Calor sem precedentes, mortes: mudança climática está fritando hemisfério norte

Cidade no Canadá registrou temperatura de quase 50ºC, a mais alta de todos os tempos para a região

Uma estação temporária de nebulização em Vancouver refresca os residentes em meio ao calor extremo
Uma estação temporária de nebulização em Vancouver refresca os residentes em meio ao calor extremo Foto: Trevor Hagan/Bloomberg/Getty Images

Angela Dewan, da CNN*

Ouvir notícia

A pequena cidade de Lytton passou a deter um recorde sombrio. Na terça-feira (29), experimentou a temperatura mais alta de todos os tempos do Canadá, em uma onda de calor sem precedentes de mais de uma semana que matou centenas de pessoas e provocou mais de 240 incêndios florestais em British Columbia, a maioria dos quais ainda estão queimando.

Lytton atingiu 49,6 graus Celsius (121,3 graus Fahrenheit), surpreendente para a cidade de apenas 250 pessoas aninhada nas montanhas, onde as temperaturas máximas de junho são geralmente em torno de 25 graus. Na semana passada, no entanto, suas noites foram mais quentes do que normalmente são, em uma região onde o ar condicionado é raro e as casas são projetadas para reter o calor.

Agora, os incêndios transformaram grande parte de Lytton em cinzas e forçaram seu povo, bem como centenas ao redor, a fugir.

Cientistas alertam há décadas que a mudança climática tornará as ondas de calor mais frequentes e intensas. Essa é uma realidade que está acontecendo agora no Canadá, mas também em muitas outras partes do hemisfério norte que estão se tornando cada vez mais inabitáveis.

As estradas derreteram esta semana no noroeste dos EUA, e residentes de Nova York foram instruídos a não usar aparelhos de alta energia, como lavadoras, secadoras e ares-condicionados, para o bem da rede elétrica.

Na Rússia, Moscou registrou sua temperatura mais alta já registrada em junho, de 34,8 graus, em 23 de junho, e os agricultores siberianos estão lutando para evitar que suas safras morram em uma onda de calor contínua. Mesmo no Círculo Polar Ártico, as temperaturas atingiram 30 graus.

A Organização Meteorológica Mundial está tentando verificar a temperatura mais alta de todos os tempos ao norte do Círculo Polar Ártico desde o início dos registros, depois que uma estação meteorológica em Verkhoyansk na Sibéria registrou um dia de 38 graus em 20 de junho.

Na Índia, dezenas de milhões de pessoas no noroeste do país foram afetadas por ondas de calor. O Departamento Meteorológico da Índia classificou na quarta-feira (30) a capital, Nova Délhi, e as cidades vizinhas como sofrendo de “calor extremo e severo”, com temperaturas que se mantêm consistentemente na casa dos 40, mais de 7 graus mais altas do que o normal.

O calor, junto com o fim das monções, também está dificultando a vida dos agricultores em áreas como o estado de Rajasthan.

E, no Iraque, as autoridades anunciaram um feriado público em várias províncias para quinta-feira (1º), incluindo a capital Bagdá, porque estava simplesmente muito quente para trabalhar ou estudar, depois que as temperaturas ultrapassaram os 50 graus e seu sistema elétrico entrou em colapso.

Especialistas que falaram com a CNN disseram que é difícil apontar exatamente como esses eventos climáticos estão ligados, mas é improvável que seja uma coincidência que as ondas de calor estejam atingindo várias partes do hemisfério norte ao mesmo tempo.

“Os sistemas de alta pressão que estamos vendo no Canadá e nos Estados Unidos, todos esses sistemas são movidos por algo chamado fluxo de jato – uma faixa de ventos muito fortes que fica muito acima de nossas cabeças, a cerca de 30.000 pés onde os aviões voam”, disse Liz Bentley, diretora-executiva da Royal Meteorological Society do Reino Unido, à CNN.

Bentley explicou que a configuração do jato está evitando que os sistemas meteorológicos se movam com eficiência ao longo de seu caminho normal de oeste para leste.

“Essa corrente de jato tornou-se ondulada e ficou presa no que chamamos de bloco Omega, porque tem a forma da letra grega Omega e, quando entra nela, não se move para lugar nenhum, ela a bloqueia.” Bentley disse. “Portanto, a alta pressão que está se formando fica presa por dias ou semanas a fio, e esses ômegas aparecem em diferentes partes do hemisfério norte.”

Nos Estados Unidos, a mesma coisa aconteceu em meados de junho no sudoeste, quebrando recordes no México e em lugares como Phoenix, no Arizona. Algumas semanas depois, uma cúpula de alta pressão foi construída sobre o noroeste, derrubando recordes em Washington, Oregon e sudoeste do Canadá.

“Portanto, vimos essas temperaturas sem precedentes – recordes sendo quebrados não apenas em alguns graus, sendo absolutamente esmagados”, disse Bentley.

Cientista diz que isso pode acontecer todos os anos até 2100

Há uma aceitação cada vez maior entre alguns líderes políticos de que a mudança climática é a força motriz por trás de muitos eventos climáticos extremos, especialmente para ondas de calor e tempestades.

“A mudança climática está levando a uma perigosa confluência de calor extremo e seca prolongada”, disse o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, na quarta-feira. “Estamos vendo incêndios florestais de maior intensidade, que se movem com mais velocidade e duram muito além dos meses tradicionais, meses tradicionais da temporada de incêndios.”

Os cientistas estão trabalhando em ferramentas sofisticadas que podem avaliar rapidamente o quanto as mudanças climáticas podem ter contribuído para um determinado evento climático.

“Fizemos um estudo de atribuição rápido para obter algumas respostas rápidas para ‘Qual é o papel das mudanças climáticas?'”, Disse o meteorologista do UK Met Office, Nikos Christidis, que tem desenvolvido simulações para realizar essas análises.

“Descobrimos que sem a influência humana, seria quase impossível bater um novo recorde e um junho tão quente na região”, disse ele, referindo-se a uma área que inclui os afetados no Canadá e nos Estados Unidos.

Christidis disse que no passado, sem a mudança climática causada pelo homem, o calor extremo no noroeste dos EUA ou no sudoeste do Canadá teria ocorrido “uma vez a cada dezenas de milhares de anos”. Atualmente, pode ocorrer a cada 15 anos ou mais, disse Christidis.

E se as emissões de gases de efeito estufa continuarem? Christidis disse que isso pode ocorrer a cada um ou dois anos na virada do século.

Estados Unidos, Reino Unido e países da União Europeia, aumentaram recentemente seus compromissos para tentar controlar o processo, mas muitos cientistas e ativistas dizem que ainda não é suficiente para manter as temperaturas médias globais em 1,5 °C acima níveis pré-industriais.

Os líderes mundiais se comprometeram no Acordo de Paris de 2015 a atingir esse limite, a fim de evitar os impactos mais catastróficos das mudanças climáticas.nGrupos climáticos também pediram ao Canadá para aumentar seus compromissos e se livrar do petróleo e do gás.

“Este é literalmente o clima mais mortal já registrado para a região do noroeste do Pacífico dos Estados Unidos e do extremo sudoeste do Canadá. As perdas e o desespero como resultado do calor extremo e dos incêndios devastadores no Canadá são um lembrete do que está por vir à medida que a crise climática se intensifica”, disse Eddy Pérez, gerente da Climate Action Network Canada para a diplomacia climática internacional.

“O Canadá está enfrentando perdas e danos históricos causados pelo clima, ao mesmo tempo que não está fazendo sua parte no combate às perigosas mudanças climáticas. Como produtor de petróleo e gás, o Canadá ainda está considerando a expansão dos combustíveis fósseis, que é diretamente atribuída à aumento de temperatura.”

*Texto traduzido, clique aqui para ler o conteúdo original

Mais Recentes da CNN