Singapura condena britânico a seis semanas de prisão por não usar máscara facial

Benjamin Glynn, de 40 anos, foi considerado culpado após se recusar a usa máscara dentro de um trem e durante uma audiência

Estação de trem em Singapura
Estação de trem em Singapura Foto: Suhami Abdullah / Getty Image (21.abr.2020)

Reuters

Ouvir notícia

Um tribunal de Singapura sentenciou um homem britânico a seis semanas de prisão nesta quarta-feira (18), informou a mídia local. A condenação veio após ele violar repetidamente os protocolos contra o coronavírus ao se recusar a usar máscara facial em público.

Benjamin Glynn, de 40 anos, foi considerado culpado de quatro acusações por não usar máscara em um trem em maio e em uma audiência subsequente no tribunal em julho, além de causar incômodo público e usar palavras ameaçadoras para funcionários públicos. Anteriormente, Glynn foi submetido a uma avaliação psiquiátrica, ordenada pelo juiz.

Nesta quarta-feira, ele pediu ao tribunal que retirasse o que chamou de “acusações ilegais” e pediu que seu passaporte fosse devolvido para que pudesse voltar à Grã-Bretanha para ficar com sua família, segundo a imprensa local.

O juiz alertou a Glynn que ele estava “completamente equivocado” ao acreditar que estava isento das leis de Singapura sobre o uso de máscaras.

Glynn se representou no tribunal e as ligações e mensagens de texto da Reuters em seu telefone não foram respondidas na quarta-feira.

O centro de negócios asiático é conhecido por sua aplicação de regras rígidas e já prendeu e multou outras pessoas por violar os regulamentos da Covid-19. Alguns estrangeiros tiveram suas autorizações de trabalho revogadas por violações das regras.

A cidade-estado manteve seus surtos de coronavírus sob controle, em parte devido à sua aplicação ou medidas rígidas.

Em fevereiro, um tribunal de Singapura sentenciou um britânico a duas semanas de prisão depois que ele deixou seu quarto de hotel para encontrar sua noiva durante a quarentena.

(Este texto é uma tradução. Para ler o original, em inglês, clique aqui)

Mais Recentes da CNN