Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Chefe militar dos EUA faz alerta sobre programa de armas nucleares na China

    Charles Richard chamou o desenvolvimento do programa de armas nucleares da China de "problema de curto prazo"

    Ellie KaufmanBarbara Starrda CNN

    O chefe do Comando Estratégico dos Estados Unidos, Charles Richard, que supervisiona o programa de armas nucleares dos país, alertou que a China está desenvolvendo armas nucleares muito mais rápido que os EUA e chamou a questão de “problema de curto prazo”, durante um discurso em um evento fechado no início desta semana.

    Embora as autoridades do Pentágono soem o alarme sobre o acúmulo militar e o desenvolvimento de armas nucleares da China há anos, os comentários de Richard ilustram a situação como mais grave do que outras autoridades declararam publicamente.

    “Ao avaliar nosso nível de dissuasão contra a China, o navio está afundando lentamente”, disse o almirante. “Está afundando lentamente, mas está afundando, pois fundamentalmente eles estão colocando capacidade em campo mais rápido do que nós”.

    Richard chamou o desenvolvimento do programa de armas nucleares da China de “problema de curto prazo”.

    “À medida que essas curvas continuam, não importa quão bom seja nosso [plano operacional] ou quão bons sejam nossos comandantes, ou quão boas sejam nossas forças – não teremos o suficiente deles. E esse é um problema de muito curto prazo.”

    Richard fez os comentários durante uma palestra no Simpósio Anual da Liga Submarina Naval na última quarta-feira (2). O evento foi fechado ao público, mas os comentários de Richard foram publicados em um artigo do Departamento de Defesa na sexta-feira.

    O governo Biden sempre chamou a China de principal concorrente global dos EUA, e alertou sobre o desenvolvimento do país, de seu programa de armas militares e nucleares em uma série de documentos políticos que explicam a estratégia militar e de defesa dos EUA divulgados no final de outubro.

    A China é o “desafio de ritmo” dos EUA porque é “o único concorrente com a intenção e cada vez mais a capacidade de desafiar sistematicamente os Estados Unidos em todos os aspectos, militar, econômica, tecnologicamente, diplomaticamente”, disse um alto funcionário da defesa sobre a estratégia. .

    A China “provavelmente pretende possuir pelo menos 1.000 ogivas até o final da década”, disse o Nuclear Posture Review, um dos documentos de política, sobre o programa de armas nucleares da China.

    Richard alertou sobre o desenvolvimento nuclear da China em 2021, chamando seu programa de “ruptura estratégica”.

    “Estamos testemunhando uma fuga estratégica da China. O crescimento explosivo e a modernização de suas forças nucleares e convencionais só podem ser o que descrevo como de tirar o fôlego e, francamente, essa palavra de tirar o fôlego pode não ser suficiente”, disse Richard em 2021.