Após golpe militar, lider do governo de Mianmar é condenada a 4 anos de prisão

Militares assumiram o poder em fevereiro e acusam Aung San Suu Kyi, vencedora do Nobel da Paz, de diversos crimes

Aung San Suu Kyi já venceu o Nobel da Paz em 1991
Aung San Suu Kyi já venceu o Nobel da Paz em 1991 WikimediaCommons

Helen Reganda CNN

Ouvir notícia

Um tribunal em Mianmar condenou a líder civil deposta Aung San Suu Kyi a quatro anos de prisão por incitação e quebra das regras da Covid-19, no primeiro veredito contra a vencedora do Prêmio Nobel da Paz desde que os militares tomaram o poder em fevereiro.

Suu Kyi, 76, enfrenta quase uma dúzia de acusações, incluindo incitamento, violação dos protocolos contra o coronavírus e violação da Lei de Segredos Oficiais, que somam sentenças máximas combinadas de mais de 100 anos. Ela rejeita todas as acusações.

A vencedora do Nobel foi a conselheira de estado de Mianmar e líder de fato até que os militares tomaram o poder em um golpe de 1º de fevereiro e impuseram sua liderança ao país do sudeste asiático.

 

O Tribunal de Zabuthiri na capital Naypyidaw condenou Suu Kyi a dois anos de prisão por incitamento e mais dois por de violar a seção 25 da Lei de Gestão de Desastres, fontes próximas ao julgamento disseram à CNN.

O presidente deposto de Mianmar, Win Myint, também foi condenado a quatro anos de prisão. Não foi determinado onde eles irão cumprir suas sentenças.

A junta militar de Mianmar tentou restringir as informações sobre os julgamentos. Em outubro, uma ordem de silêncio foi imposta à equipe jurídica de Suu Kyi que os impediu de falar com a imprensa.

O veredito vem um dia depois que as forças de segurança reprimiram um protesto na maior cidade do país, Yangon, no domingo (5), ação condenada pela Organização das das Nações Unidas (ONU) e Estados Unidos.

Pelo menos cinco pessoas morreram quando um veículo colidiu com os manifestantes, informou a agência de notícias Myanmar Now, citando testemunhas oculares. Um repórter que testemunhou o incidente disse à CNN que foi um veículo militar que atropelou os presentes no protesto.

Onze manifestantes também foram presos no local do incidente, de acordo com um comunicado dos militares de Mianmar. No entanto, o comunicado não reconheceu as mortes ou o suposto ataque de veículo.

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original em inglês)

Mais Recentes da CNN