Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Como um presente de natal causou uma invasão biológica devastadora na Austrália

    Novo estudo sugere que descendentes de 24 coelhos ingleses introduzidos no país por um homem em 1859 causam ainda hoje problemas ambientais e econômicos

    Uma colônia de coelhos selvagens na Austrália.
    Uma colônia de coelhos selvagens na Austrália. Brendan Beirne/Shutterstock

    Heather Chenda CNN

    O que parecia ser um inocente presente de Natal, 24 coelhos ingleses, em 1859 se tornaria a “invasão biológica mais devastadora” da Austrália, de acordo com um novo estudo da Proceedings of the National Academy of Sciences.

    Os coelhos selvagens não são nativos da Austrália e são considerados uma espécie invasora. Os agricultores dizem que os animais se multiplicam rapidamente e destroem suas plantações e terras, o que pode levar à erosão maciça do solo e outros problemas ambientais.

    “As invasões biológicas são uma das principais causas de problemas ambientais e econômicos”, escreveram os pesquisadores.

    “A colonização da Austrália pelo coelho europeu é uma das invasões biológicas mais icônicas e devastadoras da história registrada”.

    Usando relatos históricos, os pesquisadores conseguiram reunir evidências genéticas ligando essa invasão a coelhos ingleses importados em 1859 por um colono chamado Thomas Austin, rastreando a população até o local de nascimento de Austin na Inglaterra.

    De acordo com os registros, Austin começou com apenas 24 coelhos em sua extensa propriedade em Melbourne. Mas, em três anos, os animais se multiplicaram aos milhares – e continuaram a se reproduzir, observaram os pesquisadores.

    “Nossas descobertas mostram que, apesar das inúmeras introduções na Austrália, foi um único lote de coelhos ingleses que desencadeou essa invasão biológica devastadora – cujos efeitos ainda são sentidos hoje”, disse o principal autor Joel Alves, também pesquisador do Universidade de Oxford.

    “Esse único evento desencadeou essa enorme catástrofe na Austrália; a taxa de colonização mais rápida para um mamífero introduzido já registrada.”

    fotografia de coelhos selvagens bebendo água de um lago
    Coelhos selvagens se reúnem para beber. / Bettann Archive/Getty Images

    Embora Austin não tenha sido a primeira pessoa a introduzir coelhos na Austrália – cinco dos animais estavam a bordo da Primeira Frota de navios britânicos que chegaram em Sydney em 1788 e pelo menos mais 90 importações foram feitas nos 70 anos seguintes – foi o descendente de seus 24 coelhos que viriam a dominar o continente, segundo o estudo.

    O estudo concluiu que quase todos os 200 milhões de coelhos selvagens da Austrália podem ser atribuídos ao fatídico presente recebido em 1859.

    “A mudança ambiental pode ter tornado a Austrália vulnerável à invasão”, disseram os pesquisadores. “Mas foi a composição genética de um pequeno grupo de coelhos selvagens que desencadeou uma das invasões biológicas mais icônicas de todos os tempos.”

    Os pesquisadores também estudaram como a população de coelhos conseguiu sobreviver e prosperar na natureza selvagem da Austrália.

    A análise genética revelou que, ao contrário dos coelhos australianos anteriores, que apresentavam características domesticadas como “mansidão, orelhas caídas e pelos coloridos”, os coelhos descendentes da ninhada de Austin tinham uma grande quantidade de ascendência selvagem.

    “Se os animais são criados para domesticação, uma das coisas que faltam é o comportamento anti-predador, que é aprendido e também evoluído”, disse o coautor do estudo, Mike Letnic, da Universidade de New South Wales.

    Coelhos considerados pragas ocorreram várias vezes em partes da Austrália por décadas. O continente ainda está lutando contra sua população de coelhos selvagens hoje.

    O relatório, disseram os pesquisadores, mostrou a importância de manter a biossegurança rigorosa na Austrália.

    “Essas descobertas são importantes porque as invasões biológicas são uma grande ameaça à biodiversidade global e, se você deseja evitá-las, precisa entender o que as faz ter sucesso”, disseram os pesquisadores.

    “O evento serve como um lembrete de que as ações de apenas uma pessoa, ou algumas pessoas, podem ter um impacto ambiental devastador.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original