Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Conheça os segredos do passado dos candidatos presidenciais da Argentina

    Histórias curiosas, constrangedoras ou mesmo comprometedoras fazem parte do passado político dos principais postulantes à Casa Rosada e voltam à tona com a proximidade das primárias e do pleito presidencial

    Principais candidatos à presidência acumulam histórias curiosas
    Principais candidatos à presidência acumulam histórias curiosas Getty Images

    Manuela Castroda CNN

    Há quatro candidatos presidenciais que prevalecem como favoritos nas pesquisas de intenção de voto para as eleições de 2023 na Argentina. Em sua ambição, nem sempre gostam que certos dados de seu passado venham à tona.

    Para o bem, para o mal ou para surpresa de alguns, esses acontecimentos fazem parte da história de cada figura.

    Três deles – Sergio Massa, Horacio Rodríguez Larreta e Patricia Bullrich – são personagens com uma longa história na política. Por outro lado, o quarto, Javier Milei, se define como um “outsider” que chega ao cenário eleitoral para romper com a lógica bipartidária que marcou os últimos anos.

    A corrida para outubro teve início a partir do fechamento das listas, no dia em 24 de junho. Antes das eleições gerais, na Argentina, as eleições Primárias, Abertas, Simultâneas e Obrigatórias (Paso) serão realizadas em 13 de agosto.

    No dia 22 de outubro, os argentinos vão às urnas eleger um novo presidente, membros do Congresso Nacional e governadores das províncias. Em caso de segundo turno, a disputa pela presidência será definida em 19 de novembro. Assim como no Brasil, o voto é obrigatório no país vizinho.

    Quando Massa e Larreta se encontraram na estrada

    Ramón “Palito” Ortega é um popular cantor e ator argentino que começou sua carreira ainda jovem em um grupo chamado “El Club del Clan”. Mais tarde, como solista, suas canções foram ouvidas em todo o país e também no exterior: “La felicidad” é um de seus maiores sucessos.

    Palito, como é conhecido publicamente, também se envolveu com a política.

    Horacio Rodríguez Larreta / prefeito de Buenos Aires, Horacio Rodríguez Larreta 11/08/2019 REUTERS/Luisa Gonzalez

    Foi governador de Tucumán, sua província, e posteriormente assumiu a Secretaria de Desenvolvimento Social no governo de Carlos Menem.

    Foi então que o atual ministro da Economia, Sergio Massa, e o prefeito de Buenos Aires, Horacio Rodríguez Larreta, agora candidatos da oposição, garantiram um espaço comum.

    Ambos acompanharam Ortega àquela pasta no final dos anos 1990, o primeiro como assessor e o segundo como subsecretário.

    Da direita a líder do peronismo; da juventude peronista à centro-direita do Pro

    Massa é a principal aposta do Unión por la Patria para chegar à presidência em outubro. No entanto, seus primeiros passos na política foram no defensor de direita da livre iniciativa.

    A União do Centro Democrático (Ucede), espaço então liderado por Álvaro Alsogaray, estava muito longe do pensamento que o ministro professa hoje.

    Do outro lado do palco, um fato curioso que completa a foto eleitoral é que, no lado oposto ao de Massa, Patricia Bullrich, uma de suas mais fortes rivais na disputa, encontra sua vocação na Juventude Peronista aos 17 anos.

    Ministro da Economia da Argentina, Sergio Massa / 23/01/2023 REUTERS/Agustin Marcarian

    Atualmente, a ex-ministra da Segurança é a pré-candidata da oposição e presidente do Pro, ala do Juntos pela Mudança (JxC) que mais se opõe ao kirchnerismo.

    A história por trás do apelido de “montonera”

    A ex-ministra da Segurança e candidata à presidência ingressou na Juventude Peronista (JP) na adolescência. Foi a própria Bullrich quem falou abertamente sobre o assunto em diversas ocasiões.

    Esteve presente inclusive no dia do “massacre de Ezeiza”, quando o ex-presidente Juan Domingo Perón voltou ao país após seu exílio na Espanha e eclodiram confrontos entre diferentes setores do peronismo, deixando mortos e feridos.

    Mas a dúvida que pesa sobre a figura de Bullrich é se ela fez parte dos Montoneros.

    / Gustavo Muñoz/Getty Images

    A relação dela com a organização guerrilheira emerge, além de sua filiação ao JP, por ser cunhada de Rodolfo Galimberti, comandante da Coluna Norte do movimento. Ela nega veementemente.

    Em um vídeo que circula nas redes sociais, ela relembra uma música de outros tempos que diz: “Somos soldados das FAR e dos Montoneros”.

    “Tajaí”, a campanha que terminou em peça de televisão

    Era 2015 e Sergio Massa fazia campanha para disputar as eleições presidenciais. Buscava posicionar a Frente Renovadora como alternativa no centro dos principais espaços: Cambiemos, com Mauricio Macri à frente, e o kirchnerismo que tinha como candidato Daniel Scioli.

    Então Massa lançou uma série de anúncios distribuídos por todo o país que visavam especificamente cada uma das províncias.

    Rapidamente chamaram a atenção, não tanto pelo conteúdo político, mas pelo tom usado. “Você, que está aí…” foi a frase que se repetiu em cada peça.

    Análise: a promessa de socorro de Lula para a crise da Argentina

    No entanto, o candidato foi criticado porque supostamente mudava de sotaque dependendo da região-alvo.

    O “tajaí” refere-se a “você está aí” com um tom típico do interior do país.

    Massa negou que essa fosse a intenção. Explicou que a gravação das peças implicava repetir o mesmo discurso vezes sem conta e que o cansaço desse mecanismo afetava o seu tom.

    Isso não impediu que piadas e peças de comédia na televisão fossem feitas sobre esse fato.

    Milei, o “outsider” de origem política

    Como é sabido, Javier Milei se apresenta como o candidato antissistema, ou “anticasta”.

    Segundo o economista – ele repetiu inúmeras vezes – “a casta” se refere aos políticos que vivem do serviço público há anos e que, para sua própria conveniência, perpetuam o sistema como ele é: ineficiente, do seu ponto de vista .

    Mas sua pregação contra os políticos “tradicionais” contra os quais ele se posiciona como independente tem algumas arestas desconhecidas.

    Segundo o Conselho Profissional de Ciências Econômicas da Cidade de Buenos Aires, Milei presidiu a Fundação Acordar, centro de estudos e análises criado pelo líder kirchnerista Daniel Scioli.

    Mas essa não era sua única ligação com “a casta”.

    Javier Milei é alvo de acusações que podem derrubar sua pré-candidatura / Tomas Cuesta/Getty Images

    Segundo Leandro Santoro, candidato a prefeito da Cidade de Buenos Aires pelo Unión por la Patria, o economista também cobrou funções dos cofres públicos.

    Trabalhou com o então soldado Antonio Bussi durante sua passagem pelo Congresso Nacional, que posteriormente foi condenado à prisão perpétua por crimes contra a humanidade.

    Diante dessas duas acusações, Milei disse que Scioli saiu rapidamente da Fundação e, em relação a Bussi, argumentou que trabalhava “para alguém eleito pelo voto popular”.

    E nos dados coloridos de sua biografia, que ele mesmo confessou em publicações jornalísticas e em seu livro “El camino del libertario”, destaca que na juventude foi goleiro das ligas inferiores do clube de futebol Chacarita e também cantou em uma banda de rock.

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original