Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Comissário acusa israelenses de incendiarem agência da ONU em Jerusalém Oriental

    Não houve feridos, mas unidade será fechada até que segurança seja restaurada

    Homem caminha em frente ao prédio da Agência de Assistência e Obras das Nações Unidas (UNRWA) na Cidade de Gaza
    Homem caminha em frente ao prédio da Agência de Assistência e Obras das Nações Unidas (UNRWA) na Cidade de Gaza Ali Jadallah/Agência Anadolu via Getty Images

    Hande Atay AlamKareem Khadderda CNN

    Philippe Lazzarini, comissário-geral da agência da ONU para os refugiados palestinos (UNRWA), acusou residentes israelenses de incendiarem duas vezes a sede do órgão na Jerusalém Oriental ocupada, enquanto funcionários da instituição estavam no complexo nesta quinta-feira (9).

    Lazzarini disse em comunicado postado na rede social X que não houve vítimas entre os funcionários da ONU, no entanto, “o incêndio causou grandes danos às áreas externas”, e os próprios funcionários tiveram que apagar o fogo, pois houve certa demora até que “bombeiros e policiais israelenses chegassem ao local”.

    O comissário também postou um vídeo do complexo da ONU com funcionários tentando extinguir o incêndio enquanto pessoas cantavam. Lazzarini escreveu que uma multidão acompanhada por homens armados foi vista fora do complexo gritando “incendeiem as Nações Unidas”.

    Vários vídeos foram postados em canais israelenses do Telegram nesta quinta-feira, mostrando fogo no complexo da UNRWA. Em um dos vídeos era possível ouvir pessoas gritando repetidamente: “UNWRA é Hamas, UNWRA é Hamas”.

    A CNN entrou em contato com o governo israelense, mas não teve retorno.

    Lazzarini pontuou que este é o segundo incidente em menos de uma semana e que as vidas dos funcionários da ONU correm sério risco. Desde então, ele decidiu suspender as operações no complexo da UNRWA até que a segurança adequada seja restaurada.

    Manifestantes atiraram pedras contra funcionários da ONU e contra os edifícios do complexo, disse ele, acrescentando que “nos últimos meses, os agentes da ONU têm sido regularmente sujeitos a assédio e intimidação”.

    “O nosso complexo foi seriamente vandalizado e danificado. Em diversas ocasiões, extremistas israelenses ameaçaram o nosso pessoal com armas”, acusou.