Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Onda de calor pode ter causado desaparecimentos na Grécia, dizem cientistas

    Pesquisadores avaliam impactos das temperaturas extremas no funcionamento do cérebro

    Grécia registra picos de temperatura neste verão
    Grécia registra picos de temperatura neste verão Lefteris Damianidis/Reuters via CNN Newsource

    Laura Paddisonda CNN*

    Foi um choque quando Michael Mosley, médico e conhecido apresentador de televisão no Reino Unido, foi encontrado morto no início deste mês, após caminhar sob temperaturas escaldantes na ilha grega de Simi.

    Agora, essa se tornou uma de muitas mortes e desaparecimentos de turistas na Grécia, enquanto o país enfrenta uma poderosa onda de calor no início do verão, com temperaturas acima dos 40ºC.

    No sábado, um turista holandês foi encontrado morto na ilha de Samos. No dia seguinte, o corpo de um turista americano foi encontrado em Mathraki, uma pequena ilha a oeste de Corfu. Albert Calibet, outro turista americano, está desaparecido desde que partiu para uma caminhada em Amorgos, em 11 de junho. E duas francesas desapareceram em Sikinos depois de passearem.

    Os corpos das pessoas que morreram ainda precisam de ser examinados para estabelecer a causa precisa da morte, mas as autoridades alertam as pessoas para não subestimarem os impactos das altas temperaturas.

    “Há um padrão comum”, disse Petros Vassilakis, porta-voz da polícia para o sul do Egeu, à Reuters: “todos fizeram uma caminhada em meio a altas temperaturas”.

    Alguns cientistas dizem que o que está a acontecer na Grécia é um sinal de alerta sobre os impactos do calor extremo no corpo, e em particular no cérebro, podendo causar confusão, afetando a capacidade de tomada de decisão das pessoas e até a sua percepção de risco.

    À medida que as alterações climáticas alimentam ondas de calor mais longas e mais severas, os cientistas começam a desvendar como o nosso cérebro irá lidar com isso.

    O cérebro é ‘a chave-geral’

    A pesquisa tradicionalmente se concentra no impacto do calor extremo nos músculos, na pele, nos pulmões e no coração, mas “o cérebro, para mim, é a chave de tudo”, disse Damian Bailey, professor de fisiologia e bioquímica da Universidade de Gales do Sul. É a “chave-geral” do corpo, disse ele à CNN.

    É no cérebro que a temperatura corporal é regulada. O hipotálamo, uma pequena estrutura em forma de diamante, atua como termostato. Ele executa uma dança delicada para manter a temperatura interna do corpo em ou muito próxima de 37ºC. Quando está calor, o hipotálamo ativa as glândulas sudoríparas e dilata os vasos sanguíneos para resfriar o corpo.

    Mas o cérebro funciona bem dentro de uma faixa estreita de temperaturas e mesmo pequenas mudanças podem afetá-lo. Muitas pessoas estarão familiarizadas com a sensação de lentidão e preguiça em um dia quente de verão.

    Mas à medida que o calor aumenta, pode ter efeitos graves, incluindo a redução dos fluidos no corpo e a diminuição do fluxo sanguíneo para o cérebro, disse Bailey. Ele compara o cérebro a uma grande caminhonete – precisa de vastos recursos para funcionar.

    Testes que ele realizou em participantes de pesquisas em uma câmara ambiental, onde aumentou as temperaturas de 21ºC para 40ºC, mostraram uma queda no fluxo sanguíneo para o cérebro em cerca de 9% a 10%.

    “Isso é um grande problema em termos de não colocar combustível suficiente em um motor que funciona em alta velocidade o tempo todo”, disse Bailey.

    E isso tem um impacto. O calor extremo pode perturbar a atividade cerebral típica, disse Kim Meidenbauer, neurocientista da Universidade Estadual de Washington. As redes cerebrais que normalmente permitem às pessoas pensar com clareza, raciocinar, lembrar e construir e formular ideias podem ficar “desequilibradas”, disse ela à CNN.

    Fica mais difícil tomar decisões complexas, como qual caminho seguir em uma caminhada – uma decisão que parece simples, mas requer a ponderação de vários fatores diferentes.

    Há também evidências que sugerem que as pessoas são mais propensas a tomar decisões arriscadas e a se envolver em comportamentos impulsivos quando expostas ao calor, acrescentou ela.

    Uma percepção alterada de risco associada a uma função cognitiva prejudicada pode ter consequências muito graves. “Você não está falando apenas sobre a possibilidade de ficar um pouco quente demais e talvez sofrer uma queimadura de sol”, disse ela. “Você está falando sobre (situações) potencialmente fatais, como tomar decisões erradas num momento de julgamento turvo”.

    Os cientistas estão apenas começando a desvendar a gama de impactos que o calor tem no cérebro, não apenas em termos de tomada de decisões, mas também de humor, emoções e saúde mental.

    “Nosso entendimento é realmente mínimo”, disse Meidenbauer. “É uma grande incógnita neste momento.”

    Quem é vulnerável?

    Algumas pessoas são mais vulneráveis ​​ao calor do que outras. Os idosos, especialmente aqueles com mais de 65 anos, correm maior risco, porque os seus corpos nem sempre regulam a temperatura com a mesma intensidade de antes. As pessoas desaparecidas na Grécia tinham cerca de 50 anos ou mais.

    As crianças muito pequenas e as mulheres grávidas também enfrentam um risco elevado, tal como aquelas com doenças pré-existentes, incluindo problemas de saúde mental.

    Mas o calor pode ser perigoso para qualquer pessoa.

    Em 2016, uma equipe de cientistas acompanhou 44 estudantes universitários durante uma onda de calor em Boston e descobriu que aqueles que não tinham ar condicionado experimentaram declínios significativos no desempenho cognitivo.

    “Ninguém está imune aos efeitos do calor na saúde”, disse Jose Guillermo Cedeño Laurent, um dos autores da pesquisa e professor assistente da Escola de Saúde Pública Rutgers. “Nosso cérebro é um órgão extremamente sensível”, disse ele.

    Alguém que está em boa forma, entende os perigos e carrega bastante água, ainda estará se arriscando se decidir fazer uma caminhada em temperaturas muito altas, disse Bailey.

    “Você toma decisões erradas e isso pode custar sua vida.”

    Como se proteger

    Existem coisas comportamentais que as pessoas podem fazer para se protegerem e reduzirem os riscos, dizem os especialistas.

    Isso inclui não fazer exercícios durante os períodos mais quentes do dia, mas sim ir nos períodos mais frescos do dia e procurar sombra quando possível. Usar roupas largas e aplicar bolsas de gelo na cabeça e no pescoço também pode ajudar.

    Beber água é vital e não apenas quando você sente muita sede, disse Bailey. É importante não chegar a um ponto em que o corpo perca líquidos mais rápido do que consegue absorvê-los. Os especialistas também recomendam bebidas eletrolíticas, que podem ajudar a repor alguns dos líquidos perdidos pela transpiração.

    Use aplicativos de compartilhamento de localização, disse Meidenbauer. “Certifique-se de que alguém saiba onde você está.”

    A longo prazo, o exercício regular é importante – desde que não seja ao ar livre durante os períodos mais quentes do dia – pois pode ajudar o corpo a fortalecer o sistema de regulação térmica. “Quanto mais apto você estiver, mais resiliente será a essas tensões climáticas e ambientais”, disse Bailey.

    Levará algum tempo para desvendar as causas exatas da morte daqueles que perderam a vida na Grécia, mas ainda há uma lição que pode ser tirada das tragédias, disse Bailey.

    “Não importa o quão inteligente ou em forma você possa pensar que é… se você estiver saindo em temperaturas acima de 40ºC, mesmo se estiver bem preparado, você está enfrentando o desafio”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original