Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Com a chegada do inverno, Ucrânia corre para adaptar táticas em meio a contraofensiva

    Analistas indicam que Kiev não está preparada para arriscar as vítimas que uma ambiciosa ofensiva mecanizada traria

    Soldados ucranianos em suas posições perto de Bakhmut, região de Donetsk
    Soldados ucranianos em suas posições perto de Bakhmut, região de Donetsk Roman Chop/AP

    Tim Listerda CNN

    A Ucrânia logo enfrentará seu segundo inverno em guerra, e as ousadas campanhas de um ano atrás, que viram ganhos significativos em Kharkiv e Kherson, parecem uma memória distante.

    As forças armadas ucranianas travam uma guerra de intenso atrito contra forças russas obstinadas e maiores ao longo de uma frente de quase 1.000 quilômetros.

    Veja também – Exclusivo CNN: Drone vampiro é usado na linha de frente da guerra na Ucrânia

    Os militares ucranianos estão desesperadamente carentes de poder aéreo, e a ação ofensiva será interrompida pela deterioração do clima.

    É provável que os russos lancem outra campanha para paralisar a infraestrutura de energia da Ucrânia, mergulhando seu povo em um inverno escuro. No campo de batalha, os russos se adaptaram. O orçamento de defesa do próximo ano será 70% maior do que o deste ano. Eles estão nessa para o longo prazo.

    Mas os ucranianos também estão se adaptando, após um início hesitante da contraofensiva.

    Como Franz-Stefan Gady e Michael Kofman argumentaram na The Economist, “a capacidade dos soldados ucranianos de dominar rapidamente a tecnologia ocidental levou a um otimismo deslocado de que o tempo necessário para desenvolver unidades de combate coesas poderia ser reduzido”.

    Agora eles retornaram a um estilo de guerra que conhecem melhor, usando pequenos grupos de infantaria móvel para testar as defesas russas entrincheiradas.

    Também é apropriado para as circunstâncias atuais, porque dezenas de drones russos avistam concentrações de forças e disparam contra elas.

    Pequeno e ágil é a resposta.

    Em uma extensa entrevista à CNN na semana passada, o general Oleksandr Tarnavsky disse: “Nem o inimigo nem nós usamos principalmente companhias, batalhões ou brigadas, mas esquadrões de assalto. Grupos de 10 a 15 homens.”

    A Ucrânia não está preparada para arriscar as vítimas que uma ambiciosa ofensiva mecanizada traria.

    “A principal habilidade de todo comandante em qualquer nível é preservar o pessoal”, disse Tarnavsky ao correspondente internacional sênior da CNN, Fred Pleitgen.

    Este estilo de guerra será menos afetado pela lama e pela névoa dos meses de inverno.

    “O tempo pode ser um sério obstáculo durante um avanço. Mas considerando como nos movemos para frente, e nos movemos principalmente sem usar os veículos, não acho que isso influenciará fortemente esse estágio da contraofensiva”, acrescentou Tarnavsky.

    Esse estilo de guerra está em uma extremidade do espectro. Mas os ucranianos também estão aproveitando as vantagens dos suprimentos ocidentais de artilharia de longo alcance, tanto no sul quanto no leste.

    E Kiev aumentou drasticamente os ataques de mísseis e drones de longo alcance contra centros militares russos de comando, suprimentos de combustível e munição, além de centros de transporte.

    “Matar de fome, esticar e atacar”

    O chefe do estado-maior de defesa do Reino Unido, almirante Tony Radakin, chamou essa estratégia de “matar de fome, esticar e atacar” – embora grande parte do ataque seja atualmente feito a longa distância.

    A Crimeia se tornou um alvo consistente – o objetivo é interromper as linhas de abastecimento russas e degradar a Frota do Mar Negro.

    Tais ataques provavelmente continuarão e se intensificarão à medida que o inverno dificultar ainda mais o progresso no terreno.

    Operações de alto perfil, como as deste mês contra o estaleiro de Sebastopol e a sede da Frota do Mar Negro, são um impulsionador de moral e servem para lembrar aos aliados da Ucrânia que ela ainda está na frente.

    A introdução esperada dos mísseis de longo alcance Taurus alemães e do Sistema de Mísseis Táticos do Exército dos EUA (ATACMs, na sigla em inglês) acentuará o foco da Ucrânia em danificar a infraestrutura russa (embora não além do território ucraniano).

    Como observa a publicação militar online WarZone: “A capacidade de entregar uma ogiva de 226 kg com força incrível em longas distâncias significaria um grande problema para os nós logísticos russos críticos e infraestrutura relacionada, como pontes, bem como centros de comando e controle fortificados, todos bem atrás das linhas de frente.”

    Nos últimos meses, as forças ucranianas se concentraram em degradar as defesas aéreas russas, forçando o inimigo a fazer escolhas dolorosas sobre o que defender, especialmente porque mais defesas foram implantadas na região de Moscou em face de uma campanha de drones persistente e irritante (embora não muito destrutiva).

    Se, como esperado, a Ucrânia receber os ATACMs com múltiplas ogivas, ela será capaz de infligir danos muito maiores a alvos russos distantes, como bases aéreas.

    O chefe da Inteligência de Defesa da Ucrânia, tenente-general Kyrylo Budanov, disse à War Zone: “Lutar contra as aeronaves russas usando sistemas de defesa aérea é muito caro e ineficaz. Os aviões devem ser eliminados nas bases aéreas”.

    Eliminá-los será uma tarefa titânica. As forças armadas russas aprenderam com seus erros.

    “Os russos são considerados aprendizes rápidos de nossas táticas – isso é comprovado por suas ações no campo de batalha”, disse Tarnavsky à CNN.

    No entanto, algumas das melhores unidades russas sofreram nas mãos do crescente fluxo de armas ocidentais que entram na Ucrânia, especialmente artilharia de longo alcance e munições de fragmentação enviadas pelos EUA.

    O Ministério da Defesa do Reino Unido afirma que partes do recém-formado 25º Exército de Armas Combinadas da Rússia (CAA) foram desdobradas para reforçar unidades no norte, essencialmente tapando buracos em uma área onde nenhum dos lados está fazendo progresso.

    “Com o 25º CAA aparentemente sendo desdobrado aos poucos para reforçar a linha sobrecarregada, uma nova ofensiva russa planejada é menos provável nas próximas semanas”, disse o ministério na semana passada.

    “O grau em que a Ucrânia pode infligir baixas e destruição desproporcionais aos russos nas próximas ofensivas será uma medida importante de sucesso”, diz Mick Ryan, ex-general australiano e autor de Futura Doctrina, que esteve recentemente na Ucrânia.

    O moral russo é difícil de avaliar. Funcionários ucranianos dizem que muitos prisioneiros de guerra russos têm pouca noção do porquê de estarem lutando, e a disciplina é frequentemente fraca. Há evidências anedóticas disso de outras fontes, mas não ao ponto de danificar a máquina militar russa.

    No entanto, tem sido frequentemente (e erroneamente) afirmado que os russos estão ficando sem mísseis e outras munições.

    É verdade que oficiais ucranianos relataram um declínio acentuado no fogo de artilharia recebido em alguns lugares. Mas o inverno que se aproxima provavelmente verá uma renovação dos ataques de mísseis e drones contra a infraestrutura energética ucraniana à medida que a “temporada de aquecimento” começar.

    “Eles estão estocando mísseis para isso”, disse à CNN este mês o CEO da fornecedora de energia ucraniana DTEK, Maksym Timchenko.

    No ano passado, as barragens de mísseis russos danificaram ou destruíram cerca de dois terços das instalações de energia da Ucrânia – mas não conseguiram quebrar a determinação dos civis. Uma série de ataques este mês sugere que outra campanha é iminente.

    Mas assim como buscam degradar as defesas aéreas russas, os ucranianos fizeram progressos na melhoria das suas próprias.

    “No ano passado, não havia Patriot, NASAMS, IRIS-T, SAMP-T ou muitos outros sistemas”, disse o primeiro-ministro, Denys Shmyhal, na semana passada.

    “Nosso sistema de defesa aérea se tornou ainda mais abrangente e experiente. Até o inverno, ele se tornará ainda mais forte.”

    A produção de energia também aumentou. Agora existem sete reatores de energia nuclear em funcionamento, com mais dois programados para entrar em operação em breve. Mais eletricidade pode ser importada da União Europeia (UE) do que anteriormente. A produção doméstica de gás natural aumentou.

    A distribuição continua sendo um problema. Autotransformadores são escassos e ainda poderá haver cortes de energia neste inverno. Mas a rede ucraniana é mais resiliente do que há um ano.

    O longo prazo

    O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, e outros falaram de “progresso constante” da Ucrânia no campo de batalha, mas entre muitos analistas e funcionários ocidentais há uma sensação de impasse iminente.

    Cada vez mais, fala-se em um conflito que se estenderá até 2025. A história mostra que, além de seus estágios iniciais, as guerras tendem a se ossificar. Isso é o que aconteceu depois que o chamado conflito separatista eclodiu em Donbas, em 2014.

    Ryan, o ex-general australiano, diz que os parceiros ocidentais da Ucrânia devem reconhecer e planejar isso.

    “Ao se comprometer a apoiar a Ucrânia durante todo o conflito, o Ocidente pode minar os esforços de Putin para sobreviver aos patrocinadores da Ucrânia”, disse ele.

    O major do Exército dos EUA Robert Rose, escrevendo no War on the Rocks, concorda.

    “A Ucrânia não tem o luxo de realizar manobras (ações ofensivas rápidas). Ela precisa buscar um desgaste inglório, e devemos estar preparados para apoiá-la até que ela exaurira os invasores russos.”

    A Europa e os Estados Unidos continuam comprometidos em apoiar a Ucrânia no campo de batalha e com apoio financeiro. Mas há sinais de fadiga. Dúvidas e disputas surgem.

    A recente disputa da Ucrânia com o governo polonês sobre as exportações de grãos mostrou que ela é vulnerável às mudanças de humor político entre os países aliados. A campanha eleitoral nos EUA está em andamento entre os republicanos rivais, e a extensão do apoio à Ucrânia é uma questão controversa.

    A primavera de 2024 está se configurando como uma fase potencialmente importante no conflito.

    Ambos os lados usarão o inverno para se reequipar. Em seguida, os primeiros F-16 ucranianos serão implantados, juntamente com talvez mais ATACMs e outros mísseis de longo alcance (além das crescentes linhas de produção nativas na Ucrânia).

    É por isso que o fornecimento de armas ocidentais deve acelerar, de acordo com Max Boot do Council on Foreign Relations.

    “Deixar de enviar armamento suficiente para a Ucrânia simplesmente aumenta as chances de o conflito se arrastar indefinidamente”, disse Boot.

    Os ucranianos também estarão lendo as folhas de chá políticas nos EUA e entre aqueles que consideram aliados europeus menos entusiasmados, avaliando o estado da “coalizão dos dispostos”.

    Na Rússia, o próximo ano pode ver a guerra infligir maiores consequências econômicas.

    O Kremlin forçou a narrativa de que a defesa da pátria está em uma batalha existencial; não há dissidência pública. As sanções doem, mas ainda não são incapacitantes; o preço do petróleo está ajudando a limitar os danos ao orçamento do Estado.

    Mas com uma economia cada vez mais dedicada a sustentar a máquina de guerra (pelo menos 6% do PIB será gasto com os militares no próximo ano), há tensões crescentes: escassez de mão de obra e inflação, bem como um rublo persistentemente fraco.

    Vladimir Putin não vai querer cortar os gastos sociais antes das eleições da próxima primavera, quando a maioria dos analistas espera que os preços do petróleo e do gás se moderem.

    Muitas variáveis moldarão o futuro deste conflito no próximo ano. Primeiro, ambos os lados devem suportar a lama, a geada e a névoa dos meses de inverno.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original