China fecha 100 mil contas de notícias falsas em redes sociais e intensifica limpeza de conteúdo

Órgão regulador chinês afirmou ter encontrado páginas que se disfarçaram como mídia de notícias autorizadas, falsificando cenas de estúdio de notícias e imitando apresentadores de notícias com uso de IA

Imagem mostra celular com aplicativos de redes sociais instalados
Imagem mostra celular com aplicativos de redes sociais instalados Unsplash

Bernard OrrEduardo Baptistada Reuters

A China intensificou esforços para limpar a internet de notícias falsas e rumores, fechando mais de 100 mil contas online no mês passado que deturpavam âncoras de notícias e agências de mídia, disse seu regulador do ciberespaço.

A Administração do Ciberespaço da China (CAC, na sigla em inglês) lançou uma campanha especial para limpar as informações online, com foco em contas de mídia social que disseminam “notícias falsas” e se fazem passar por mídia controlada pelo Estado.

O regulador disse que limpou 107 mil contas de unidades de notícias falsas e âncoras de notícias e 835 mil informações de notícias falsas desde 6 de abril.

A limpeza ocorre quando a China e os países em todo o mundo lutam contra um ataque de cobertura de notícias falsas online, com muitas leis de implementação para punir os culpados.

A disseminação de notícias nas mídias sociais chinesas, no entanto, já é fortemente controlada, com plataformas como o Weibo, semelhante ao Twitter, favorecendo hashtags de tópicos produzidas pela mídia estatal, enquanto censuram hashtags sobre questões ou incidentes considerados sensíveis por Pequim, mesmo que se tornem virais.

O CAC disse que sua análise encontrou contas que se disfarçaram como mídia de notícias autorizadas, falsificando cenas de estúdio de notícias e imitando apresentadores de notícias profissionais, usando inteligência artificial (IA) para criar âncoras para enganar o público.

As notícias falsas identificadas cobriram tópicos quentes, como incidentes sociais e assuntos internacionais atuais, de acordo com um comunicado do CAC publicado na segunda-feira em seu site.

“(O CAC) orientará as plataformas online para salvaguardar os direitos e interesses legítimos da maioria dos usuários da Internet para obter notícias oficiais e reais”, disse o regulador, acrescentando que incentivou os usuários a fornecer pistas sobre notícias e âncoras falsificadas.

O governo da China ordena regularmente medidas abrangentes para eliminar da Internet material e linguagem considerados impróprios, ofensivos e uma ameaça ao público e às empresas.

Recentemente, o CAC prometeu reprimir comentários online maliciosos que prejudicam a reputação de empresas e empreendedores.

A tecnologia de IA generativa nascente, como o ChatGPT, introduziu outra camada de cautela. A China prendeu recentemente um homem na província de Gansu por supostamente usar o ChatGPT para gerar uma história falsa sobre um acidente de trem.

(Reportagem adicional de Ethan Wang; Edição de Jamie Freed)