Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    China gastou mais de US$ 5,5 milhões em propriedades de Trump

    China é um dos 20 países que efetuou pelo menos US$ 7,8 milhões em pagamentos totais a empresas e propriedades do republicano durante o mandato do ex-presidente

    Vista da fachada do então Trump International Hotel no Old Post Office, em Washington, D.C.
    Vista da fachada do então Trump International Hotel no Old Post Office, em Washington, D.C. McNamee/Getty Images

    Zachary CohenKara Scannellda CNN

    O governo chinês e suas entidades controladas pelo Estado gastaram mais de US$ 5,5 milhões em propriedades de Donald Trump enquanto ele estava no cargo, entre 2017 e 2021, o maior total de pagamentos feitos por qualquer país estrangeiro conhecido até o momento, de acordo com documentos financeiros citados em um relatório dos democratas da Câmara divulgado na quinta-feira (4).

    Esses pagamentos incluíram coletivamente milhões de dólares da Embaixada da China nos Estados Unidos, de um banco estatal chinês acusado pelo Departamento de Justiça dos EUA de ajudar a Coreia do Norte a escapar das sanções e de uma empresa estatal chinesa de trânsito aéreo. Registros contábeis da ex-firma de contabilidade de Trump, Mazars USA, foram obtidos pelos democratas no Comitê de Supervisão da Câmara.

    A China é um dos 20 países que efetuou pelo menos US$ 7,8 milhões em pagamentos totais a empresas e propriedades de Trump durante o mandato do ex-presidente na Casa Branca, incluindo os seus hotéis em Washington DC, Nova York e Las Vegas, afirma o relatório.

    Os documentos oferecem provas adicionais da prática rara de governos estrangeiros gastarem dinheiro diretamente com empresas pertencentes a um presidente em exercício, mas não constituem um registo completo de todos os pagamentos estrangeiros feitos às empresas de Trump durante o seu mandato na Casa Branca.

    Na época, o advogado de Trump disse que o ex-presidente planejava doar os lucros estrangeiros dos seus hotéis ao Departamento do Tesouro dos EUA. No entanto, o montante que teria sido doado pela Organização Trump em 2017 e 2018 fica muito aquém dos pagamentos estrangeiros estimados que foram feitos às propriedades do republicano.

    Trump se recusou a se desfazer de ativos e propriedades empresariais antes de assumir o cargo, o que significa que ainda poderia lucrar com os vários negócios privados com pouca transparência.

    Os democratas dizem que os registos contábeis adicionais levantam novas questões sobre possíveis esforços para influenciar Trump através das suas empresas enquanto ele estava na Casa Branca.

    Como exemplo, os democratas do comitê apontam para o fato de Trump ter recusado impor sanções ao Banco Industrial e Comercial da China (ICBC), uma entidade estatal que alugou propriedades na Trump Tower, em Nova York.

    Um documento da Securities and Exchange Commission de 2012 mostra que a renda base paga pelo banco chinês foi de US$ 1,9 milhões e documentos produzidos pela Mazars confirmam que o banco permaneceu na Trump Tower até, pelo menos, 2019.

    Trump Tower
    Trump Tower, sede das empresas de Donald Trump, em Nova York / Getty Images

    Em 2016, o Departamento de Justiça acusou o banco de conspirar com um banco norte-coreano para escapar das sanções impostas pelos EUA.

    Mas ao assumir o cargo, Trump não sancionou o ICBC, apesar dos apelos dos membros republicanos do Congresso para “aplicar a máxima pressão financeira e diplomática” ao “visar mais bancos chineses que fazem negócios com a Coreia do Norte”, escreveram os democratas do Comitê de Supervisão da Câmara em um relatório que resume o conteúdo dos registros da Mazars USA.

    Questionado sobre os pagamentos da China às propriedades de Trump, o porta-voz da embaixada chinesa, Liu Pengyu, disse à CNN: “A China adere ao princípio de não interferência nos assuntos internos e não comenta questões relacionadas com a política interna dos EUA”.

    “Ao mesmo tempo, quero sublinhar que o governo chinês exige sempre que as empresas chinesas operem no exterior de acordo com as leis e regulamentos locais. A cooperação econômica e comercial China-EUA é mutuamente benéfica. A China opõe-se à politização dos EUA nas questões econômicas e comerciais China-EUA”, acrescentou Pengyu.

    A Organização Trump afirma ter doado mais de US$ 450 mil em lucros estimados provenientes do patrocínio de governos estrangeiros ao Tesouro dos EUA durante o mandato de Trump. A empresa também trabalhou para rastrear todos os negócios governamentais estrangeiros em todo o seu portfólio e não fez novos investimentos comerciais no exterior enquanto Trump estava no cargo.

    Em nota, Eric Trump disse que o ex-presidente foi duro com a China, independentemente de quaisquer interesses comerciais.

    “Não há nenhum presidente na história dos Estados Unidos que tenha sido mais duro com a China do que Donald Trump, um presidente que introduziu bilhões e bilhões de dólares em tarifas sobre os bens e serviços (chineses)”, disse Eric Trump.

    Os democratas também argumentam que os documentos da Mazars mostram que Trump violou repetidamente a cláusula de Emolumentos da Constituição dos EUA, que proíbe um presidente de receber um “emolumento”, ou lucro, de qualquer “Rei, Príncipe ou Estado estrangeiro”, a menos que o Congresso consinta.

    Donald Trump
    Ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump em Nova York, EUA 18/10/2023 / REUTERS/Brendan McDermid/Arquivo

    No entanto, apesar das preocupações éticas que foram levantadas sobre a falta de adesão de Trump às normas constitucionais que foram adotadas pelos seus antecessores, a legislação para fazer cumprir a cláusula de Emolumentos não chegou a lugar nenhum no Congresso.

    O comitê, que investigou os negócios de Trump e o arrendamento do Old Post Office em Washington ao governo dos EUA que abrigava o seu hotel, recebeu os registos após uma batalha judicial que durou anos e que terminou em um acordo em 2022. Muitos dos documentos do subconjunto divulgado quinta-feira não foram divulgados anteriormente.

    “Esses países gastaram – muitas vezes generosamente – em apartamentos e estadias em hotéis nas propriedades de Donald Trump – enriquecendo pessoalmente o presidente Trump enquanto ele tomava decisões de política externa ligadas às suas agendas políticas com ramificações de longo alcance para os Estados Unidos”, escreveram os democratas no seu relatório.

    A Arábia Saudita, por exemplo, gastou cerca de US$ 600 mil em propriedades de Trump durante o seu mandato e estava fazendo pagamentos significativos em maio de 2017, quando assinou um enorme acordo de armas com a administração Trump.

    A administração Trump concordou com o controverso acordo de armas, no valor de mais de US$ 100 bilhões, apesar das preocupações bipartidárias sobre as baixas civis resultantes da intervenção militar da Arábia Saudita no Iêmen.

    O relatório produzido pelos democratas da Câmara também destacou comentários feitos por Trump durante um comício de campanha de 2015 sobre a sua visão da Arábia Saudita.

    “Arábia Saudita, me dou muito bem com todos eles. Eles compram apartamentos de mim. Eles gastam US$ 40 milhões, US$ 50 milhões”. Ele continuou: “Não devo gostar deles? Eu gosto muito deles!”, Trump disse na época.

    Os democratas do comitê já divulgaram anteriormente alguns dos registos contábeis, mas esses documentos representavam apenas uma fração dos pagamentos do exterior a propriedades de Trump durante os anos em que ocupou a Casa Branca.

    Hotel Trump em Washington DC
    Entrada do Trump International Hotel em Washginton, DC / Trump International Hotel

    Gastos do exterior na Trump World Tower

    Uma porcentagem considerável da despesa externa divulgada no último relatório provém de arrendamentos ou pagamentos de encargos comuns que os países fizeram para apartamentos que as suas missões diplomáticas alugam ou possuem no Trump World Tower, um edifício de apartamentos do outro lado da rua das Nações Unidas.

    Muitos dos países compraram propriedades anos antes de Trump se candidatar, mas continuaram a fazer pagamentos à Trump Organization durante a presidência.

    A Arábia Saudita, Índia, Catar, Kuwait, Afeganistão e uma empresa petrolífera ligada ao governo chinês possuíam ou alugavam apartamentos na Trump World Tower e, combinados, pagaram à Trump Organization cerca de US$ 1,7 milhões em encargos e taxas, de acordo com os democratas da Câmara.

    O número é baseado nos registos que os democratas receberam da Mazars relativos ao ano de 2018 – o único ano que a Mazars entregou ao comitê – e depois em uma extrapolação baseada nos pressupostos de que as cobranças permanecem as mesmas durante o decurso da presidência de Trump.

    O maior pagamento à propriedade da ONU veio da Arábia Saudita, dona do 45º andar do prédio de apartamentos. Os democratas estimam que o governo saudita pagou US$ 537.080 durante a presidência de Trump – de um total de US$ 615.422 em emolumentos. O restante veio de pagamentos ao hotel de Trump em Washington DC.

    O Catar pagou cerca de US$ 465.744 pelas propriedades que possuía durante a presidência de Trump; A Índia pagou pelo menos US$ 264.184; O Afeganistão gastou cerca de US$ 153.208 com sua unidade; e o Kuwait pagou à empresa de Trump US$ 152.664 pela Trump World Tower.

    O Kuwait também gastou cerca de US$ 150 mil no hotel de Washington para eventos do Dia Nacional realizados por sua embaixada em 2017 e 2018, de acordo com registros da Mazars.

    O evento do dia nacional também foi realizado no hotel em 2019, mas os democratas disseram não ter recebido registros da Mazars relacionados ao custo. Os eventos contaram com a presença de funcionários do governo Trump, disseram os democratas, citando comunicados de imprensa da embaixada do Kuwait.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original