Brasil chega vulnerável em Roma por não se alinhar ao G20, diz especialista

Jair Bolsonaro (sem partido) desembarcou na manhã desta sexta-feira (29) em Roma, na Itália, para participar das reuniões do grupo

Rafaela Larada CNNLayane Serranoda Reuters

em São Paulo

Ouvir notícia

O Brasil deve chegar vulnerável às reuniões da Cúpula de Líderes do G20, grupo que reúne as 20 maiores economias do mundo. A avaliação é da coordenadora do curso de Relações Internacionais da FAAP, Fernanda Magnotta, em entrevista à CNN nesta sexta-feira (29).

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) desembarcou nesta manhã em Roma, na Itália, para participar dos encontros bilaterais e reuniões do grupo durante o final de semana.

Para a professora, a agenda temática do G20 “não é uma boa notícia” para o Brasil porque “os temas que o mundo considera mais relevantes são os temas que temos mais sensibilidade”. “Tem sido consenso que o Brasil chega vulnerável neste encontro”, disse Fernanda.

Temas como a ampliação de acesso à imunizantes contra Covid-19, a capacidade de produção dos países em desenvolvimento, a defesa do livre comércio e o ataque aos programas de subsídios de países na área agrícola devem estar na pauta do Brasil, segundo a especialista.

Segundo ela, o Brasil também deve abordar temas como fontes renováveis de energia, a redução de emissão de carbono e defender a ideia de que o país é uma economia “pujante, imbuído da ideia de atrair investimentos”.

Jair Bolsonaro chega a Roma para participar do G20
Jair Bolsonaro chega a Roma para participar do G20 / Reprodução/CNN Brasil (20.out.2021)

No entanto, apesar da agenda propositiva, o Brasil pode ser confrontado com os dados da realidade, avalia a professora. “Se de um lado temos a agenda oficial, por outro lado chegamos vulneráveis porque chegamos confrontados com os dados da realidade”, diz Fernanda Magnotta.

“O Brasil vai falar sobre pandemia e Bolsonaro é o único líder entre os 20 que não se vacinou. Vai falar sobre competitividade, mas não está disposto a debater cláusulas sociais e ambientais. O Brasil quer falar sobre sustentabilidade, mas temos acompanhado os sucessivos avanços de destruição de nossos biomas. Como vamos defender nosso ambiente de negócios com essa crise múltipla e a insegurança jurídica? É um pouco complicada esse relação”, avalia.

Segundo a professora, o Brasil terá poucas reuniões bilaterais durante o encontro. “Está parecendo que ninguém quer sair na foto com o Brasil”, disse.

Mais Recentes da CNN