriu oficialmente a Cúpula das Américas nesta quarta-feira (8). O evento é sediado em Los Angeles e reúne líderes de países das Américas para discutir e buscar soluções para questões políticas compartilhadas. Em seu discurso, Biden  enfocou a democracia.

“Nesta cúpula, temos a oportunidade de nos reunir em torno de algumas ideias ousadas, ações ambiciosas e demonstrar ao nosso povo o incrível o poder da democracia para oferecer benefícios concretos e tornar a vida melhor para todos, todos”, disse Biden.

Essa é a primeira vez que os EUA sediam a Cúpula das Américas desde a sua iniciação em 1994. Mas a decisão do presidente de não incluir Cuba, Venezuela e Nicarágua gerou um boicote de várias nações.

O presidente do México, bem como os líderes de El Salvador, Honduras e Guatemala faltaram à reunião em protesto.

Ainda assim, o presidente Biden tentou trazer um toque positivo em seu discurso de abertura.

“A democracia não é apenas a característica definidora das histórias americanas, mas o ingrediente essencial para o futuro das Américas”, afirmou.

O presidente foi vaiado por um pequeno número de membros da plateia ao abrir o evento. Não ficou claro o que eles estavam dizendo – e Biden continuou seu discurso após uma breve pausa.

Análise

O presidente Joe Biden chegou em Los Angeles na quarta-feira para receber quase duas dúzias de líderes da América Latina, esperando usar novos anúncios econômicos e migratórios para demonstrar coesão em uma região de política fraturada e, às vezes, com ceticismo arraigado em relação aos Estados Unidos.

Sua missão foi dificultada pela decisão de vários líderes de boicotar o evento, incluindo os altos funcionários do México e de três países da América Central que os EUA trabalharam para cultivar relações.

Eles se recusaram a comparecer porque Biden se recusou a convidar três líderes autocráticos: Cuba, Venezuela e Nicarágua.

O drama sobre a lista de convidados diminuiu a perspectiva de grandes avanços de união. No entanto, Biden permaneceu com a intenção de mostrar seu compromisso com uma parte do mundo muitas vezes negligenciada na política externa americana.

Biden lançou a cúpula pedindo cooperação e um foco renovado na democracia, um apelo urgente depois que sua exclusão de líderes autocráticos na conferência provocou protestos e boicotes.

“No momento, precisamos de mais cooperação, propósito comum e ideias transformadoras. Nunca houve uma necessidade maior do que hoje”, disse Biden ao abrir o evento de três dias.

Ele disse que agora é fundamental “demonstrar ao nosso povo o poder das democracias para tornar a vida melhor para todos”.

E enquanto a China faz incursões na América Latina, Biden disse que “temos todas as ferramentas de que precisamos aqui em nosso próprio hemisfério” para fornecer segurança e avanço econômico

Encontro com Bolsonaro

Em Los Angeles, Biden deve se encontrar pela primeira vez com o presidente brasileiro Jair Bolsonaro, que pensou em um boicote antes de prometer um encontro pessoal com o líder americano.

O líder populista de extrema-direita, que era um aliado próximo do presidente Donald Trump, foi ignorado pela Casa Branca até agora.

No início desta semana, ele até ecoou Trump ao lançar dúvidas sobre a vitória de Biden nas eleições de 2020 em comentários de São Paulo. Ele também questionou a confiabilidade dos sistemas eleitorais do Brasil.

Sullivan disse esperar que os dois presidentes discutam “eleições democráticas livres, justas e transparentes” em suas conversas.

“Não há tópicos fora dos limites em qualquer bilateral que o presidente faça, inclusive com o presidente Bolsonaro”, disse Sullivan.

*Publicado por Anna Gabriela Costa

Mais Recentes da CNN