Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    China suspende transmissão de jogos do Celtics na NBA após postagens de atleta

    Enes Kanter, pivô do Boston Celtics, criticou o tratamento do governo chinês ao Tibete e entrou em quadra com um a mensagem no tênis pedindo liberdade ao país

    Kanter chamou Xi de "ditador brutal" enquanto usava uma camiseta com o 14º Dalai Lama, Líder espiritual budista do povo tibetano
    Kanter chamou Xi de "ditador brutal" enquanto usava uma camiseta com o 14º Dalai Lama, Líder espiritual budista do povo tibetano Foto: Reprodução/ NBA

    Ben Morseda CNN*

    Ouvir notícia

    A NBA está enfrentando outro incidente envolvendo a China depois que Enes Kanter, pivô do time Boston Celtics, criticou o tratamento do país ao Tibete.

    Na quarta-feira (20), Kanter postou um vídeo nas redes sociais dirigido ao presidente da China Xi Jinping e ao governo chinês com a legenda: “O Tibete pertence ao povo tibetano”.

    Ele chamou Xi de “ditador brutal” enquanto usava uma camiseta com o 14º Dalai Lama, Líder espiritual budista do povo tibetano. “Minha mensagem para o governo chinês é o Tibete livre”, disse Kanter.

    A transmissão do jogo de abertura da temporada contra o New York Knicks foi suspensa pelo site de streaming de vídeo chinês Tencent, enquanto os fãs recorreram às redes sociais chinesas para denunciar Kanter e o Celtics.

    O site da Tencent Sports também indicou que os próximos jogos do Celtics não seriam transmitidos ao vivo, mantendo apenas um gráfico interativo no ar.

    “O Tibete pertence aos tibetanos, estou aqui para acrescentar minha voz e falar contra o que está acontecendo no Tibete sob o domínio brutal do governo chinês”, continuou. “Sob o domínio brutal do governo chinês, os direitos e liberdades básicos do povo tibetano não existem.”

    No Weibo, plataforma semelhante ao Twitter da China, uma página de fãs do Celtics com cerca de 615.000 seguidores postou que não publicaria atualizações do time devido às omissões de mídia social de um jogador.

    “De agora em diante, nossa página não apresentará mais nenhuma informação sobre o Boston Celtics e nosso Weibo deixará de ser atualizado!” leia a postagem do Celtics Weibo Express. “Por qualquer comportamento que comprometa a harmonia das nações e a dignidade da pátria, nós resistimos resolutamente!”

    Kanter seguiu com outro post que dizia: “Mais de 150 tibetanos se queimaram vivos!” — na esperança de que tal ato aumentasse a conscientização sobre o Tibete. “Estou com meus irmãos e irmãs tibetanos e apoio seus apelos pela liberdade.”

    O Dalai Lama vive exilado na Índia desde uma revolta fracassada contra o domínio chinês em 1959 e viaja regularmente pelo mundo para divulgar sua mensagem de tolerância e paz.

    A CNN Internacional entrou em contato com a NBA e a Tencent para comentar.

    No final do dia, quando o Boston Celtics entrou em quadra no jogo de abertura da temporada contra o New York Knicks, Kanter estava usando tênis com a mensagem “Tibete Livre”.

    O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, disse em uma coletiva de imprensa na quinta-feira (21) que Kanter estava “tentando chamar a atenção” e que seus comentários “não valiam a pena refutar”.

    “Nunca aceitaremos esses ataques para desacreditar o desenvolvimento e o progresso do Tibete”, disse ele.

    Pressão das autoridades chinesas

    Os comentários de Kanter vêm dois anos depois que Daryl Morey, o então gerente geral do time Houston Rockets, gerou polêmica entre a NBA e a China com um tuíte em apoio aos manifestantes pró-democracia em Hong Kong. Morey deixou o cargo um ano depois.

    Como resultado, várias empresas da China cortaram relações com os Rockets, e a NBA ficou sob forte pressão das autoridades chinesas.

    Kanter, que cresceu na Turquia, foi favorável publicamente a várias causas políticas, incluindo críticas ao presidente turco Recep Tayyip Erdogan. Ele enfrentou ameaças de morte e o julgamento criminal de seu pai em casa como resultado.

    (*Esse texto foi traduzido. Clique aqui para ler o original em inglês)

    Mais Recentes da CNN