Blinken diz concordar que crimes de guerra foram cometidos na Ucrânia

Secretário de Estado dos EUA ainda alertou para o uso de armas químicas por tropas russas em território ucraniano

Antony Blinken, secretário de Estado dos Estados Unidos
Antony Blinken, secretário de Estado dos Estados Unidos Foto: Olivier Douliery/Pool via REUTERS

Vinícius Tadeuda CNN*

Ouvir notícia

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, afirmou em pronunciamento nesta quinta-feira (17) que concorda com as declarações de Joe Biden de que o presidente da Rússia, Vladimir Putin, é um “criminoso de guerra”. Blinken justificou a afirmação ao dizer que as forças russas continuam a atacar civis na Ucrânia.

“Eles intensificaram seus bombardeios com o objetivo de quebrar a vontade do povo. Ontem, o presidente Biden disse que, em sua opinião, crimes de guerra foram cometidos na Ucrânia. Pessoalmente, eu concordo. Com a destruição das últimas três semanas, acho difícil concluir que os russos estão fazendo o contrário. As consequências da guerra de Moscou estão sendo sentidas em todo o mundo”, disse o secretário de Estado dos EUA.

Em uma sinalização de mudança de postura do governo dos EUA, na última quarta-feira (16), o presidente americano, Joe Biden, classificou Putin como “criminoso de guerra” ao ser questionado por repórteres. O Kremlin subiu o tom, e o porta-voz, Dmitry Peskov, disse que a fala é uma “retórica inaceitável e imperdoável”.

Durante o discurso, Blinken confirmou que especialistas americanos estão documentando e avaliando possíveis crimes de guerra na invasão russa à Ucrânia. “Vamos garantir que nossas descobertas ajudem os esforços internacionais para investigar crimes de guerra e responsabilizar os responsáveis”, disse ele.

O secretário avaliou que “atirar intencionalmente em civis é um crime de guerra” e ainda alertou para uma possível estratégia da Rússia de substituir autoridades locais ucranianas por “marionetes” russas através de sequestros de governantes locais. Ele citou o caso do prefeito de Melitopol, Ivan Fedorov, que chegou a ser preso por separatistas pró-Rússia.

Secretário acredita que Rússia poderá usar armas químicas na Ucrânia

Antony Blinken chamou atenção para a possibilidade de uso de armas químicas russas em território ucraniano. O secretário de Estado considerou que o governo da Rússia está “manipulando eventos e criando narrativas falsas de genocídio” para justificar um eventual ataque químico.

“Nós acreditamos que a Rússia está também preparando o terreno para usar armas químicas e depois culpar os ucranianos, manipulando eventos e criando narrativas falsas de genocídio. Essas são táticas que a Rússia já usou inclusive na Geórgia. Nós acreditamos que a Rússia trará mercenários de países estrangeiros para a Ucrânia”, afirmou.

O secretário de Estado dos EUA também confirmou que um cidadão americano foi morto na Ucrânia em meio à invasão russa. “Posso confirmar que um cidadão americano foi morto. Não tenho mais detalhes para vocês além disso”, pontuou.

Blinken alerta que China será responsável por eventual apoio à Rússia

De acordo com o secretário, a China tem a “responsabilidade” de usar sua influência com o presidente russo, Vladimir Putin, para parar a guerra na Ucrânia. No entanto, Blinken considerou que as posições atuais do governo chinês apontam para um possível apoio à invasão russa.

“Em vez disso, parece que a China está se movendo na direção oposta, recusando-se a condenar essa agressão enquanto procura se retratar como um árbitro neutro. E estamos preocupados que eles estejam considerando ajudar diretamente a Rússia com equipamentos militares para usar na Ucrânia”, disse.

Blinken esclareceu que Biden terá uma ligação com o presidente chinês, Xi Jinping, e deixará claro que a China “assumirá a responsabilidade por quaisquer ações que tomar para apoiar a agressão da Rússia e não hesitaremos em impor custos”.

*Com informações da CNN Internacional e da Reuters

Mais Recentes da CNN