Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Cantor é detido por abaixar bermuda em palco de festival na China

    Episódio destaca a linha tênue que os artistas devem trilhar em um país onde o espaço para a liberdade de expressão é limitado

    Cantor abaixa bermuda em show
    Cantor abaixa bermuda em show Redes sociais

    Berry WangKathleen Magramoda CNN

    Hong Kong

    Um cantor que baixou as calças durante uma apresentação em um festival de rock na China foi detido pelas autoridades.

    O episódio destaca a linha tênue que os artistas devem trilhar em um país onde o espaço para a liberdade de expressão é altamente limitado.

    Em um comunicado na segunda-feira (24), o departamento de cultura local da cidade de Shijiazhuang disse que o cantor — identificado pelo sobrenome Ding — foi detido pela polícia por “prejudicar a moralidade social”.

    Enquanto isso, o organizador de um show foi multado em US$ 28.000 e suspenso de sediar shows, acrescentou.

    Vídeos nas redes sociais chinesas mostram o vocalista da banda Violent Champagne deixando cair os shorts durante um show no festival Rock Home Town na cidade, no sábado (22).

    “Largue a cueca!” membros da audiência podem ser ouvidos cantando nos vídeos. Mas a filmagem mostra o cantor vestindo apenas roupas íntimas.

    O recente retorno das apresentações ao vivo após anos de bloqueios pandêmicos foi bem recebido pelos amantes da música na China.

    Como os eventos em Shijiazhuang mostraram, as autoridades vigiam de perto e reagem a qualquer coisa que pareça cruzar linhas políticas ou morais inaceitáveis.

    Shijiazhuang, a capital da província de Hebei, nos arredores de Pequim, é conhecida por seu cenário de música independente, algo que as autoridades da cidade fazem questão de capitalizar.

    No início deste mês, a cidade anunciou que sediaria o festival Rock Home Town até outubro para ajudar a atrair turistas e aumentar o consumo em meio à lenta recuperação econômica pós-Covid da China.

    Mas muitos internautas on-line questionaram o quão dedicados os funcionários realmente foram com o espírito do rock após o cantor ser detido.

    “Shijiazhuang quer ser a Cidade do Rock, mas tem esse gene?” disse um comentário no Weibo, semelhante ao Twitter, da China, após a detenção do cantor.

    “Antes de começar a balançar, você é levado embora”, brincou outro.

    O departamento de cultura de Shijiazhuang disse que Violent Champagne não fazia parte da programação oficial do festival, de acordo com uma reportagem do Jimu News, estatal.

    Em seu comunicado na segunda-feira (24), a agência disse que “reforçaria a supervisão das apresentações” no evento.

    “Esperamos que os artistas e a equipe cumpram conscientemente as leis e regulamentos, fortaleçam a moralidade e proporcionem entretenimento saudável e positivo para o público”, afirmou.

    Shijiazhuang foi colocado no mapa da música em 2010, quando a música “Kill the One from Shijiazhuang” da banda local Omnipotent Youth Society foi lançada e se tornou um sucesso.

    A melodia melancólica trazia letras que retratavam a frustração de um homem com a banalidade da vida – um sentimento que ressoou entre muitos na província predominantemente da classe trabalhadora, conhecida por suas indústrias de ferro e aço.

    A música voltou aos holofotes novamente em 2021, quando a Liga da Juventude Comunista de Hebei mudou o título para “The Shijiazhuang man that can’t be killed”, reformulando a letra, que glorifica a resiliência da China e seu rápido desenvolvimento econômico nas últimas décadas.

    Essa versão recebeu reação imediata na plataforma de compartilhamento de vídeo da China, Bilibili, com muitos internautas criticando a estranha instigação de “energia positiva” por funcionários do partido em uma música que originalmente tinha um sentimento muito diferente.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original