China quer ocupar vácuo de poder deixado pelos EUA no Afeganistão, diz professor

À CNN, Gunther Rudzit afirmou que o Talibã não deve buscar isolamento diplomático

Amanda Garcia, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

A tomada de poder do Talibã no Afeganistão, que se consolidou no último fim de semana, trará repercussões geopolíticas para a região. De acordo com o professor de Relações Internacionais da ESPM, Gunther Rudzit, a China buscará ter maior influência na região.

O governo chinês fez um aceno para estabelecer relações diplomáticas com o novo governo, ao prometer cooperação.

Em entrevista à CNN, o professor avalia que o maior problema do Talibã há vinte anos, quando estava no poder, foi o isolamento. “O único governo que o reconheceu, na época, foi o Paquistão, que fundamentalmente criou o Talibã. Houve isolamento diplomático, político e até econômico.”

Agora, porém, o cenário é outro: “Há interesses de países, como a China, que quer ocupar o vácuo de poder que os americanos deixaram.”

A derrubada do governo afegão aconteceu após a retirada das tropas norte-americanas do país, depois de ocupação que começou em 2001.

Gunther Rudzit também acredita que a ocupação do Talibã aumentará a tensão interna entre os estados da União Europeia. “A região já sofre com crise de refugiados e passará por um novo teste.”

Ele explica que haverá pressão para os europeus receberem esses refugiados, “principalmente para as famílias que cooperavam com soldados da OTAN que estavam no Afeganistão.”

Mais Recentes da CNN