Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    China entra em “novo estágio” para controle da Covid, diz oficial após protestos

    Autoridade disse que a contaminação decrescente da Ômicron, o aumento da taxa de vacinação e a experiência de controle e prevenção de surtos contribuíram para "novo estágio"

    Wayne ChangXiaofei Xuda CNN

    A autoridade mais sênior da China encarregada disse às autoridades de saúde na quarta-feira (30) que o país enfrentava um “novo estágio e missão” no controle da pandemia, informou a mídia estatal Xinhua – indicando potencialmente um ajuste na estratégia “Covid Zero” de Pequim, que levou dias de protestos em todo o país.

    “Com a toxicidade decrescente da variante Ômicron, o aumento da taxa de vacinação e a experiência acumulada de controle e prevenção de surtos, a contenção pandêmica da China enfrenta um novo estágio e missão”, disse Sun Chunlan, vice-primeira-ministra da China, na quarta-feira, segundo a Xinhua.

    Sem mencionar o “Covid Zero”, seus comentários, conforme relatado pela Xinhua, ocorreram um dia depois que a Comissão Nacional de Saúde da China (NHC) disse que a retificação das atuais medidas pandêmicas está em andamento e os governos locais devem “responder e resolver as demandas razoáveis” das massas” em tempo hábil.

    Em uma reunião com o NHC na quarta-feira, Sun também afirmou que uma “abordagem centrada no ser humano” deve ser adotada e a China deve aprimorar suas medidas de “diagnóstico, teste, tratamento e quarentena”, continuar aumentando as taxas de vacinação – especialmente entre os idosos – e reforçar medicamentos e recursos médicos.

    A retórica suavizada ocorre quando as autoridades em Guangzhou indicam que estão avançando para facilitar as medidas de contenção do Covid-19, depois que a metrópole do sul viu manifestantes entrarem em confronto com a polícia na noite de terça-feira.

    Em uma coletiva de imprensa na quarta-feira, Zhang Yi, porta-voz da comissão de saúde de Guangzhou, disse que a cidade ajustou a designação dos níveis de risco e as medidas de contenção da pandemia – em graus variados – em todos os seus onze distritos.

    Os lockdowns em quatro distritos – Liwan, Baiyun, Tianhe e Haizhu – foram suspensos, enquanto os bloqueios permanecem em áreas designadas como de alto risco.

    Guangzhou interromperá o envio de todos os contatos próximos de pacientes com Covid-19 para instalações centrais de quarentena e permitirá que alguns se isolem em casa se atenderem aos requisitos, disse Zhang.

    A cidade também não lançará mais testes de Covid-19 em massa em todo o distrito. “Todos os distritos devem realizar testes de maneira científica”, acrescentou Zhang.

    Na terça-feira (29), Guangzhou relatou 6.995 novos casos locais, disse Zhang. A China relatou 37.612 novos casos locais em todo o país na terça-feira, informou o NHC na quarta-feira.

    A China agiu rapidamente para suprimir as manifestações que eclodiram em todo o país contra a política de Zero Covid do governo nos últimos dias, mobilizando forças policiais nos principais locais de protesto e reforçando a censura online.

    Os protestos foram desencadeados por um incêndio mortal na quinta-feira passada em Urumqi, capital da região de Xinjiang, no extremo oeste.

    O incêndio matou pelo menos 10 pessoas e feriu nove em um prédio de apartamentos – levando à fúria pública depois que vídeos do incidente pareciam mostrar que as medidas de lockdown atrasaram os bombeiros de chegar às vítimas.

    O protesto público é extremamente raro na China, onde o Partido Comunista reforçou seu controle sobre todos os aspectos da vida, lançou uma repressão abrangente contra a dissidência, eliminou grande parte da sociedade civil e construiu um estado de vigilância de alta tecnologia.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original