CNN suspende Chris Cuomo indefinidamente

Âncora é irmão do ex-governador de Nova York Andrew Cuomo

O âncora da CNN Chris Cuomo
O âncora da CNN Chris Cuomo CNN

Oliver DarcyBrian Stelterda CNN

Ouvir notícia

A CNN disse nesta terça-feira (30) que suspendeu “indefinidamente” Chris Cuomo depois que documentos divulgados nesta semana indicarem que o âncora estava mais intimamente envolvido do que anteriormente conhecido em ajudar seu irmão, o ex-governador de Nova York Andrew Cuomo, a preparar sua defesa em meio a uma onda de denúncias de má conduta e violência sexual.

“O gabinete do procurador-geral de Nova York divulgou transcrições e exibições na segunda-feira que lançaram uma nova luz sobre o envolvimento de Chris Cuomo na defesa de seu irmão”, disse um porta-voz da CNN na noite de terça-feira. “Os documentos, dos quais não tínhamos conhecimento antes de sua divulgação pública, levantam sérias questões.”

“Quando Chris admitiu que havia aconselhado a equipe de seu irmão, ele quebrou nossas regras e reconhecemos isso publicamente”, continuou o porta-voz. “Mas também avaliamos a posição única em que ele estava e entendemos sua necessidade de colocar a família em primeiro lugar e o trabalho em segundo lugar.”

“No entanto, esses documentos apontam para um maior nível de envolvimento nos esforços de seu irmão do que sabíamos anteriormente”, acrescentou o porta-voz. “Como resultado, suspendemos Chris indefinidamente, enquanto se aguarda uma avaliação adicional.”

Anderson Cooper será a âncora das 21h, disse o porta-voz da CNN.

A suspensão veio após críticas significativas de pessoas que notaram que Chris Cuomo havia violado normas jornalísticas amplamente aceitas. Na CNN, funcionários expressaram consternação com a conduta do âncora.

Os documentos divulgados pela procuradora-geral de Nova York, Letitia James, incluíam mensagens de texto e transcrições de entrevistas com investigadores que conduziram a investigação de acusações contra o governador.

O rol de documentos incluía mensagens de texto entre Chris Cuomo e Melissa DeRosa, uma assessora superior do governador Andrew Cuomo, que sugeria que ele foi fundamental no trabalho de construir uma defesa contra uma enxurrada de alegações de má conduta sexual.

As mensagens de texto também revelaram que Chris Cuomo procurou usar suas conexões com a imprensa para ajudar a preparar a equipe do então governador, à medida que os acusadores começaram a publicar as acusações.

Chris Cuomo também reconheceu aos investigadores que tentou descobrir mais sobre uma reportagem do jornalista Ronan Farrow. O âncora defendeu a prática como convencional.

“A ideia de um repórter ligar para outro para saber o que está acontecendo no cano é completamente normal”, disse ele.

Quando Andrew Cuomo renunciou ao cargo de governador em agosto, Chris Cuomo disse aos telespectadores da CNN que ele “não era um conselheiro”, mas “um irmão”. Ele reconheceu que conversou com os assessores de seu irmão e deu sua “opinião” até que a CNN disse a ele para parar de fazê-lo em maio.

O âncora do “Cuomo Prime Time” também disse no ar em agosto: “Nunca ataquei nem incentivei ninguém a atacar nenhuma mulher que se apresentasse. Nunca fiz ligações para a imprensa sobre a situação do meu irmão.”

As revelações de segunda-feira lançaram algumas dúvidas sobre sua declaração sobre suas interações com a imprensa.

“Eu – quando solicitado, eu entraria em contato com outras fontes, outros jornalistas, para ver se eles tinham ouvido falar de mais alguém”, disse Chris Cuomo durante o depoimento.

Chris Cuomo também disse sob juramento o que já havia dito aos telespectadores da CNN no início deste ano: que ele “nunca influenciou ou tentou controlar a cobertura da CNN sobre minha família”.

Durante o interrogatório, ele reiterou esse sentimento, dizendo: “Se eu tivesse tentado influenciar qualquer uma das reportagens da CNN ou de qualquer outro lugar, garanto que as pessoas saberiam, e também muitos outros”.

Em seu comunicado de maio, a CNN disse: “Chris não esteve envolvido na extensa cobertura da CNN das alegações contra o governador Cuomo – no ar ou nos bastidores”.

O comunicado da rede acrescentou: “Em parte porque, como ele disse em seu programa, ele nunca poderia ser objetivo. Mas também porque muitas vezes ele serve como uma caixa de ressonância para seu irmão. No entanto, foi impróprio se envolver em conversas que incluíssem membros da equipe do governador, o que Chris reconhece. Ele não participará dessas conversas no futuro.”

À época, o âncora também aproveitou o programa para dizer que ele é “a família em primeiro lugar e o trabalho em segundo lugar” e se desculpou por ter ajudado o irmão.

“Não vai acontecer de novo. Foi um erro, porque coloquei meus colegas aqui, que acredito serem os melhores do ramo, em uma situação ruim”, disse. “Nunca tive a intenção de fazer isso, nunca teria a intenção de fazer isso e sinto muito por isso.”

Enquanto um relatório sobre as alegações de má conduta sexual contra Andrew Cuomo foi divulgado em agosto, o escritório de James continua com uma investigação separada sobre as alegações de que ele usou indevidamente os recursos do estado para o desenvolvimento, produção e promoção de um livro que escreveu sobre a pandemia.

Rich Azzopardi, porta-voz de Andrew Cuomo, chamou o lançamento mais recente de transcrições, documentos e vídeos de “lançamento manipulado”.

“Os nova-iorquinos não são tolos, e o óbvio uso indevido de recursos do governo por James e seus colegas para prejudicar oponentes políticos é tão óbvio e repugnante quanto antiético e ilegal”, disse Azzopardi em um comunicado.

*Sonia Moghe, da CNN, contribuiu para este relatório

(Este texto é uma tradução. Clique aqui para ler o original, em inglês)

Mais Recentes da CNN