Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    China lança sonda lunar em meio à corrida espacial com os EUA

    Objetivo da Chang'E-6 é pousar no lado escuro da Lua e trazer rochas e amostras do solo para análise

    Lançamento de sonda lunar da China
    Lançamento de sonda lunar da China CCTV

    Marc StewartSimone McCarthyda Reuters

    em Wenchang e em Hong Kong

    A China lançou uma missão lunar não tripulada nesta sexta-feira (3) que visa trazer amostras do outro lado da lua pela primeira vez, em um potencial grande passo para o ambicioso programa espacial do país.

    A sonda Chang’E-6 – a missão lunar robótica mais complexa da China até hoje – decolou em um foguete Long March-5 do Centro de Lançamento Espacial de Wenchang, na ilha de Hainan, no sul da China, onde os fãs se reuniram para assistir ao momento histórico.

    O lançamento marca o início de uma missão que pretende ser um marco importante no impulso da China para se tornar uma potência espacial dominante com planos para pousar astronautas na lua até 2030 e construir uma base de pesquisa em seu polo sul.

    A missão vem enquanto um número crescente de países, incluindo os Estados Unidos, buscam os benefícios estratégicos e científicos da exploração lunar expandida em um campo cada vez mais competitivo.

    A missão de 53 dias planejada pela China vai fazer o módulo de pouso Chang’E-6 pousar em uma cratera aberta no lado distante da lua, que nunca está virado para Terra. A China tornou-se o primeiro e único país a pousar no outro lado da lua durante sua missão Chang’E-4 de 2019.

    Quaisquer amostras do lado distante recuperadas pela sonda Chang’E-6 poderiam ajudar os cientistas a analisar a evolução da lua e do próprio sistema solar – e fornecer dados importantes para avançar as ambições lunares da China.

    “O Chang’E-6 visa alcançar avanços na tecnologia de design e controle da órbita retrógrada da lua, tecnologias inteligentes de amostragem, decolagem e ascensão e retorno automático de amostras no lado distante da lua” Ge Ping, vice-diretor do Centro de Exploração Lunar e Engenharia Espacial da Administração Espacial Nacional da China (CNSA) disse na semana passada a partir do local de lançamento.

    Missão ambiciosa

    A sonda Chang’E-6 será um teste fundamental para as capacidades espaciais da China em seu esforço para realizar o “sonho eterno” do líder Xi Jinping de construir o país em uma potência espacial.

    A China fez rápidos avanços espaciais nos últimos anos, em um campo tradicionalmente liderado pelos Estados Unidos e pela Rússia.

    Com o programa Chang’e, lançado em 2007 e nomeado em homenagem à deusa da lua da mitologia chinesa, a China em 2013 tornou-se o primeiro país a alcançar um pouso lunar robótico em quase quatro décadas. Em 2022, a China completou sua própria estação espacial orbital, a Tiangong.

    A missão Chang’E-6, tecnicamente complexa, baseia-se no recorde de 2019 do Chang’E-4 de aterrissar no outro lado da lua, e no sucesso de 2020 da Chang’E-5 retornando à Terra com amostras da lua.

    Desta vez, para se comunicar com a Terra do outro lado da lua, Chang’E-6 deve confiar no satélite Queqiao-2, lançado em órbita lunar em março.

    A sonda em si é composta por quatro partes: um orbitador, um módulo de pouso, um ascendente e um módulo de reentrada.

    O plano da missão é que o módulo de pouso do Chang’E-6 reúna poeira lunar e rochas depois de pousar na extensa bacia do Polo Sul-Aitken, com aproximadamente 2.500 quilômetros de diâmetro, uma cratera formada há cerca de 4 bilhões de anos.

    Uma nave ascendente então transporta as amostras para o orbitador lunar para transferência para o módulo de reentrada e o retorno da missão à Terra.

    A complexa missão “passa por praticamente todos os passos” que serão necessários para os astronautas chineses pousarem na lua nos próximos anos, de acordo com James Head, professor emérito da Universidade de Brown, que colaborou com cientistas chineses liderando a missão.

    Além de retornar amostras que poderiam produzir “novos insights fundamentais sobre a origem e a história inicial da lua e do sistema solar”, a missão também serve como “prática robótica para essas etapas” para levar os astronautas à lua e de volta, disse ele.

    A China planeja lançar mais duas missões na série Chang-e à medida que se aproxima de sua meta de 2030 de enviar astronautas à Lua antes de construir uma estação de pesquisa na década seguinte no polo sul lunar – uma região que acredita-se conter gelo.

    Chang’E-7, programada para 2026, terá como objetivo procurar recursos no polo sul da lua, enquanto Chang’E-8, aproximadamente dois anos depois, poderia buscar utilizar materiais lunares para se preparar para a construção da base de pesquisa, disseram autoridades chinesas.

    Competição no espaço

    O lançamento de sexta-feira acontece à medida que várias nações aumentam seus programas lunares em meio a um foco crescente no acesso potencial a recursos e no acesso à exploração espacial profunda que missões lunares bem-sucedidas podem trazer.

    No ano passado, a Índia pousou sua primeira nave espacial na lua, enquanto a primeira missão lunar da Rússia em décadas terminou em fracasso quando sua sonda Luna 25 caiu na superfície da lua.

    Em janeiro, o Japão se tornou o quinto país a pousar uma espaçonave na Lua, embora seu módulo de pouso Moon Sniper enfrentasse problemas de energia devido a um ângulo de pouso incorreto. No mês seguinte, a IM-1, uma missão financiada pela NASA projetada pela empresa privada Intuitive Machines, com sede no Texas, pousou perto do polo sul.

    Esse pouso – o primeiro de uma espaçonave feita pelos EUA em mais de cinco décadas – está entre as várias missões comerciais planejadas para explorar a superfície lunar antes que a NASA tente devolver os astronautas norte-americanos lá em 2026 e construir seu acampamento base científico.

    O administrador da NASA, Bill Nelson, no mês passado, pareceu reconhecer que o ritmo da China – e as preocupações sobre suas intenções – estavam levando à urgência americana de retornar à Lua, décadas após suas missões tripuladas pela Apollo.

    “Acreditamos que muito do seu chamado programa espacial civil é um programa militar. Acho que, na verdade, estamos em uma corrida”, disse Nelson a parlamentares no mês passado, acrescentando sua preocupação de que a China possa tentar barrar os EUA ou outros países de certas áreas lunares se eles chegarem lá primeiro.

    A China há muito tempo diz que defende o uso pacífico do espaço e, como os EUA, procura usar suas proezas espaciais para cultivar a boa vontade internacional.

    Desta vez, a China disse que a missão Chang’E-6 transporta instrumentos científicos ou cargas úteis da França, Itália, Paquistão e da Agência Espacial Europeia.

    “A China espera fortalecer a cooperação com seus homólogos internacionais e aprofundar a cooperação internacional no campo espacial”, disse Ge da CNSA a repórteres um dia antes do lançamento.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original