Conheça a cowgirl negra que incentiva crianças a ler

Caitlin Cooch criou projeto sem fins lucrativos para melhorar taxas de alfabetização de crianças da Carolina do Norte

Caitlin Gooch criou o SUAR com o objetivo de melhorar as taxas de alfabetização da região onde morava
Caitlin Gooch criou o SUAR com o objetivo de melhorar as taxas de alfabetização da região onde morava Foto: Brandi Alexis Photography

Giulia Heyward e Ralph Ellis, da CNN

Ouvir notícia

A única coisa melhor do que receber um livro é receber um livro entregue a cavalo.

A fundadora da Saddle Up And Read (SUAR, na sigla em inglês; na tradução livre, “Sele o Cavalo e Leia”), Caitlin Gooch, literalmente monta a sela em um dos cavalos de sua família e visita escolas primárias, bibliotecas e grupos de jovens para incentivá-los a ler. A organização sem fins lucrativos em Wendell, Carolina do Norte, também organiza campanhas de livros e competições de leitura em toda a escola.

Gooch, 28, diz que se inspirou nas taxas abismais de alfabetização infantil do estado.

“Isso significa muito para mim porque ninguém está olhando, ninguém está realmente olhando para as taxas de alfabetização”, disse ela, que é mãe de três meninas, à CNN. “E é por isso que estou fazendo isso. As taxas são baixas e as crianças não estão lendo de acordo com nível de sua série.”

Apenas 36% dos alunos da quarta série no estado lêem em um nível proficiente ou superior, de acordo com o Boletim do Nação do ano passado.

“Os cavalos não julgam”, disse Gooch. “Eles não gritam com você, eles não minam nenhum de seus pensamentos.”

Leia e assista também:

Hotéis do Rio de Janeiro ganham certificação para receber pets como hóspedes

‘Deise do Tombo’ encerra vaquinha online após arrecadar R$ 132 mil para vizinha

Para alguns alunos, os resultados da leitura não melhoram à medida que envelhecem.

Uma investigação da CNN de 2014 descobriu que alguns atletas universitários nos programas de basquete e futebol da Universidade da Carolina do Norte têm o mesmo nível de leitura que alunos da quinta série. Alguns deles não conseguiam ler nada.

O projeto SUAR está definitivamente chamando a atenção das pessoas.

Quando Gooch compartilhou a história de sua organização no Twitter, ela atingiu mais de 70.000 curtidas e quase 30.000 retuítes em uma semana e ganhou até um grito de apoio vindo de Oprah Winfrey.

“Agora que a situação é meio que ‘todos os olhos virados para mim’, definitivamente tenho uma oportunidade de fazer algo mais”, disse Gooch.

Ela convive com cavalos desde criança

Gooch já montava cavalos aos 3 anos.

Junto com dois de seus cinco irmãos, ela cresceu em uma fazenda de propriedade de seu pai, Donal Gooch.

Embora trabalhasse como vendedor de carros usados, ele construiu uma pista de corrida em sua fazenda de 87 acres, onde organizou corridas. Ele também criava cavalos de outras pessoas. Gooch conta que cresceu ao redor de cerca de 80 cavalos.

Aos três anos de idade, Gooch já andava a cavalo
Aos três anos de idade, Gooch já andava a cavalo
Foto: Cortesia/ Caitlin Gooch

“Quando eu era mais jovem, não percebi como era diferente minha maneira de crescer”, disse. “Não sabia que outras pessoas não viviam assim. Sou extremamente abençoada por ter crescido com cavalos.”

Então, a oportunidade de mostrar aos outros o que eles estavam perdendo se apresentou a ela.

Uma maneira de ajudar leitores com dificuldades

Em 2017, quando ela trabalhava em creches e grupos de jovens, percebeu que algumas das crianças mais novas tinham dificuldade para ler. Ela decidiu colaborar com uma biblioteca local: Qualquer aluno que retirasse mais de três livros seria inscrito em uma rifa. Cinco nomes seriam selecionados no sorteio e cada um ganharia uma viagem para visitar os cavalos na fazenda da família Gooch.

Foi um sucesso. Gooch expandiu seus serviços criando sua organização sem fins lucrativos.

Ela diz que arrecadou mais de US $ 20.000, doados por apoiadores em todo o mundo que querem ajudar a financiar uma instalação equestre e uma biblioteca interna para o SUAR.

A pandemia não a desacelerou

Embora Gooch, junto com seu marido e três filhos, morem agora em Chesapeake, Virginia, ela ainda viaja algumas horas todo fim de semana para continuar a fazer seu trabalho em Wendell.

Mesmo com a pandemia, o SUAR está coletando brinquedos e livros para crianças neste período de festas.

“No momento, por causa da forma como as coisas estão com a pandemia, não podemos trazer pessoas para a fazenda”, disse. “Mas pelo menos posso garantir que eles recebam os livros de que precisam.”

E embora a pandemia possa ter desacelerado as coisas, Gooch não vai parar tão cedo.

“Eu faço isso todos os dias. É minha vida inteira.”

Ela também representa outras cowgirls negras

Gooch com a melhor amiga Abriana Johnson em um evento da SUAR.

Gooch não está apenas incentivando as crianças a ler mais. Ela também está mostrando a eles que cavaleiros podem se parecer com ela.

A cowgirl coapresenta um podcast sobre prática equestre por negros e negras e recentemente lançou um livro chamado “Color & Learn Black Equestrian Coloring Book” (Livro Para Pintar e Aprender Sobre Equitação Negra, na tradução livre) com 12 pioneiros negros da área. Na internet, ela costuma ser chamada de “Black Cowgirl”.

“É incrível ser esse tipo de representação”, disse. “E estou feliz em compartilhar essas experiências.”

Gooch já está compartilhando seu amor por passeios a cavalo com o resto de sua família.

Embora seu marido, Jaquan Salaam, que está na Marinha, tenha montado um cavalo apenas uma vez na vida, ela diz que ele é “incrivelmente favorável” ao trabalho que realiza.

Suas filhas visitaram a fazenda da família e andaram a cavalo. O filho do meio já diz que crescer para ser igual à mãe.

Mais Recentes da CNN