Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    China pede que junta de Mianmar converse sobre transformação democrática com opositores

    Ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi, está no país para sua primeira visita desde que a junta derrubou o governo de Aung San Suu Kyi, em fevereiro de 2021

    Heather Chenda CNN

    O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, pediu aos líderes da junta de Mianmar que conversem com seus oponentes em meio a preocupações com a escalada da violência e a perda dos direitos humanos no país do sudeste asiático.

    “Encorajamos todas as partes em Mianmar a se engajar no diálogo político dentro da estrutura constitucional e legal e reiniciar o processo de transformação democrática”, disse Wang em comentários publicados pelo ministério. Ele também prometeu apoio e reiterou esperanças na “estabilidade política e social” de Mianmar.

    Ele está em Mianmar para sua primeira visita desde que a junta derrubou o governo democraticamente eleito de Aung San Suu Kyi, em fevereiro de 2021.

    Sua viagem é a mais importante de um representante chinês desde que o líder Xi Jinping conheceu o chefe da junta Min Aung Hlaing em 2020 para discutir Projetos apoiados pela China, incluindo uma barragem controversa e um corredor econômico.

    “A China presta muita atenção à situação em Mianmar e está pronta para continuar a desempenhar um papel construtivo à sua maneira”, disse ele.

    “Vamos apoiar conjuntamente os esforços de Mianmar para restaurar sua economia, melhorar a vida das pessoas e garantir os direitos e interesses das pessoas no nível de base”.

    O ministro das Relações Exteriores de Mianmar, Wunna Maung Lwin, agradeceu à China por sua “assistência altruísta ao desenvolvimento nacional de Mianmar”, segundo um comunicado do Ministério das Relações Exteriores da China.

    Wang chegou ao aeroporto de Nyaung Oo na cidade de Bagan no domingo (3) e foi recebido por altos líderes militares e outros funcionários do estado.

    Ele liderará uma delegação chinesa para participar de uma reunião dos principais ministros das Relações Exteriores com seus colegas de toda a região, incluindo Camboja, Vietnã, Tailândia e Laos, embora ainda não esteja claro se ele se reunirá com Min Aung Hlaing.

    A China continua sendo um dos poucos aliados internacionais de Mianmar. Ela se recusou a condenar o golpe de 2021 no qual a junta derrubou Suu Kyi, que agora está sendo mantido em confinamento solitário na prisão — levantando preocupações entre os órgãos de vigilância globais e grupos de direitos humanos.

    No início de abril, Pequim prometeu seu apoio aos líderes da junta, dizendo que seu apoio permaneceria “não importa como a situação mude”.

    A China também é um dos maiores parceiros comerciais de Mianmar, investindo bilhões de dólares em desenvolvimentos de mineração, petróleo e gás natural no país rico em recursos e, junto com Moscou, Pequim fornece armas para a junta militar, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU).

    A visita de Wang ocorre quando o país mergulha em mais turbulências. Não só a líder deposta Suu Kyi está na prisão, mas as execuções estatais planejadas de dois homens, o veterano ativista da democracia Ko Jimmy e o ex-deputado da Liga Nacional da Democracia Phyo Zayar Thaw, provocaram protestos da ONU, que chamaram de “um flagrante violação do direito à vida, à liberdade e à segurança”.

    Ian Chong, professor de ciência política e especialista em segurança regional da Universidade Nacional de Cingapura, disse que é do interesse de Pequim que Mianmar seja politicamente estável.

    “Parece-me que Pequim está tentando intermediar algum tipo de acordo em Mianmar, ou pelo menos parece que está fazendo isso, e sua abordagem parece fornecer à junta alguma legitimidade que ela almeja”, disse Chong.

    “Se isso vai mudar o comportamento da junta em relação à guerra civil que seu golpe começou é duvidoso, mas pode dar a Pequim mais influência sobre os militares.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original