Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    China lança terceira missão tripulada para nova estação espacial

    Grupo deve ficar de junho a dezembro; seis meses é a duração padrão da missão para muitos países

    Lançamento realizado em 2020, pela CNSA
    Lançamento realizado em 2020, pela CNSA CNSA

    Helen Reganda CNNYong Xiongda CNN*

    A China lançou com sucesso outra missão tripulada para sua nova estação espacial no domingo, enviando três astronautas que continuarão o trabalho de construção do módulo central Tianhe por seis meses, anunciou a Agência Espacial Tripulada da China (CMSA).

    Os astronautas decolaram na espaçonave Shenzhou-14 às 10h44, horário local, lançada por um foguete Longa Marcha 2F do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan no deserto de Gobi, na Mongólia.

     

    Os três astronautas são Chen Dong, Liu Yang e Cai Xuzhe, que devem atracar na estação espacial em cerca de 6,5 horas após o lançamento.

    Chen, o comandante da missão, estava a bordo da missão espacial tripulada Shenzhou-11 da China em 2016 e anteriormente detinha o recorde de permanência mais longa no espaço por um astronauta chinês. Liu se tornou a primeira mulher chinesa no espaço em 2012 na missão Shenzhou-9. E esta será a primeira missão de Cai no espaço.

    Esta é a terceira missão tripulada durante a construção da estação espacial, que a China planeja ter totalmente tripulada e operacional até dezembro de 2022. A primeira missão tripulada, uma estadia de três meses por outros três astronautas, foi concluída em setembro de 2021. A segunda, Shenzhou-13, três astronautas passarem seis meses no espaço pela primeira vez.

    Seis meses é a duração padrão da missão para muitos países – mas é uma oportunidade importante para os astronautas chineses se acostumarem a uma estadia de longo prazo no espaço e ajudar a preparar futuros astronautas para fazer o mesmo.

    Seis missões espaciais foram programadas antes do final do ano, incluindo outra missão tripulada, dois módulos de laboratório e duas missões de carga.

    A equipe a bordo do Shenzhou-14 ajudará na ancoragem, configuração e teste dos dois módulos laboratoriais Wentian e Mengtian, que devem ser lançados em julho e outubro.

    Os módulos serão montados em uma estrutura em forma de T, juntamente com a cabine central de Tianhe – o principal espaço de vida dos astronautas – que será ampliada de 50 metros cúbicos para 110 metros cúbicos, disse o CMSA. Os astronautas também realizarão duas a três caminhadas espaciais.

    No final da missão Shenzhou-14, espera-se que outros três astronautas girem e vivam com a tripulação por cinco a 10 dias, elevando o número de astronautas chineses no espaço – o que seria um novo recorde.

    Quando a construção estiver concluída, a estação espacial Tiangong deverá durar 15 anos. A China planeja lançar duas missões tripuladas e duas missões de carga para a estação todos os anos, de acordo com o CMSA.

    Programa espacial da China

    A missão Shenzhou-13 no ano passado foi um passo importante para o jovem programa espacial do país, que está rapidamente se tornando um dos mais avançados do mundo.

    O programa espacial da China estava atrasado diante da disputa global pelo espaço – foi criado apenas no início dos anos 1970, anos depois que o astronauta americano Neil Armstrong já havia pousado na lua -. Mas o caos da Revolução Cultural da China interrompeu o esforço espacial do país – e a viagem foi adiada até o início dos anos 1990.

    Foram escolhidas duas classes de astronautas em 1998 e 2010, abrindo caminho para uma rápida aceleração nas missões espaciais. Ajudado pelas reformas econômicas da década de 1980, o programa espacial da China progrediu discretamente até o lançamento da primeira missão tripulada em 2003.

    Desde então, o governo investiu bilhões de dólares no programa espacial – e a recompensa foi evidente. A China pousou com sucesso um rover exploratório na Lua em dezembro de 2020 e um em Marte, em maio de 2021. O primeiro módulo da Estação Espacial Tiangong foi lançado em abril de 2021.

    As ambições da China abrangem anos no futuro, com grandes planos para exploração espacial, pesquisa e comercialização. Um dos maiores empreendimentos será construir uma estação de pesquisa conjunta China-Rússia no pólo sul da lua até 2035 – uma instalação que estará aberta à participação internacional.

    *Com informações de Jessie Yeung e Steven Jiang, da CNN 

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original