Conflitos atuais dão fim à ordem mundial atual; entenda por quê

Segundo especialistas, superpotência americana está sendo testada no mundo todo, enquanto Rússia quer despejar os EUA da Europa

Presidentes dos Estados Unidos, Joe Biden, e da Rússia, Vladimir Putin, durante encontro em Genebra
Presidentes dos Estados Unidos, Joe Biden, e da Rússia, Vladimir Putin, durante encontro em Genebra 16/06/2021 REUTERS/Denis Balibouse/Pool

Zachary B. Wolfda CNN

Ouvir notícia

Esse é um momento confuso quando se trata de assuntos mundiais, com o governo americano explicando, por um lado, por que era hora de sair do Afeganistão, mas, por outro, por que também é hora de defender a Ucrânia.

É um momento em que os americanos querem seus militares menos comprometidos no exterior. A Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) está sentindo o calor aumentar. Autocracias de olho na expansão, como a Rússia e China, estão ficando mais ousadas e agindo como aliadas.

A era dos Estados Unidos da América, a superpotência, está sendo testada de novas maneiras em todo o mundo.

Europa Oriental

Exatamente 30 anos após a queda da União Soviética, a Rússia está manobrando para invadir ainda mais a Ucrânia, uma de suas ex-repúblicas. A Otan, em um crescimento pós-soviético, é a vítima do presidente russo Vladimir Putin.

O governo Biden colocou 8.500 soldados dos Estados Unidos em alerta intensificado para serem mandados à Europa Oriental, como forma de dissuadir a Rússia e garantia para os países da Otan.

Europa Ocidental

A influência americana precisa de reforço. Para unificar os países da Otan contra a Rússia, os EUA também estão desempenhando o papel de intermediários da energia, buscando garantias de combustível do Oriente Médio e da Ásia para diminuir a influência da Rússia como principal fornecedor de gás natural para a Alemanha.

Ásia

A China está testando a autonomia de Taiwan, a ilha autônoma que ela cobiça há muito tempo, com repetidas missões da força aérea nas proximidades de Taiwan. A maior incursão deste ano ocorreu um dia depois que os EUA, junto com o Japão, moveram uma flotilha de navios da Marinha para o Mar das Filipinas como parte de um exercício de treinamento.

Enquanto isso, isolada do mundo, a Coreia do Norte aumentou seus testes de mísseis.

Testes de mísseis da Coreia do Norte em 2022 / KRT/Reuters

Oriente Médio

Bases que abrigam tropas americanas no Iraque e na Síria foram atacadas este ano. Esta semana, as defesas antimísseis Patriot, dos EUA, se juntaram aos Emirados Árabes Unidos para interceptar mísseis disparados pelos rebeldes houthis do Iêmen, que atingiram a Base Aérea de Al Dhafra, nos Emirados Árabes Unidos, onde estão abrigadas tropas dos EUA.

E ainda tem o Irã. Depois que os EUA, sob o então presidente Donald Trump, detonaram com o acordo internacional destinado a interromper a escalada nuclear do país, o Irã pode estar se aproximando cada vez mais das armas nucleares.

O papel dos EUA

Todas essas situações estão sendo elaboradas há anos, mas a questão emergente é qual será o papel que os Estados Unidos vão desempenhar daqui para frente.

O impasse sobre a Ucrânia sugere que os oponentes dos EUA percebem fraqueza e veem uma abertura agora.

“Os crescentes desafios para a autoridade dos EUA surgem em um momento em que há uma percepção generalizada no exterior de que Washington não é mais o poder que era na segunda metade do século 20”, diz Stephen Collinson, da CNN.

Ele acrescenta: “Apesar das garantias de Biden de que ‘A América está de volta’, a retirada caótica do Afeganistão no ano passado levantou questões sobre a competência e o compromisso dos EUA. Os adversários dos EUA sabem que os americanos estão exaustos após 20 anos de guerra no exterior, um fator que pode levar alguns a calcular que Washington poderia vacilar em suas obrigações estratégicas por razões políticas”.

Na linha de frente, ucranianos se preparam para possível ataque

O fator Putin

Putin está direta ou indiretamente envolvido na maioria dessas questões – da Ucrânia, passando pela Síria, e à Ásia.

Escrevi, na semana passada, que ninguém sabe ao certo o que Putin está procurando. Mas Fiona Hill, pesquisadora sênior da Brookings Institution e ex-especialista em Rússia na Casa Branca, argumenta convincentemente no The New York Times que ela sabe exatamente o que ele quer, pelo menos em termos da Ucrânia: Putin “quer despejar os Estados Unidos da Europa”.

Ela escreve: “Como se ele pudesse dizer assim: ‘Adeus, América. Não deixe a porta bater em você na saída’”.

Jill Dougherty, especialista em Rússia e ex-chefe do escritório da CNN em Moscou, concordou. “Eles querem refazer o fim da Guerra Fria”, disse ela na terça-feira no “Novo Dia”. E a blitz da mídia estatal russa está ajudando a moldar as atitudes do público nesse terreno.

De acordo com Hill, Putin sente que o poder americano está diminuindo. Ele “acredita que os Estados Unidos estão atualmente na mesma situação em que a Rússia estava após o colapso soviético: gravemente enfraquecido em casa e em retirada no exterior”.

O impasse na Ucrânia, ela escreve, deve ser enfrentado com força dos EUA, uma vez que repercutirá em todo o mundo.

Ela argumenta que, além de desafiar a Otan, a agressividade de Putin na Ucrânia ameaçaria “todo o sistema da ONU e colocaria em perigo os arranjos que garantiram a soberania dos estados membros desde a Segunda Guerra Mundial – semelhante à invasão do Kuwait pelo Iraque em 1990, mas em escala ainda maior”.

O Ocidente não está totalmente unido contra a Rússia

Apesar de todas as apostas geopolíticas, a influência econômica de Putin foi o que desacelerou a união da Europa contra as ações dele.

Na CNN Business de Londres, Ivana Kottasová escreve que o gasoduto submarino Nord Stream 2 de gás natural da Rússia até a Alemanha, contornando a Ucrânia, tornou-se uma rachadura na crise geopolítica.

A Alemanha não prometeu mandar armas para a Ucrânia como outras democracias ocidentais. E demorou para incluir o gasoduto nas conversas sobre sanções contra a Rússia.

“Dado que o objetivo da Rússia é dividir todo mundo, se eles estão tentando romper a unidade da União Europeia e da Otan, este gasoduto tem sido um caminho maravilhoso”, disse Kristine Berzina, membro sênior do German Marshall Fund dos Estados Unidos. Unidos, para Kottasová.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN