Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    China diz que haverá confronto com consequências catastróficas se EUA não mudarem postura

    Qin Gang adotou tom mais combativo em sua primeira aparição como ministro das Relações Exteriores chinês

    Nectar Ganda CNN

    O novo ministro das Relações Exteriores da China, Qin Gang, alertou nesta terça-feira (7) que “conflito e confronto” com os Estados Unidos são inevitáveis ​​se Washington não mudar de rumo, fazendo uma repreensão severa e abrangente às políticas dos EUA em sua primeira coletiva de imprensa no novo cargo.

    Qin, que até recentemente era embaixador da China nos EUA, construiu uma reputação de ser um diplomata cuidadoso e talentoso no exterior.

    Mas ele adotou um tom muito mais combativo em sua primeira aparição como ministro das Relações Exteriores na reunião parlamentar anual da China, alertando sobre as “consequências catastróficas” do que descreveu como uma “aposta imprudente” de Washington na forma como trata suas companheiras superpotências.

    “Se os Estados Unidos não pisarem no freio, mas continuarem acelerando no caminho errado, nenhuma barreira poderá impedir o descarrilamento e certamente haverá conflito e confronto”, disse Qin à margem do Congresso Nacional do Povo em Pequim. “E quem arcará com as consequências catastróficas?”, acrescentou.

    No evento altamente roteirizado, Qin deu o tom da política externa da China para o próximo ano e além, repreendendo os EUA pelo aumento das tensões bilaterais e defendendo a estreita parceria de Pequim com Moscou.

    Os laços entre as duas maiores economias do mundo estão em seu pior nível em décadas, e as tensões aumentaram ainda mais no mês passado, depois que um suposto balão espião chinês flutuou sobre a América do Norte e foi abatido por caças americanos.

    Nesta terça-feira, Qin acusou os EUA de exagerar em sua resposta, que ele disse ter criado “uma crise diplomática que poderia ter sido evitada”.

    O incidente, disse Qin, mostra que “a percepção e as visões dos EUA sobre a China estão seriamente distorcidas. Ela considera a China como seu principal rival e o maior desafio geopolítico”.

    “Os EUA afirmam que buscam competir com a China, mas não buscam conflito. Mas, na realidade, a chamada ‘competição’ dos EUA é contenção e repressão total, um jogo de soma zero de vida e morte”, disse ele.

    “A contenção e a repressão não tornarão a América grande, e os EUA não impedirão o rejuvenescimento da China”, disse Qin.

    Poderes em colisão

    A grande rivalidade de poder entre os EUA e a China se intensificou nos últimos anos.

    Sob o líder Xi Jinping, a China tornou-se cada vez mais autoritária em casa e assertiva no exterior, adotando uma abordagem mais agressiva para exercer sua influência e combater o Ocidente.

    E Washington recuou.

    Sob o governo Biden, os EUA fortaleceram os laços com aliados e parceiros para conter a crescente influência de Pequim, inclusive em seu quintal.

    Também pressionou para se separar da China em tecnologias emergentes, recentemente banindo a exportação de chips avançados para a fúria de Pequim.

    Qin atacou Washington por sua estratégia Indo-Pacífico, acusando-o de formar blocos exclusivos para provocar confrontos, defendendo a dissociação e tramando uma “versão Ásia-Pacífico da Otan”.

    “O verdadeiro propósito da estratégia Indo-Pacífico é conter a China”, disse Qin. “Nenhuma Guerra Fria deve ser repetida na Ásia, e nenhuma crise no estilo da Ucrânia deve ser repetida na Ásia.”

    A recusa da China em condenar a Rússia pela invasão da Ucrânia e sua crescente parceria com Moscou prejudicaram ainda mais suas relações com o Ocidente.

    Embora Pequim tenha procurado se apresentar como um mediador de paz neutro, também defendeu seus laços “sólidos como rocha” com a Rússia.

    Nesta terça, Qin disse que o relacionamento sino-russo “não representa uma ameaça para nenhum país do mundo, nem sofrerá interferência ou discórdia semeada por terceiros”.

    “Quanto mais instável o mundo se torna, mais imperativo é para a China e a Rússia avançarem firmemente em suas relações”, disse ele.

    Qin destacou a questão de Taiwan como o “alicerce da fundação política das relações sino-americanas e a primeira linha vermelha que não deve ser cruzada”.

    O Partido Comunista Chinês reivindica a democracia autônoma de Taiwan como parte de seu território, apesar de nunca tê-la controlado, e se recusa a descartar o uso da força para “reunificá-la” com a China continental.

    Qin exortou os EUA a não “interferirem nos assuntos internos da China” e questionou as diferentes respostas de Washington às questões da Ucrânia e de Taiwan.

    “Por que os EUA falam em respeitar a soberania e a integridade territorial na questão da Ucrânia, mas não respeitam a soberania e a integridade territorial da China na questão de Taiwan? Por que os EUA pedem à China que não forneça armas para a Rússia enquanto continuam vendendo armas para Taiwan?” Qin disse.

    Visita de McCarthy?

    Os comentários de Qin vêm em meio a relatos de um possível encontro entre a presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, e o presidente da Câmara dos EUA, Kevin McCarthy, em abril.

    O Financial Times informou na segunda-feira que Tsai poderia se encontrar com McCarthy na Califórnia, em vez de em Taiwan, como o presidente dos EUA havia indicado inicialmente.

    Um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA disse na segunda-feira (6) que “não estava ciente de nenhuma viagem confirmada” do presidente taiwanês, e o Ministério das Relações Exteriores de Taiwan disse que não tinha informações para compartilhar sobre qualquer possível visita dos EUA.

    No entanto, independentemente do local, um encontro cara a cara entre Tsai e um político sênior dos EUA certamente atrairá a ira de Pequim, alimentando ainda mais tensões nas relações já tensas no Estreito de Taiwan – e entre os EUA e a China.

    Desafiando as ameaças de retaliação de Pequim, a antecessora democrata de McCarthy, Nancy Pelosi, visitou Taipei em agosto, na primeira viagem de um presidente dos Estados Unidos em 25 anos.

    Pequim respondeu realizando exercícios militares sem precedentes em torno de Taiwan e cortando as principais linhas de comunicação com os EUA.

    Desde então, o Ministério das Relações Exteriores da China alertou McCarthy para não visitar Taiwan.

    Wen-Ti Sung, um cientista político do Programa de Estudos de Taiwan da Universidade Nacional da Austrália, disse que o possível encontro de Tsai com McCarthy na Califórnia não é necessariamente uma “substituição ou rebaixamento”.

    Em vez disso, poderia ser um “complemento”, disse ele, sugerindo que McCarthy sempre poderia visitar Taiwan posteriormente.

    Embora Taiwan queira normalizar as visitas de alto nível de autoridades americanas a Taiwan, também precisa ser visto por seus parceiros ocidentais que está sendo uma parte interessada responsável no processo.

    “Alguns podem pensar que há um momento melhor do que este momento atual para buscar outra visita de palestrante dos EUA a Taiwan”, disse Sung.

    Uma reunião nos EUA, acrescentou, poderia servir como “uma entrega muito visual a curto prazo para mostrar o apoio contínuo dos EUA a Taiwan, independentemente da mudança de liderança partidária na legislatura”.

    Tsai já transitou nos Estados Unidos antes em suas visitas aos aliados diplomáticos de Taipei.

    Ela visitou os EUA pela última vez em 2019 e fez um discurso em Nova York – uma viagem que irritou Pequim.

    Para a China, o potencial encontro de Tsai com McCarthy será provocativo, não importa onde ocorra, disse Sung.

    “Pequim ficará muito infeliz e protestará vigorosamente de qualquer maneira. Então eu acho que para eles será uma diferença de intensidade, mas não uma diferença de tipo. Pequim não vai gostar de nenhum intercâmbio de alto nível, seja em Taiwan ou em solo americano.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original