Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Como os hospitais de Gaza se tornaram campos de batalha

    Ataques danificaram ou destruíram 20 dos 22 hospitais no norte de Gaza durante os primeiros dois meses da guerra de Israel contra o Hamas, com metade sendo atingida diretamente, conclui a análise da CNN

    Ataque a hospital Kamal Adwan em Gaza
    Ataque a hospital Kamal Adwan em Gaza 16/12/2023 REUTERS/Fadi Alwhidifa

    Katie PolglaseGianluca MezzofioreEliza Mackintoshda CNN*

    Bombardeios implacáveis, cortes e escassez de energia colocaram fora de serviço quase todos os hospitais no sitiado norte da Faixa de Gaza, com evidências de ataques repetidos em e nas proximidades de instalações médicas, apesar da presença de médicos, pacientes e civis no interior, segundo uma análise da CNN.

    Pelo menos 20 dos 22 hospitais identificados pela CNN no norte de Gaza foram danificados ou destruídos nos primeiros dois meses da guerra de Israel contra o Hamas, de 7 de outubro a 7 de dezembro, de acordo com uma análise de 45 imagens de satélite e cerca de 400 vídeos dos locais, bem como entrevistas com médicos, testemunhas oculares e organizações humanitárias.

    Quatorze foram atingidos diretamente, com base nas evidências coletadas e verificadas pela CNN e analisadas por especialistas.

    Israel lançou o seu bombardeio e invasão terrestre da Faixa de Gaza após o ataque terrorista do Hamas em 7 de outubro, no qual pelo menos 1.200 pessoas foram mortas e mais de 240 feitas reféns. Nos primeiros dois meses da guerra, pelo menos 17.100 palestinos foram mortos em ataques israelenses na faixa, segundo o Ministério da Saúde de Gaza, administrado pelo Hamas. No momento da publicação deste artigo, esse número era superior a 23.400.

    Israel diz que o Hamas opera dentro e debaixo de hospitais e os utiliza para operações militares, inclusive como centros de comando, depósitos de armas e para esconder reféns. Os israelenses divulgaram imagens que dizem ser evidências dessas operações do Hamas. Os vídeos não oferecem provas definitivas e o Hamas negou as alegações.

    A CNN enviou uma lista dos hospitais identificados como danificados ou destruídos às Forças de Defesa de Israel (FDI). Em resposta, as FDI disseram que “não conduziram quaisquer ataques direcionados contra hospitais na Faixa de Gaza”, acrescentando que “o Hamas faz uso indevido sistematicamente de hospitais e instalações médicas”.

    Acompanhar a forma como o bombardeio aéreo impactou os hospitais no norte de Gaza dá uma ideia da escala e do alcance da devastação que a guerra causou no sistema de saúde do enclave – e do impacto repercussivo sobre os civis que dependem das instalações para abrigo e cuidados, e precisam mais dos seus serviços agora do que nunca.

    CNN geolocalizou hospitais que foram danificados ou destruídos em Gaza, incluindo aqueles atingidos diretamente / Arte/CNN

    A CNN identificou 22 hospitais no norte de Gaza, estudando imagens de satélite e filmagens de cada local. Destes, 20 foram danificados ou destruídos em bombardeios implacáveis durante os primeiros dois meses da guerra.

    Imagens de satélite mostraram crateras próximas a 11 hospitais que eram consistentes com aquelas deixadas por bombas de 907 quilos. As munições foram lançadas perto o suficiente para que os hospitais ficassem dentro do raio de fragmentação letal, que é de até 365 metros. Quatorze hospitais foram atingidos diretamente. Vários, incluindo Al-Shifa e Al-Quds, parecem ter sido atacados por Israel.

    Imagens obtidas pela CNN mostraram que dois hospitais foram completamente destruídos. Os ataques sobre e ao redor dos três hospitais pediátricos da faixa forçaram a interrupção dos serviços. Os únicos hospitais que ofereciam tratamento oncológico e psiquiátrico dedicado também pararam de funcionar após terem sido danificados.

    No final do período analisado, apenas quatro hospitais funcionavam parcialmente, segundo a OCHA, a agência humanitária da ONU. Nenhum tinha capacidade cirúrgica.

    A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou em 21 de dezembro que nenhum hospital funcionava no norte de Gaza e que os pacientes feridos que não podiam ser transferidos estavam “à espera da morte”. Segundo a OMS, até 10 de janeiro, seis hospitais no norte estavam funcionando parcialmente.

    Para se ter uma ideia de como os hospitais de Gaza se tornaram campos de batalha, a CNN analisou em profundidade a deterioração das maiores e segundas maiores instalações médicas da faixa, Al-Shifa e Al-Quds, até cessarem as operações em novembro. Desde então, o Al-Shifa retomou alguns serviços.

    Área do hospital Al-Ahli após ataque israelense na Cidade de Gaza / 18/12/2023 REUTERS/Mohammed Al-Masri

    As autoridades israelenses afirmam que ambos os hospitais foram usados pelo Hamas para fins militares. As FDI publicaram imagens de um poço de túnel e equipamento militar que disseram que suas forças encontraram dentro do complexo Al-Shifa e um vídeo do que parecia ser um homem armado do lado de fora do hospital Al-Quds. O Hamas e as autoridades hospitalares negaram que o grupo militante tenha operado dentro das instalações.

    Tomados em conjunto, os dois hospitais refletem as semelhanças observadas pela CNN ao analisar as provas dos primeiros dois meses da guerra: que o que deveriam ser instalações protegidas estão sendo bombardeadas, cercadas e alvejadas por tanques, e que a infraestrutura circundante, ambulâncias e estradas estão sendo atingidas, afetando os esforços para tratar pacientes, evacuar instalações e prestar ajuda.

    Vários dos hospitais avaliados como parte dessa análise, incluindo Al-Shifa e Al-Quds, parecem ter sido atacados por Israel, de acordo com imagens de fragmentos de munições, grandes crateras de impacto, tanques, buracos de projéteis de tanques e rastros de veículos fortemente blindados. Especialistas que analisaram as imagens disseram que as consequências foram consistentes com os danos causados por armamento militar de alta qualidade usado pelas FDI.

    Uma investigação anterior da CNN determinou que um foguete palestino que falhou disparado de Gaza foi provavelmente a causa de uma explosão mortal no hospital Al-Ahli al-Arabi, também conhecido como hospital Batista, em 17 de outubro.

    Em outros casos, não foi possível determinar a responsabilidade pelos ataques.

    As FDI disseram repetidamente que não têm como alvo hospitais, mas admitiram ter respondido ao fogo em algumas instalações, incluindo o Al-Quds.

    Em resposta à análise da CNN, as FDI disseram que os ataques contra alvos próximos a hospitais “passam por um processo de planejamento completo”, para garantir que as munições escolhidas mitiguem os danos aos civis e à infraestrutura civil, e que qualquer ataque que se espera que danifique acidentalmente os hospitais “é aprovado pelo altos escalões de comando”.

    “Nossas forças no terreno sabem onde estão esses hospitais e os acenos positivos são levados em consideração quando estão operando”, disse um consultor jurídico das FDI à CNN sobre o processo. “Mas no final das contas, enquanto o Hamas continuar a usar esses hospitais e instalações para as operações militares, e o nosso objetivo for derrotar militarmente o Hamas, não há absolutamente nenhuma escolha senão ir para lá”.

    Os hospitais e outros estabelecimentos médicos são bens civis protegidos pelo Direito Internacional Humanitário. É ilegal, com poucas exceções, atacar hospitais, ambulâncias ou outras instalações de saúde, ou impedi-los de qualquer outra forma de prestar atendimento.

    Um hospital só pode perder o seu estatuto de proteção especial se for utilizado por um grupo armado para atos que sejam “prejudiciais ao inimigo”. Mas, mesmo que um hospital perca o seu estatuto especial, os feridos e doentes no seu interior continuam protegidos pelo princípio da proporcionalidade. Um aviso deve ser dado e haver tempo para uma evacuação segura antes de realizar um ataque.

    “Em muitos casos, é impossível evacuar todos de um hospital, por isso ainda há pessoal médico e pacientes lá dentro”, disse Cordula Droege, diretora jurídica do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), à CNN. “A responsabilidade recai sobre o agressor… de tomar todas as precauções para evitar que sofra danos”.

    Hospital Al-Quds

    Israel apelou repetidamente à evacuação de 22 hospitais no norte de Gaza. Mas os médicos que trabalham nos hospitais, bem como as organizações internacionais, afirmaram que a evacuação de pacientes e funcionários feridos é incrivelmente perigosa, se não impossível, no meio dos combates.

    Palestinos feridos em ataques israelenses abrigam-se em macas e no chão do Hospital Shuhada Al-Aqsa em Deir Al-Balah, no centro da Faixa de Gaza / 03/01/2024 REUTERS/Mohammed Al-Masri

    Israel ordenou primeiro que o hospital Al-Quds na cidade de Gaza, administrado pela Sociedade do Crescente Vermelho Palestino (PRCS), fosse evacuado em 14 de outubro, de acordo com a organização humanitária.

    O grupo, afiliado ao CICV, disse que não poderia evacuar os 500 pacientes do hospital – especialmente os que estão na UTI e os bebês nas incubadoras – nem poderia transferir 12 mil pessoas deslocadas, muitas delas mulheres e crianças, que procuraram refúgio lá.

    A CNN utilizou um modelo 3D para reconstruir os ataques no hospital Al-Quds e nas proximidades, com base em vídeos e imagens verificadas das redes sociais, bem como em imagens aéreas compartilhadas pelas FDI.

    Em 18 de outubro, Al-Quds foi abalado por ataques aéreos a cerca de 100 metros de distância. Vídeos filmados no hospital mostraram uma explosão iluminando o céu noturno e um prédio próximo sendo atingido, enquanto as pessoas se amontoavam na entrada principal do hospital.

    Mais ataques foram relatados perto do hospital em 22 de outubro. No mesmo dia, Saleem Aburas, um coordenador de ajuda humanitária do PRCS, compartilhou imagens do exterior de Al-Quds mostrando fragmentos que ele disse serem de “mísseis do exército de ocupação”.

    Saleem Aburas, um coordenador de ajuda humanitária do Crescente Vermelho, compartilhou imagens do exterior do hospital Al-Quds, em Gaza, mostrando fragmentos que ele disse serem de “mísseis do exército de ocupação” / Sociedade do Crescente Vermelho Palestino

    Marc Garlasco, conselheiro militar da organização holandesa PAX for Peace e ex-investigador de crimes de guerra da ONU, disse que pareciam restos de uma munição aérea de nível militar, e não um foguete do Hamas.

    Patrick Senft, coordenador de pesquisa do Armament Research Services (ARES), disse que os fragmentos eram provavelmente de “projéteis altamente explosivos disparados de tanques ou armas de artilharia”, que poderiam ter sido disparados de “algo como um tanque de guerra principal, mas também algo como um obus autopropelido”.

    Uma semana depois, em 29 de outubro, outro ataque atingiu Al-Quds a vários metros de distância. Imagens do interior mostraram janelas quebradas, vidros quebrados e escombros, e pessoas saindo correndo de salas cheias de fumaça, tossindo e cobrindo a boca. Lá fora, uma nuvem de fumaça subia do local.

    O Crescente Vermelho disse que Israel o alertou para evacuar antes do bombardeio e alegou que estava atacando deliberadamente “próximo ao Al-Quds” para forçar a saída das pessoas. As FDI disseram à CNN que haviam emitido vários avisos de evacuação. Bashar Mourad disse que não havia rotas seguras para fugir e que as ambulâncias que tentavam se mover para o sul foram alvo de fogo de artilharia.“Os bombardeios estão ocorrendo ao nosso redor”, disse Mourad à CNN.

    À medida que as forças terrestres de Israel se aproximavam da Cidade de Gaza, as explosões em torno do Al-Quds tornaram-se uma ocorrência quase diária.

    Em 2 de novembro, o Crescente Vermelho disse que veículos militares israelenses cerca de um quilômetro ao sul do hospital dispararam ogivas “indiscriminadamente”, ferindo duas pessoas que estavam do lado de fora e penetrando no sexto andar do hospital, compartilhando uma foto do que Garlasco disse parecer ser um morteiro não detonado embutido em uma parede interna.

    Morteiro não detonado embutido em uma parede interna do hospital Al-Quds, em Gaza / Sociedade do Crescente Vermelho Palestino

    Um dia depois, o Crescente Vermelho disse que pelo menos 21 pessoas ficaram feridas no Al-Quds quando as paredes internas de vidro quebraram e parte do teto caiu devido aos ataques israelenses. Explosões foram relatadas nas proximidades nos dias 4 e 5 de novembro, com vídeos mostrando as consequências, incluindo um prédio que foi destruído a alguns quarteirões de distância e vidros quebrados dentro da UTI.

    As FDI divulgaram imagens aéreas em 7 de novembro mostrando um ataque a um prédio, que alegaram ser um depósito de armas do Hamas, e que a CNN localizou geograficamente a pouco mais de 100 metros do hospital Al-Quds. Parecia ser o mesmo bloco atingido em 5 de novembro.

    A CNN revisou imagens de satélite do Al-Quds e arredores durante outubro e novembro. No dia 7 de novembro, quando as pessoas ainda estavam abrigadas ali, o hospital estava cercado por edifícios danificados e grandes crateras.

    Garlasco disse que uma grande cratera a oeste do hospital parecia o resultado de uma munição guiada com precisão e era consistente com as consequências de uma Munição Conjunta de Ataque Direto (JDAM) de 453 quilos ou de artilharia de precisão usada pelas FDI.

    Em 10 de novembro, o Crescente Vermelho disse que uma pessoa foi morta e outras 28 ficaram feridas, a maioria delas crianças, quando as forças israelenses abriram fogo contra a UTI do hospital. O grupo disse que bombardeios contínuos destruíram ruas próximas, bloqueando a entrada de ajuda e evacuações do hospital. Em meio a cortes de energia causados pela escassez de combustível, vídeos mostraram médicos operando com lanternas.

    As FDI divulgaram imagens em 13 de novembro que diziam mostrar um grupo de homens armados na entrada do hospital Al-Quds, pelo menos um dos quais parecia estar carregando um lançador de granadas propelido por foguete.

    Israel disse em um comunicado que suas forças mataram “aproximadamente 21 terroristas” quando responderam ao fogo depois que os militantes atiraram contra seu tanque no hospital, acrescentando que civis foram vistos saindo do hospital durante a troca.

    Palestinos se abrigam no hospital Al Shifa, em Gaza
    Palestinos se abrigam no hospital Al Shifa, em Gaza 7/11/2023 REUTERS/Stringer/Arquivo / 7/11/2023 REUTERS/Stringer/Arquivo

    O Crescente Vermelho condenou as “falsas alegações” de Israel e disse que nenhum indivíduo armado operava no Al-Quds. Um vídeo compartilhado por Aburas, o coordenador de ajuda do PRCS, mostrou um tanque israelense disparando contra o Al-Quds a partir do mesmo local retratado nas imagens das FDI. A pessoa que filmava se afastou da janela enquanto uma mulher chorava ao fundo.

    O hospital Al-Quds encerrou as operações em 13 de novembro. Pouco depois, imagens mostraram centenas de pessoas fugindo a pé para o sul, algumas delas carregadas em macas.

    Quando questionado sobre como Israel avalia a proporcionalidade ao considerar atacar hospitais, o consultor jurídico das FDI disse à CNN: “Na nossa situação, essa [proporcionalidade] é quase irrelevante, porque, no geral, não conduzimos ataques contra hospitais”.

    “Houve um número muito pequeno de ocasiões em que, devido a uma ameaça imediata à vida dos nossos soldados, tivemos que disparar contra hospitais”, acrescentou o consultor jurídico, referindo-se ao Al-Quds.

    Craig Jones, professor da Universidade de Newcastle, no Reino Unido, rejeitou a noção de que a proporcionalidade possa não ser relevante, dizendo que a regra se aplica sempre que um objetivo militar é objeto de um ataque. Para o seu livro, “The War Lawyers”, Jones examinou as leis da guerra aplicadas por advogados militares às operações direcionadas realizadas pelas FDI em Gaza.

    “Eles são cálculos cuidadosos e deliberados que acontecem nos bastidores. E acho que vale a pena enfatizar que grande parte da morte e destruição que vemos, incluindo danos aos hospitais, é conhecida antecipadamente”, disse Jones à CNN, acrescentando que o dano é uma escolha calculada, não uma inevitabilidade.

    Dois meses de cerco deixaram o Hospital Al-Quds cercado por edifícios destruídos, mostraram imagens de satélite. Algumas das crateras circundantes foram cobertas por rastros de veículos blindados / 26/11/2023/Maxar Technologies

    Hospital Al-Shifa

    Cerca de 2,6 quilômetros a norte de Al-Quds, o maior hospital de Gaza, Al-Shifa, emergiu como outro ponto de conflito. Israel disse que um centro de comando do Hamas fica embaixo do complexo médico e que o grupo o usou para manter reféns, pedindo repetidamente a evacuação do hospital. O Hamas negou as acusações, assim como as autoridades de saúde que trabalham lá.

    Nas primeiras semanas da guerra, o número de pacientes no Al-Shifa aumentou. Ghassan Abu-Sittah, um cirurgião britânico-palestino que trabalhava no hospital, disse à CNN em 3 de novembro que ele funcionava com apenas um gerador.

    “A menos que haja eletricidade, este hospital se transformará em uma vala comum”, disse ele. “É simples assim: se não conseguirmos manter os ventiladores funcionando, se não pudermos levar nossos pacientes gravemente feridos de volta à sala de cirurgia, então não há nada para esse lugar a não ser vir e morrer”.

    No mesmo dia, um ataque aéreo israelense atingiu um comboio de ambulâncias, que as autoridades hospitalares disseram estar sendo utilizadas para evacuar os feridos, incluindo uma fora da entrada de Al-Shifa, matando 15 pessoas e ferindo outras 60. Vídeos do local, verificados pela CNN, mostraram cerca de uma dúzia de pessoas ensanguentadas e imóveis.

    Garlasco, que analisou as imagens, disse que a fragmentação cúbica podia ser vista na porta da ambulância, bem como nas roupas das pessoas mortas e feridas, o que era consistente com as consequências de um míssil teleguiado antitanque israelense Spike.

    As FDI disseram que tinham como alvo a ambulância porque ela estava “sendo usada por uma célula terrorista do Hamas”, acusando o grupo de transferir militantes e armas em ambulâncias, mas não apresentaram provas. O Hamas rejeitou as alegações como “infundadas”.

    Área do hospital Al-Shifa em Gaza / Arte/CNN

    À medida que os ataques e os combates se intensificavam, milhares de habitantes de Gaza deslocados procuravam segurança em Al-Shifa. Imagens de satélite de 7 de novembro mostraram lonas azuis e brancas no pátio e no estacionamento do hospital, onde as pessoas montaram abrigos improvisados. Os vídeos mostram multidões de pessoas amontoadas lá dentro, dormindo em corredores e escadas.

    No dia 10 de novembro, pouco depois da 1h da manhã, um projétil cruzou o céu e caiu no pátio. As imagens do rescaldo mostraram um homem com a perna mutilada, gritando de dor e sangue espalhado pelo concreto.

    Foi o primeira de vários ataques naquela manhã em diferentes pontos do complexo, incluindo a maternidade e o ambulatório do hospital. Munir Al-Bursh, diretor-geral do Ministério da Saúde de Gaza, administrado pelo Hamas, disse à CNN que houve 15 vítimas nos ataques e que os corpos estavam se acumulando, mas não podiam ser enterrados. Cerca de 400 pacientes e 20 mil pessoas deslocadas ainda estavam dentro das instalações médicas, disse ele.

    Os militares israelenses alegaram que um projétil lançado por militantes palestinos e direcionado às tropas das FDI que operavam na área atingiu o hospital. Mas pelo menos dois dos projéteis que atingiram o local pareciam ter sido munições israelenses, segundo imagens verificadas pela CNN e revisadas por especialistas.

    Em um dos primeiros vídeos filmados após o ataque ao pátio, podiam ser vistas pessoas sondando um resto de munição que, segundo Garlasco, parecia ser uma munição de artilharia de iluminação israelense.

    O que é uma artilharia de iluminação?

    US Army, Saleh Aljafarawi

    A bomba é disparada e, em seguida, libera um recipiente iluminador com um paraquedas acoplado, que ilumina as áreas-alvo à noite.

    Outro vídeo capturou um pedaço de metal em meio a escombros na maternidade, que foi atingida algumas horas depois. Senft disse à CNN que os restos e danos estruturais eram “consistentes com a montagem da cauda de vários projéteis de tanques israelenses”, mas acrescentou que sem os restos da ogiva não era possível determinar o tipo de projétil do tanque. Garlasco disse que as barbatanas da cauda pareciam ser de projéteis explosivos de tanques israelenses de 120 milímetros de altura.

    Projétil de tanque altamente explosivo israelense

    Elbit Systems, Saleh Aljafarawi

    Projetado para derrotar veículos blindados médios e leves e infantaria, tem um alcance efetivo de mais de 4 quilômetros.

    Outro ataque atingiu a maternidade depois das 8h, destruindo grande parte do andar superior do prédio, o que foi visto em imagens do rescaldo e em imagens de satélite.

    “A destruição da parede externa combinada com a fragmentação e o buraco de entrada da cauda são todos indicativos de um tanque de 120 milímetros”, disse Garlasco. “Esses projéteis têm um alcance de 4 mil metros e muitas vezes penetram excessivamente em áreas urbanas, o que significa que é possível que as FDI tenham se envolvido com o Hamas a alguma distância do hospital e tenham errado seus alvos ou os disparos tenham continuado até atingirem o hospital”.

    Por volta das 10h, um projétil atingiu o ambulatório, próximo à maternidade. As imagens mostraram um buraco no telhado de metal corrugado que cobre uma área onde pessoas deslocadas estavam abrigadas, e um homem deitado imóvel no chão. Garlasco e Senft, os especialistas em armas, disseram que não poderiam ser definitivos sobre o que causou o ataque com base apenas no buraco da explosão.

    Ashraf al-Qidra, porta-voz do Ministério da Saúde de Gaza, que estava em Al-Shifa na época, disse em 11 de novembro que a UTI e o departamento pediátrico do hospital também haviam sido atingidos e que os médicos estavam tendo que transferir pacientes dentro do complexo à medida que as greves continuavam.

    Imagens e fotos mostraram dezenas de bebês prematuros sendo retirados das incubadoras da unidade neonatal depois que o suprimento de oxigênio acabou, embrulhados em papel alumínio para os manterem aquecidos.

    Bebês recém-nascidos retirados de incubadoras e colocados juntos em uma cama / Khader Al Za’anoun/CNN

    Khader Al Za’anoun, jornalista freelancer da agência de notícias palestina WAFA, que estava no hospital, enviou à CNN dezenas de vídeos e fotos mostrando a deterioração do complexo. Uma das imagens capturou as consequências dos ataques na UTI, que estava coberta de poeira e escombros. Buracos eram visíveis nas paredes, consistentes com a forma deixada pelos mísseis dos tanques israelenses, disse Garlasco à CNN.

    Nos dias seguintes, sob chuva torrencial, Al Za’anoun gravou pessoas no hospital cavando sepulturas no pátio, trazendo os corpos para o enterro.

    Em uma série de vídeos, uma menina de 10 anos, Sumaiyah Al-Hossary, é vista seguindo o corpo de sua mãe enquanto ela era carregada para fora em uma maca, enrolada em um cobertor azul com flores brancas e marcada com seu nome com fita. Com o celular na mão, Al-Hossary filmou o enterro de sua mãe antes de colocar uma folha sobre seu túmulo.

    A mesma vala comum foi observada por uma equipe da OMS que liderou uma missão ao Al-Shifa uma semana depois. Eles disseram que foram informados de que mais de 80 pessoas foram enterradas lá e descreveram o hospital como uma “zona de morte”.

    O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse em entrevista à CNN em 12 de novembro que “não havia razão” para que os pacientes não pudessem ser evacuados de Al-Shifa depois que as FDI abriram um corredor de evacuação no lado leste do hospital. Mas os médicos disseram que recusaram as ordens de evacuação das FDI por medo do que aconteceria aos seus 700 pacientes em risco.

    Em 15 de novembro, tanques israelenses cercaram o Al-Shifa. Imagens de satélite mostraram que grandes áreas ao norte e ao sul do hospital foram demolidas antes do ataque. Um médico disse à CNN que as FDI deram um aviso de 30 minutos antes de invadirem o complexo.

    O jornalista palestino Al Za’anoun disse que as forças israelenses “invadiram o hospital com um grande número de soldados e veículos militares, incluindo tanques, veículos blindados, transportadores de tropas e escavadeiras”, acrescentando que estavam impedindo qualquer pessoa de sair.

    As FDI não responderam ao pedido da CNN para comentar a reportagem, mas disseram que a sua operação em Al-Shifa envolveu a entrada de tropas a partir do solo “para minimizar” a interferência nos cuidados médicos e limitar os danos aos pacientes ou ao pessoal médico.

    Um funcionário do alto escalão da inteligência dos EUA disse à CNN que os EUA corroboraram informações de forma independente sugerindo que o Hamas e outros militantes de Gaza estavam usando o hospital Al-Shifa como centro de comando, mas acrescentou que os membros do Hamas haviam evacuado em grande parte dias antes do ataque das FDI.

    Dias depois, soldados israelenses ainda estavam dentro do complexo realizando buscas e interrogatórios, e os oficiais disseram ter encontrado rifles, munições e outros equipamentos militares no interior.

    “Eles estão dentro do hospital agora, são tropas, na minha frente enquanto eu falo. Podemos vê-los verificando e revistando essa parte do hospital”, disse um cirurgião plástico sênior do Al-Shifa, Dr. Ahmed El Mokhallalati, acrescentando que a equipe estava sendo questionada sobre o Hamas.

    O diretor do hospital, Dr. Mohammed Abu Salmiya, foi detido e posteriormente preso junto com vários outros funcionários de saúde.

    Médicos e outras pessoas cavam uma vala comum no pátio do Hospital Al-Shifa em Gaza em 14 de novembro de 2023 / Khader Al Za’anoun/CNN

    Em 19 de novembro, as FDI divulgaram imagens mostrando um poço de túnel e uma entrada para o que chamou de “instalação subterrânea”, que disse que iria demolir. As FDI também levaram a CNN e outras organizações de notícias para mostrar o poço no terreno de Al-Shifa. Mas as evidências não estabeleceram sem dúvida que havia um centro de comando embaixo do hospital.

    Depois de semanas sob cerco, os civis que ficaram presos dentro de Al-Shifa finalmente começaram a sair, fugindo para o sul de Gaza, mostraram imagens. O Crescente Vermelho disse que 31 bebês prematuros foram evacuados com sucesso do hospital para o Egito para tratamento médico.

    Volker Türk, alto comissário da ONU para os direitos humanos, disse que os acontecimentos em Al-Shifa são inacreditáveis e que, embora centenas de pessoas tenham fugido do hospital, “nenhum lugar é seguro em Gaza”.

    “As regras do direito humanitário internacional, incluindo os princípios de distinção, proporcionalidade e precauções na realização dos ataques, devem ser rigorosamente respeitadas”, disse Türk. “O não cumprimento dessas regras pode constituir crimes de guerra”.

    Como a CNN fez essa matéria

    Para essa investigação, a CNN determinou que 20 dos 22 hospitais no norte de Gaza foram danificados ou destruídos nos primeiros dois meses da guerra de Israel contra o Hamas, de 7 de outubro a 7 de dezembro, com base em vários dados. A CNN analisou 45 imagens de satélite fornecidas pela Maxar Technologies e Planet Labs, e cerca de 400 vídeos verificados nas redes sociais e compartilhados diretamente por Khader Al Za’anoun, um jornalista freelance no local.

    As imagens de satélite mostraram crateras perto de 11 hospitais com mais de 12 metros de diâmetro, o que é consistente com aquelas deixadas por bombas de 907 quilos. As munições foram lançadas perto o suficiente para que os hospitais ficassem dentro do raio de fragmentação letal, que é de até 365 metros. Dois dos hospitais foram completamente destruídos.

    A CNN compartilhou as imagens e vídeos de satélite com especialistas em armas que as avaliaram em busca de evidências de ataques diretos ou indiretos, com base em fragmentos de munições, grandes crateras de impacto, tanques, buracos de projéteis de tanques e rastros de veículos fortemente blindados.

    Quatorze hospitais foram atingidos diretamente. Vários, incluindo Al-Shifa e Al-Quds, parecem ter sido atacados por Israel. Essa análise foi apoiada por entrevistas com médicos, testemunhas oculares e organizações humanitárias.

    *Com informações de Livvy Doherty, Henrik Pettersson, Byron Manley e Lou Robinson, da CNN.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original