Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    “Buraco para o inferno”: China inicia nova escavação de poço a 10 mil metros de profundidade

    Região escolhida pelo país asiático é uma área importante para a produção de gás, segundo agência estatal

    Chris Lauda CNN

    Ouvir notícia

    Engenheiros chineses iniciaram na quinta-feira (20) a construção de um novo poço que se aprofundará na crosta terrestre, ao mesmo tempo que o país intensifica sua busca por recursos naturais escondidos a dezenas de milhares de metros de profundidade.

    O buraco chegará a 10.520 metros no solo na Bacia de Sichuan, no sudoeste da China, de acordo com a agência de notícias estatal Xinhua. A região é uma área importante para a produção de gás e os engenheiros esperam encontrar uma reserva de gás natural lá, diz a reportagem.

    O anúncio veio apenas algumas semanas depois que a China começou a perfurar outro poço que está programado para se estender ainda mais na Terra com uma profundidade planejada de 11.100 metros. Esse projeto está localizado na Bacia de Tarim, na região autônoma de Xinjiang, no noroeste do país.

    Se concluídos, eles estariam entre dois dos mais profundos poços feitos pelo homem no mundo. No entanto, eles não seriam os mais profundos.

    Atualmente, esse recorde pertence ao extinto Poço Superprofundo de Kola, no noroeste da Rússia, um projeto de perfuração científica da era soviética que levou 20 anos para ser concluído e chegou a 12.262 metros de profundidade.

    Esses buracos ultraprofundos se estendem mais do que o Monte Everest, medindo de cima para baixo, que tem cerca de 8.800 metros de altura.

    Os humanos chegaram à lua, mas quando se trata de explorar a terra sob nossos pés, apenas arranhamos a superfície de nosso planeta.

    Perfurar profundamente permite que os cientistas aprendam mais sobre como a Terra foi formada, com a crosta agindo como uma linha do tempo geológica ou da formação do mundo.

    Mas também há fortes incentivos comerciais – explorando reservas de energia potencialmente lucrativas enterradas nas profundezas.

    Ambas as empresas envolvidas nos poços chineses são grandes conglomerados estatais de petróleo.

    O projeto mais recente na Bacia de Sichuan é operado pela PetroChina Southwest Oil and Gasfield Co, uma subsidiária da China National Petroleum Corporation, uma das maiores empresas estatais de energia da China, segundo a Xinhua.

    Classificando-o como um movimento de “grande importância”, a agência de notícias estatal disse que o esforço visa explorar recursos profundamente enterrados enquanto “promove o progresso da tecnologia central e capacidade de equipamento da engenharia de petróleo e gás da China”.

    “A perfuração revelará ainda mais os segredos da evolução sob a formação Sinian”, afirmou, referindo-se à forma como as rochas estão dispostas na Bacia de Sichuan.

    Chen Lili, vice-engenheiro-chefe da PetroChina Southwest Oil, disse à agência de notícias estatal que esperava uma série de “desafios de classe mundial” a serem superados durante o processo de perfuração.

    Revelando o projeto de Xinjiang anteriormente, a Xinhua o apelidou de “telescópio” no extremo mais profundo da Terra, com seu projeto de 2.000 toneladas encarregado de penetrar em mais de 10 estratos continentais.

    A agência estatal informou que a configuração de perfuração pode suportar 200 graus Celsius e forças 1.700 vezes maiores que a pressão atmosférica.

    Em maio, a Sinopec Corp disse ter atingido consideráveis ​​fluxos de petróleo e gás em um poço de exploração na bacia de Tarim, a uma profundidade de 8.591 metros abaixo da superfície, informou a Reuters.

    A China, a segunda maior economia do mundo e o maior emissor de carbono do planeta, tem enormes necessidades energéticas. O líder chinês Xi Jinping declarou a segurança energética futura como uma prioridade de segurança nacional.

    A China se tornou líder global em energia renovável – o país está a caminho de dobrar sua capacidade de energia eólica e solar e atingir suas metas de energia limpa para 2030 cinco anos antes, de acordo com um relatório recente.

    Mas também é o maior produtor mundial de poluição que aquece o planeta e está aumentando a produção de carvão.

    Os EUA são o segundo maior emissor de carbono do mundo.

    O enviado do clima dos EUA, John Kerry, se reuniu com autoridades chinesas em Pequim nesta semana e pediu uma ação mais rápida para enfrentar a crise climática.

    Xi não se encontrou com Kerry esta semana. Mas durante a visita do enviado norte-americano, Xi disse em uma conferência nacional sobre proteção ambiental que o compromisso da China com suas metas de carbono – atingir um pico de carbono até 2030 e neutralidade de carbono até 2060 – é “inabalável”, segundo a Xinhua.

    “Mas o caminho, método, ritmo e intensidade para atingir esse objetivo devem ser determinados por nós mesmos, e nunca serão influenciados por outros”, disse Xi.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN