Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    China está enviando seu caça mais avançado para patrulhar mares em disputa

    Segundo a mídia estatal, a implantação visa "proteger melhor a segurança do espaço aéreo e os interesses marítimos da China"

    Dois caças furtivos J-20 se apresentam no céu durante um show aéreo em Zhuhai, China, em setembro de 2021. A China começou a enviar J-20 para patrulhar os mares do Leste e do Sul da China.
    Dois caças furtivos J-20 se apresentam no céu durante um show aéreo em Zhuhai, China, em setembro de 2021. A China começou a enviar J-20 para patrulhar os mares do Leste e do Sul da China. China News Service via Getty Image

    Jessie YeungBrad Lendonda CNN

    Hong Kong

    Ouvir notícia

    A China começou a enviar seu caça mais avançado, o J-20, para patrulhar os mares do Leste e do Sul da China, informou a mídia estatal chinesa.

    As primeiras versões do jato furtivo J-20 usavam motores russos – mas foram substituídos por motores duplos produzidos internamente. Os jatos foram exibidos pela primeira vez ao público com os novos motores chineses no ano passado no Airshow China.

    A implantação visa “proteger melhor a segurança do espaço aéreo e os interesses marítimos da China”, informou o tablóide estatal Global Times na quarta-feira (13), citando especialistas militares.

    Ren Yukun, porta-voz do fabricante estatal do J-20, acrescentou que era uma “rotina de treinamento” para o J-20 começar a realizar patrulhas agora que está equipado com motores chineses, de acordo com o Global Times.

    O anúncio vem apenas algumas semanas depois do general dos Estados Unidos Kenneth Wilsbach, comandante das Forças Aéreas do Pacífico dos EUA, dizer que os F-35s dos EUA e os J-20s chineses se aproximaram um do outro sobre o Mar da China Oriental.

    O Mar da China Oriental e o Mar da China Meridional são regiões disputadas há muito tempo, com reivindicações territoriais sobrepostas por vários países.

    A China reivindica quase todo o vasto Mar do Sul da China como seu território soberano. Ela vem construindo e militarizando suas instalações lá, transformando ilhas em bases militares e pistas de pouso, e supostamente criando uma frota militar marítima que pode chegar a centenas de barcos.

    Enquanto isso, no Mar da China Oriental, a China reivindica soberania sobre as Ilhas Senkaku, controladas pelos japoneses, também conhecidas como Ilhas Diaoyu. Nos últimos anos, os EUA reiteraram sua promessa de defender as ilhas japonesas em caso de agressão estrangeira.

    Especialistas dizem que a implantação dos J-20 mostra duas coisas: o aumento da confiança da China em suas habilidades militares e seu alerta a outros países com interesse na disputa territorial.

    Com cerca de 200 caças J-20 supostamente em serviço, a Força Aérea do Exército de Libertação Popular (PLAAF) “agora tem em serviço regular uma frota de caças furtivos avançados tão bons quanto os americanos, que continuam sendo a referência”, disse Peter Layton, do Griffith Asia Institute na Austrália.

    Ele acrescentou que a mensagem da China para o mundo é: “Qualquer aeronave militar estrangeira invadindo o espaço aéreo reivindicado pela China no Mar do Leste e do Sul da China pode agora ser interceptada por J-20s”.

    Embora tal movimento seja politicamente complicado, o amplo raio de ação do J-20 significa que ele pode patrulhar mais longe no mar ou ficar mais tempo em áreas como o Mar da China Oriental, disse Layton.

    Pequenas formações, como um punhado de jatos, também podem realizar patrulhas profundas ocasionais no Mar do Sul da China, aterrissar para reabastecer em uma das bases aéreas da ilha da China e depois retornar ao continente. A PLAAF poderia até lançar missões para sobrevoar qualquer grupo de batalha de porta-aviões dos EUA que entrasse no Mar da China Meridional.

    A transição dos motores russos para os chineses também mostra a crescente independência da China na fabricação militar, disse Layton. “Não é apenas que a China não precisa mais da ajuda russa, é que as aeronaves construídas na China agora são superiores às russas.”

    O fato de os J-20 agora terem motores duplos mais confiáveis do que os russos torna essas patrulhas “uma opção muito mais plausível”, o que pode ser o motivo pelo qual eles não foram enviados em patrulha antes, disse Layton.

    O J-20 tem sido apontado como a resposta da China ao F-22 americano – considerado o principal caça furtivo do mundo – e ao F-35.

    Um relatório de 2017 do China Power Project no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais disse que os novos motores chineses dariam ao J-20 baixa capacidade de supercruzeiro, o que significa que eles poderiam voar em velocidades supersônicas por períodos prolongados.

    Autoridades dos EUA há muito dizem que o J-20 não pode se comparar aos caças furtivos dos EUA – mas Wilsbach, comandante das Forças Aéreas do Pacífico dos EUA, disse no mês passado que os J-20 causaram uma forte impressão quando encontraram os F-35 dos EUA sobre o Mar da China Oriental.

    “Estamos relativamente impressionados com o comando e controle associados aos J-20”, disse Wilsbach em uma conferência do Mitchell Institute for Aerospace Studies.

    Os EUA observaram “voos relativamente profissionais” dos aviadores chineses, disse ele, mas notaram que os EUA não tinham certeza de como a China empregaria os J-20, seja em funções multimissão como o F-35 ou em um papel de superioridade aérea como o F-22.

    Layton disse que os EUA, Japão e outros países estarão “coletando dados de inteligência eletrônica” em qualquer J-20 em patrulhas costeiras, na esperança de reunir mais informações sobre suas características furtivas, bem como quaisquer transmissões de rádio e datalink.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN