Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CNN desmascara contramanifestantes que atacaram ato pró-Palestina nos EUA

    Ataque ao acampamento pró-Palestina na UCLA em 30 de abril irrompeu na pior violência dos protestos universitários em curso em todo o país; análise da CNN identificou alguns dos participantes

    Grupo contrário aos protestos pró-Palestina tenta derrubar a barreira do acampamento pró-palestino na Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA)
    Grupo contrário aos protestos pró-Palestina tenta derrubar a barreira do acampamento pró-palestino na Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) SEAN BECKNER-CARMITCHEL

    Blake EllisMelanie HickenAllison Gordonda CNN

    Um jovem com uma máscara de plástico branca espanca um manifestante pró-Palestina. Outro, com um moletom bordô, atinge um manifestante com um mastro. Um instigador no local derruba barricadas.

    As forças de segurança aguardaram sem ação durante horas enquanto os “contramanifestantes” atacavam o acampamento de protesto pró-Palestina na UCLA em 30 de abril, o que irrompeu na pior violência decorrente dos atos universitários em curso em todo os EUA devido à guerra de Israel em Gaza.

    Embora esteja em curso uma investigação criminal sobre os ataques ocorridos na UCLA, as identidades dos contramanifestantes mais agressivos permanecem em grande parte desconhecidas.

    Uma análise da CNN de imagens, publicações nas redes sociais e entrevistas descobriu que alguns dos ataques mais dramáticos captados pelas câmaras naquela noite foram cometidos por pessoas de fora da UCLA – e não pelos estudantes universitários e professores que acabaram sendo presos.

    Muitos presentes no local pareciam dedicados à causa pró-Israel, de acordo com as redes sociais e suas próprias palavras naquela noite.

    Aos contramanifestantes violentos identificados pela CNN, que incluíam um aspirante a roteirista e produtor de cinema e um estudante do ensino médio local, juntaram-se aliados improváveis, vários dos quais são conhecidos em todo o sul da Califórnia por frequentarem e perturbarem uma variedade de protestos e manifestações públicas.

    O jovem que usa máscara branca e capuz branco em vídeos amplamente compartilhados é Edan On, um estudante local de 18 anos do último ano do ensino médio, confirmou sua mãe à CNN, embora ela tenha dito mais tarde que ele nega ter estado na UCLA.

    O vídeo mostra como ele se juntou aos contramanifestantes enquanto agitava um longo bastão branco. Em certo momento, ele atinge um manifestante pró-Palestina com o bastão e parece continuar a agredi-lo mesmo quando ele estava caído, à medida que outros contramanifestantes avançavam.

    “Edan foi intimidar os estudantes palestinos nas barracas da UCLA e tocou a música que eles tocaram para os terroristas de Nukhba na prisão!”, sua mãe se vangloriou em hebraico no Facebook, referindo-se ao Hamas.

    Ela circulou uma imagem dele que havia sido transmitida no noticiário local. “Ele está em todos os canais de notícias”, escreveu sua mãe em uma postagem agora excluída.

    Uma imagem da Fox 11 Los Angeles postada no Facebook por Sharon On-Siboni mostra seu filho, Edan On, com um moletom branco jogando um objeto no acampamento criado por manifestantes pró-Palestina na UCLA. On-Siboni destacou a imagem / Fox 11

    Alguns contramanifestantes foram vistos no campus dias antes, atraídos por uma manifestação pró-Israel, enquanto vídeos e reivindicações inflamadas se espalhavam rapidamente pelas redes sociais.

    Muitos presentes no local, em 30 de abril, esconderam o rosto atrás de máscaras e lenços.

    Alguns agressores pulverizaram os manifestantes com irritantes químicos, bateram neles com tábuas de madeira, deram socos e pontapés e dispararam fogos de artifício contra a multidão de estudantes e apoiadores amontoados atrás de guarda-chuvas e pranchas de madeira, tentando permanecer seguros.

    Durante horas, eles tentaram arrancar pedaços da barreira, recolhendo tábuas e postes de madeira caídos para usar como armas improvisadas, atacando manifestantes pró-Palestina que emergiram do acampamento na tentativa de para protegê-lo da entrada dos contramanifestantes.

    Enquanto os manifestantes gritavam: “Não vamos sair” do acampamento, alguns contramanifestantes gritaram de volta: “Vocês são terroristas, vocês são terroristas!”

    Imagens de vídeo mostram que alguns contramanifestantes instigaram brigas, enquanto outros fizeram pouco para intervir.

    Então a polícia pouco fez enquanto um grande grupo de contramanifestantes se afastava calmamente, deixando para trás estudantes e outros manifestantes ensanguentados e machucados.

    O Departamento de Polícia de Los Angeles e a Patrulha Rodoviária da Califórnia encaminharam todas as perguntas sobre o incidente ao Departamento de Polícia da UCLA, que não respondeu a vários pedidos de comentários.

    Nesta foto tirada de um vídeo postado nas redes sociais, Edan On tira a máscara / Redes Sociais
    Edan On, um aluno do último ano do ensino médio local, foi capturado em vídeo golpeando um manifestante pró-Palestina com uma vara / Redes Sociais

    A polícia não rastreou os feridos do ataque. Mas de acordo com os organizadores do acampamento, mais de 150 estudantes “foram agredidos com spray de pimenta e bear spray”, e pelo menos 25 manifestantes acabaram sendo transportados para salas de emergência locais para receber tratamento de ferimentos, incluindo fraturas, lacerações graves e lesões induzidas por produtos químicos.

    “Na verdade, pensei que alguém seria morto”, disse o rabino Chaim Seidler-Feller, diretor emérito Hillel da UCLA, que ligou para o 911 por volta da meia-noite enquanto assistia à violência ao vivo na TV. “Eles vieram para espancar as pessoas”.

    No dia seguinte, Hillel, da UCLA, publicou uma carta aberta de líderes estudantis denunciando o que chamou de “membros marginais da comunidade judaica fora do campus” que não representavam “os estimados 3 mil judeus Bruins na UCLA”.

    “Não podemos fazer um pedido mais claro para a comunidade judaica de fora do campus: fique fora do nosso campus”, afirmou.

    “Suas ações estão prejudicando estudantes judeus”.

    “Vocês estão prestes a se f***ar”

    Em um dos vídeos mais dramáticos da noite, um manifestante vestindo as cores da bandeira palestina por baixo de uma camisa do LA Kings foi derrubado no chão e espancado por vários contramanifestantes enquanto guardava o acampamento.

    Um desses agressores foi Edan On, que correu para o meio da briga com sua vara.

    Quando a CNN mostrou à mãe de On um vídeo dele atacando o manifestante, ela disse que Edan, que ela confirmou estar no último ano da Beverly Hills High School, estava apenas se defendendo.

    Sua mãe – que anteriormente descreveu um grupo menor de estudantes da UCLA que protestavam contra a guerra no ano passado como “animais humanos” nas redes sociais – disse que dezenas de seus colegas de escola também foram ao campus no dia 30 e que seu filho pretende se juntar às Forças de Defesa de Israel.

    O distrito escolar disse que a lei federal proíbe o compartilhamento de informações sobre os alunos, incluindo a confirmação de suas identidades.

    Edan On não foi encontrado para comentar diretamente. Quando a CNN contatou a mãe de On para uma entrevista com ele, ela respondeu que seu filho estava em Israel e que ele alegou que não estava na UCLA, apesar de sua confirmação anterior.

    O homem com a camisa do LA Kings acabou sendo arrastado para um grupo de contramanifestantes e chutado por um aspirante a roteirista e produtor de Los Angeles que a CNN identificou como Malachi Marlan-Librett, de acordo com uma análise de fotos nas redes sociais, vídeos do protesto e entrevistas com várias pessoas que o conheciam.

    De acordo com seu LinkedIn, ele se formou na UC Santa Cruz em 2019 e participou de um programa profissional de cinema e televisão da UCLA no ano seguinte.

    Um homem com um moletom bordô se juntou a Marlan-Librett para arrastar o manifestante para a multidão.

    O manifestante foi visto mais tarde em um vídeo recebendo tratamento para um ferimento na cabeça com sangue no acampamento.

    Marlan-Librett e o homem de moletom bordô, junto com outros contramanifestantes, como um homem desmascarado usando uma bandana vermelha no pescoço, foram vistos cometendo vários atos de violência durante a noite.

    Eles se tornaram os principais alvos de pesquisadores online que disseram à CNN que criaram apelidos internos como #UCLARedBandana, #UCLANeffHat e #UCLAMaroonHoodie enquanto tentavam identificá-los.

    Em um episódio violento capturado em vídeo, Marlan-Librett é visto carregando a ponta de uma vassoura na mão, usando-a para atingir um manifestante na cabeça antes de chutá-lo.

    Mesmo depois que o manifestante recua, Marlan-Librett se aproxima furtivamente dele por trás e o atinge na cabeça mais uma vez. Marlan-Librett não respondeu às ligações e mensagens de texto da CNN.

    Em outro vídeo, o homem de moletom bordô corre em direção ao acampamento gritando: “Vocês estão prestes a se f***ar”.

    Na transmissão ao vivo de mais de 3 horas, o jovem está no meio da confusão e pode ser visto batendo em outro homem com uma vara antes de armar os contramanifestantes com placas de madeira.

    O homem podia ser ouvido gritando aos manifestantes: “F**a-se, terroristas de m***a”, e depois: “O resultado é 30 mil” – uma referência ao número de palestinos mortos pela campanha de bombardeios de Israel e pela ofensiva terrestre em Gaza.

    Poucos minutos antes, o homem lançou spray de pimenta no rosto de uma jornalista, enquanto ela filmava a multidão. “Tive que ir embora porque literalmente não conseguia ver nada”, disse a jornalista local Dolores Quintana à CNN.

    “E estava entrando na minha boca. Então, eu estava começando a engasgar”. Ela disse que um voluntário saiu do acampamento para lavar os seus olhos com água e soro fisiológico.

    Quintana tirou uma selfie quando conseguiu abrir os olhos novamente. Na foto, seu rosto estava encharcado e pálido, com manchas vermelhas na testa.

    “Essa foi a pior situação em que já me encontrei como jornalista”, disse ela. “Eu estava com medo que eles matassem alguém”.

    Dolores Quintana fotografada logo após receber spray de pimenta enquanto cobria os protestos na UCLA no início de maio de 2024 / Dolores Quintana

    Provocadores locais de briga

    De acordo com vários conhecidos do homem de moletom bordô, ele estudou no Los Angeles Valley College com seu irmão. Ambos os irmãos foram matriculados na USC no semestre do outono de 2023 por algumas semanas antes de cancelarem a matrícula, de acordo com a escola.

    A CNN não conseguiu entrar em contato com o homem de moletom bordô e ele não tinha nenhuma ligação aparente com a UCLA.

    Nem Tom Bibiyan, um homem de 42 anos que já foi funcionário local do Partido Verde. Bibiyan foi esfaqueado em um comício da Ku Klux Klan onde era contramanifestante em 2016 e desde então se tornou um fervoroso apoiador de Trump. Sua colorida página no Instagram é uma mistura de memes da direita, inúmeras postagens defendendo homens famosos contra acusações de agressão sexual e conteúdo pró-Israel.

    Imagens de vídeo mostram Bibiyan entre as pessoas na linha de frente que correm para o acampamento na tentativa de remover as barreiras metálicas de proteção, enquanto os seguranças do campus observavam o desenrolar da violência.

    “O momento em que atacamos o acampamento terrorista ontem à noite na UCLA para desmontá-lo”, ele legendou um vídeo que postou no Instagram. “F***-se essas crianças”, disse ele em uma postagem separada, que já foi excluída.

    Um jornalista da CNN encontrou Bibiyan fora de sua casa, vestindo a mesma jaqueta que usou na UCLA, mas ele se recusou a dizer por que havia participado da violência. “Você está sendo um pouco rude e vou chamar a polícia se você não for embora”, disse ele.

    Outros homens mais velhos vistos no meio da multidão pareciam familiares para a mãe da escola pública local, Angie Givant, enquanto ela acompanhava o que aconteceu naquela noite de terça-feira nas redes sociais: um grupo de provocadores de direita que ela viu protestando contra os direitos LGBTQ em escolas públicas no conselho escolar e reuniões do conselho municipal em torno de Los Angeles.

    “Assim que surgiram rumores de que, você sabe, as coisas iriam piorar na UCLA, houve uma mobilização de extremistas reacionários muito familiares”, disse ela à CNN.

    Um dos homens mais velhos, Narek Palyan, se juntou ao grupo de contramanifestantes, apesar de ter publicado frases antijudaicas nas suas contas nas redes sociais. Palyan, que não parecia estar envolvido na violência, afirmou à CNN que tem um filho na UCLA, embora nenhum estudante tenha sido visto acompanhando-o naquela noite. “Eu definitivamente estava mantendo a paz, pelo menos tentando”, disse ele.

    Estudantes jornalistas atacados

    A jornalista júnior e estudante da UCLA, Catherine Hamilton, disse que quando fogos de artifício caíram a poucos metros de onde ela estava e ela viu os homens se aproximando mascarados, ficou claro para ela que eles estavam prestes a fazer algo pelo qual não queriam ser reconhecidos.

    “Naquele momento em que os fogos de artifício explodiram e começaram a zumbir em meus ouvidos, pensei: algo muito ruim vai acontecer nesse campus”, disse ela.

    Quando a polícia finalmente chegou horas depois para acabar com o caos, Hamilton e seus colegas se reagruparam para voltar à redação.

    Ao passarem por uma fila de polícias e por uma rua bem iluminada no centro do campus, pouco antes das 3h30, ela diz que foram cercados por um pequeno grupo de contramanifestantes vestidos principalmente de preto.

    Ela disse à CNN que o homem que liderava o grupo era alguém que ela reconheceu imediatamente. Ele era um contramanifestante que já a havia assediado verbalmente e tirado uma foto de seu crachá de imprensa, disse ela.

    Em segundos, eles pulverizaram os estudantes jornalistas com um bear spray, uma espécie de spray de pimenta, e jogaram luzes em seus rostos. Enquanto ela tentava fugir, disse Hamilton, ela foi atingida repetidamente no peito e no abdômen.

    Um dos jornalistas confrontou os agressores e empurrou um deles antes que ele fosse jogado no chão e espancado, segundo imagens de vídeo do incidente.

    “Eu esperava que começássemos a trabalhar em um obituário”

    No dia seguinte ao ataque, o reitor da UCLA classificou os eventos como “um capítulo sombrio” na história da escola que “abalou profundamente o nosso campus”.

    Um pai que estava no acampamento com seu filho, um estudante da UCLA, também descreveu a noite como “um filme de guerra civil”, com brasas caindo e os feridos sendo tratados por toda parte.

    Ele disse que estava desesperado para encontrar ajuda, ligando para a polícia do campus da UCLA seis vezes seguidas.

    Um estudante do quarto ano da UCLA – que pediu anonimato por questões de segurança – disse à CNN que foi atingido no canto da testa por um cone de trânsito. Minutos depois, o vídeo capturou um contramanifestante batendo com uma placa de madeira na nuca do estudante.

    Com dois cortes profundos na cabeça, ele disse que correu para o hospital e acabou recebendo 14 grampos e três pontos pelos ferimentos.

    A violência dirigida aos manifestantes e o seu acesso ao tratamento médico o fizeram lembrar a razão pela qual tinham montado o acampamento, em primeiro lugar, tentando aumentar a consciência sobre as mortes em massa e a destruição causada pela guerra de Israel em Gaza, e apelando à universidade para desinvestir de quaisquer laços financeiros com Israel.

    “Tive o privilégio de ir a um hospital”, disse ele. “Em Gaza, não há hospitais em pleno funcionamento”.

    Thistle Boosinger, membro do acampamento de 23 anos que não é estudante da UCLA, teve a mão esmagada na noite da violência.

    Ela descreveu como seu agressor levantou um pedaço de madeira acima da cabeça antes de bater em sua mão.

    “No início, eu apenas gritei”, disse ela. “E então, depois de cinco minutos em que minha adrenalina passou, foi extremamente doloroso”.

    Em uma videochamada, Boosinger ergueu a mão envolta em gaze e descreveu seu ferimento. “Meu osso está totalmente quebrado ao meio abaixo da junta do meu dedo [que está] quebrado em um monte de pedaços e misturado”.

    Dylan Kupsh, um estudante graduado da UCLA, disse que deu os braços a outros manifestantes na tentativa de defender o acampamento e manter as pessoas seguras.

    “Estávamos tentando manter a barricada erguida porque isso estava literalmente protegendo nossas vidas”, disse Kupsh.

    Não demorou muito para que ele recebesse spray de pimenta, forçando-o a procurar tratamento médico enquanto os ataques continuavam.

    Kupsh e outros ainda se perguntam o que teria acontecido se o acampamento tivesse sido invadido naquela noite.

    “Odeio dizer isso”, disse Catherine Hamilton, a estudante jornalista, “mas esperava que começássemos a trabalhar em um obituário no dia seguinte porque pensei que algo tão sério iria acontecer aos estudantes do acampamento”.

    *Com informações de Audrey Ash, Isabelle Chapman, Scott Glover, Curt Devine, Yahya Abou-Ghazala, Em Steck, Daniel Medina, Kyung Lah e Anna-Maja Rappard, da CNN.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original