Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Chanceler de Zelensky chama Lula de Putin em declaração após encontro em NY

    Dmytro Kuleba cometeu equívoco e se corrigiu logo em seguida, dando continuidade à fala com elogios à postura do presidente brasileiro

    Mariana Janjácomoda CNN

    Nova York (EUA)

    O Ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, chamou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de Vladimir Putin, o líder russo, responsável pela guerra no território ucraniano.

    O equívoco, logo corrigido, aconteceu em declaração após o encontro entre Lula e o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, nesta quarta-feira (20), em Nova York, Estados Unidos.

    “Apreciamos a decisão do presidente Putin… do presidente Lula, de que seu representante, seu assessor de segurança internacional, continue participando das reuniões de coordenação de paz sobre propostas pelo presidente Zelensky”, disse.

    O comentário fazia referência ao fato de Lula colocar à disposição seu assessor especial para assuntos internacionais, Celso Amorim, para os diálogos pela paz.

    “Eu poderia até usar uma palavra não diplomática ‘quebra-gelo’, sem mencionar que havia gelo entre nossos países, mas a conversa foi muito calorosa e honesta, e eu acho que os dois presidentes entendem a posição um do outro melhor agora do que antes”, completou Kuleba.

    Lula e Zelensky não falaram com a imprensa após o encontro, o primeiro que tiveram.

    O chanceler brasileiro, Mauro Vieira, também deu declarações sobre a reunião, classificando-a como um momento de cooperação.

    “Foi um encontro muito natural, muito aberto, de troca de informações, em um clima muito distendido e de cooperação”, disse. “Os presidentes instruíram também suas equipes, seus ministros do Exterior, a continuar em contato para desenvolver as relações bilaterais e discutir sobre possibilidades de paz”.

    A reunião entre os dois chefes de Estado durou pouco mais de meia hora no hotel onde Lula está hospedado. Zelensky entrou por um acesso sigiloso, sob forte esquema de segurança. Ele não foi visto pela imprensa na chegada e nem ao deixar o prédio.

    A reunião aconteceu em um contexto controverso, já que, recentemente, Lula mencionou que o presidente da Rússia, Vladimir Putin — condenado pelo Tribunal Penal Internacional —, não seria preso caso fosse ao Brasil, que é signatário do tratado de Haia.

    Depois da repercussão, Lula mudou o tom e disse que caberia à Justiça decidir isso, e não ao governo.

    Lula já deu outras declarações polêmicas sobre o assunto e chegou a dizer que a culpa pela guerra era tanto da Rússia quanto da Ucrânia, país que sofreu a invasão.

    VÍDEO – Lula e Zelensky se encontram nesta quarta-feira (20)

    *Publicado por Pedro Jordão, da CNN em São Paulo