Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Conhecido pela união entre moradores, kibutz no sul de Israel foi palco de massacre

    Kibutz Be'eri era uma comunidade de cerca de 1.100 pessoas, com muitas crianças, onde todos se ajudavam e dividiam trabalhos e lucros, mas proximidade com Gaza fez com que se tornasse alvo do Hamas

    Ivana KottasováLauren Izsoda CNN*

    As pessoas de Be’eri costumavam dizer por vezes que a razão pela qual o kibutz israelense estava tão perto da Faixa de Gaza era porque, caso contrário, seria perfeito demais.

    “Era uma piada, algo que costumávamos dizer porque Be’eri é tão linda. É o lugar onde você deseja que seus filhos cresçam. O pôr do sol é lindo, os campos são verdes, tem tudo o que você deseja de um local de férias”, disse Lotan Pinyan à CNN na quarta-feira (11).

    A proximidade de Be’eri com Gaza, que fica a apenas alguns quilômetros de distância, significa que a comunidade liberal tem sido um alvo frequente dos foguetes terroristas do grupo radical islâmico Hamas disparados do enclave – geralmente interceptados pelas defesas israelenses. Os foguetes eram a única desvantagem daquele local idílico, diriam Pinyan e seus amigos. “Não é mais uma piada agora”, disse ele.

    Na manhã de sábado (7), militantes do grupo radical islâmico Hamas atacaram Be’eri e deixaram para trás uma devastação de escala inimaginável. Eles assassinaram mais de 120 de seus residentes, incluindo crianças, e sequestraram outros. Eles incendiaram as casas das pessoas e depois as mataram quando elas tentavam escapar do calor e da fumaça. Eles saquearam, roubaram e destruíram o que puderam.

    Tudo começou com as sirenes.

    A comunidade de cerca de 1.100 pessoas foi acordada às 6h30, quando a sirene indicando um ataque iminente de foguete disparou.

    “Mas não era normal. Estamos habituados aos bombardeamentos, sabemos o que soa: ‘tat – tat – tat’ Mas isto foi diferente. Não parou. Tat – tat – tat – tat – tat – tat – tat”, disse Michal Pinyan, esposa de Lotan, à CNN. “E então, cerca de 45 minutos depois, começamos a receber mensagens de que havia terroristas no kibutz”, acrescentou Lotan.

    O grupo de WhatsApp da família foi inundado com mensagens ansiosas entre os pais de Michal, Amir e Mati Weiss, e seus três irmãos.

    Lotan e Michal Pinyan fotografados com sua família / Arquivo Pessoal/Lotan Pinyan

    9h25 – Mati: tiros na varanda
    9h26 – Ran: também aqui, há tiros do lado de fora da janela do abrigo
    9h30 – Mati: Ouço vozes em árabe do lado de fora de casa
    9h31 – Dalit: você também ouve as forças de segurança?
    9h43 – Amir: pai está ferido, eles estão dentro de casa
    9h43 – Ran: o que você quer dizer?
    9h44 – Dalit: eles entraram?
    9h44 – Lotan: o quê? fale conosco
    9h47 – Ran: Limor falou com Racheli, eles estão mandando algo para você
    9h49 – Michal: mãe continue escrevendo o tempo todo
    9h52 – Eddie: Quando????
    9h57 – Limor: Quando, o que está acontecendo com você?
    10h01 – Michal: mãe
    10h01 – Michal: resposta
    10h03 – Mati: salve-nos
    10h04 – Mati: salve-nos
    10h04 – Michal: você está no abrigo?
    10h04 – Mati: papai levou um tiro e eles estão jogando granadas
    10h04 – Mati: Eles explodiram o quarto seguro
    10h04 – Michal: dentro da casa?
    10h04 – Mati: sim

    Essa mensagem foi a última que veio de Mati, mãe de Michal. Depois disso, silêncio.

    “Sabíamos que eles provavelmente estavam mortos. Mas ainda havia uma pequena esperança de que talvez não estivessem, de que tivessem sido sequestrados”, disse Lotan.

    Integrantes do Hamas invadem kibbutz de Be'Eri, em Israel
    Integrantes do Hamas invadem kibbutz de Be’eri, em Israel / South First Responders

    “Já era tarde demais”

    Do outro lado do kibutz, Tom Hand recebia as mesmas mensagens aterrorizantes sobre terroristas invadindo as casas de seus vizinhos. Ele só conseguia pensar em sua filha Emily, de 8 anos – uma das mais altas da turma da escola, com cabelos loiros cor de mel e pele clara que bronzeava ao sol, uma dançarina e cantora talentosa, uma garota divertida e inteligente, disse ele.

    Hand veio para Be’eri há 30 anos como voluntário, planejando ficar alguns meses, e nunca mais saiu. Depois que sua esposa, a mãe de Emily, morreu de câncer há alguns anos, ele e Emily ficaram morando aqui sozinhos.

    A comunidade é muito unida; os moradores disseram à CNN que fazem as refeições juntos e compartilham tudo, inclusive os salários, que vão para um tesouro comunitário e são redistribuídos igualmente entre todas as famílias.

    Politicamente, o kibutz inclina-se para a esquerda. Muitos veem os habitantes de Gaza como seus vizinhos, disse Michal à CNN.

    “Havia pessoas de Gaza que trabalhavam no kibutz e faziam parte da comunidade, levavam os seus filhos para o jardim de infância do kibutz. Quando eles não puderam mais vir trabalhar lá, começamos a arrecadar dinheiro da comunidade e agora existe um fundo que os mantêm vivos”, disse ela, acrescentando que está determinada a continuar enviando o dinheiro para as famílias.

    Mapa destaque Be’eri, que fica a apenas cinco quilômetros da fronteira oriental de Gaza / Mapbox

    Na sexta-feira à noite, Emily foi passar a festa do pijama na casa da amiga. “Elas estavam tendo uma noite das meninas”, disse Hand.

    Quando as sirenes dispararam às 6h30 de sábado, Hand não ficou particularmente preocupado; os alarmes não são incomuns no kibutz. Emily estava dormindo na casa de uma amiga e ele tinha certeza de que as duas crianças estariam seguras.

    “Até eu ouvir os tiros. E já era tarde demais. Se eu soubesse… talvez pudesse ter corrido, pegado ela, pegado a amiga dela, pegado a mãe e trazido elas de volta para minha casa. Mas quando percebi o que estava acontecendo, já era tarde demais”, disse ele.

    Ele não conseguiu entrar em contato com elas e não pôde sair porque o kibutz já estava invadido por enxames de militantes fortemente armados.

    “Eu tive que pensar em Emily. Ela já perdeu a mãe, eu não podia arriscar que ela perdesse o pai também”, disse.

    Emily Hand, 8 anos, foi assassinada durante o ataque em Be’eri no sábado / Arquivo Pessoal/Tom Hand

    Enquanto isso, os Pinyans, chocados com o que entendiam estar acontecendo na casa dos seus pais, preparavam-se para a possibilidade de a sua casa poder ser o próximo alvo dos terroristas.

    Eles estavam dentro de quarto seguro deles, mas enfrentaram um problema. Sua porta não pôde ser trancada por dentro. Embora todas as casas israelenses construídas depois de 1993 devam ter um abrigo, estes quartos seguros são concebidos para resistir a uma explosão e não a uma incursão armada.

    “Sabíamos que tínhamos que manter a porta fechada, então pegamos tudo o que encontramos no quarto seguro, enrolamos na maçaneta, amarramos na janela e depois colocamos uma cadeira dentro e mantivemos bem apertado com um taco de beisebol”, disse Lotan.

    Ele passou as horas seguintes sentado perto da porta, segurando o taco contra ela, esperando que os militares israelenses viessem resgatá-los.

    O kibutz tem seu próprio esquadrão de emergência voluntário, com cerca de 15 pessoas que deveriam proteger a comunidade do perigo até a chegada do exército. Com uma base militar a poucos minutos de distância, todos pensavam que as Forças de Defesa de Israel chegariam a qualquer momento. Mas isso não aconteceu.

    “Ficamos à espera durante cerca de 20 horas, sem comida, sem água, sem banheiro”, disse Lotan. “E as crianças não pediram nada. Nem uma vez”, acrescentou Michal.

    Lotan e Michal Pinyan usaram um taco de beisebol para proteger a porta de seu quarto seguro / Arquivo Pessoal/Lotan Pinyan

    As Forças de Defesa de Israel disseram à CNN que levaram dias de intensa batalha para obter o controle do kibutz. Para resgatar os Pinyans, 15 soldados invadiram a casa, formaram um círculo fechado em torno da família e os levaram até um local seguro –enquanto a batalha ainda acontecia no kibutz, disse a família.

    Ao saírem, disse Lotan, ele cobriu os olhos das crianças para que não vissem os cadáveres.

    “Nós os vimos, todos eles, soldados, membros do kibutz e terroristas. Estavam espalhados por todo o kibutz, onde quer que íamos havia corpos”, disse Lotan.

    Esperando no Mar Morto

    Muitos dos que foram resgatados de Be’eri pelos militares foram evacuados para um hotel nas margens do Mar Morto. Entre eles estava Tom Hand, que passou os dias seguintes esperando para ouvir alguma coisa sobre Emily.

    Então, veio a notícia.

    “Duas pessoas do kibutz, uma equipe de médicos, psiquiatras, assistentes sociais… e eles contam para você. Suavemente, mas rapidamente, porque eles têm muita gente para atender”, disse ele, acrescentando que se sentiu aliviado.

    De todas as possibilidades horríveis, a morte parecia a menos dolorosa.

    “Ela estava morta. Eu sabia que ela não estava sozinha, ela não estava em Gaza, ela não estava em um quarto escuro cheio de Deus sabe lá quantas pessoas, empurradas de um lado para o outro… aterrorizadas a cada minuto de cada dia, possivelmente nos próximos anos. Portanto, a morte foi uma bênção”, disse ele à CNN, com a voz embargada e lágrimas escorrendo pelo rosto cansado e pálido.

    “Neste mundo louco, aqui estou eu com esperança de que minha filha esteja morta”, disse ele.

    Soldados israelenses carregam corpo de vítima de ataque realizado por militantes de Gaza no kibbutz de Kfar Aza, no sul de Israel / 10/10/2023 REUTERS/Violeta Santos Moura

    Muitas das pessoas resgatadas de Be’eri estão hospedadas no mesmo hotel que Hand, o que significa que ele está cercado de amor – mas também de lembranças constantes de Emily. Muitas das amigas dela que sobreviveram ao massacre estão no hotel.

    “As amigas de Emily sabem que ela não está aqui comigo. Então elas me perguntam o que aconteceu com ela… elas olham para mim e eu digo que ainda não sei”, disse ele. “Mas aí elas veem os pais me abraçando, chorando… crianças não são burras, mesmo nessa idade, então só de ver isso tenho certeza que elas percebem”.

    A comunidade está se segurando, tentando seguir em frente, disse Michal Pinyan. A cada poucos minutos, alguém passa para lhe dar um abraço, bater um papo, compartilhar uma lembrança de seus pais.

    Ela disse à CNN que sabe que seus pais morreram porque seus corpos foram identificados por pessoas que os conheciam pessoalmente. No entanto, foi pedido que ela fornecesse uma amostra de DNA para identificação oficial, o que pode levar algum tempo.

    Ela não tem ideia do que acontecerá a seguir. “Ninguém fala sobre funerais. Não temos para onde ir. O kibutz agora é um espaço militar fechado”, disse ela.

    Ainda assim, ela acredita que Be’eri será reconstruída de alguma forma. “Vamos precisar de muita, muita força, física e emocional, para voltar. Mas vamos voltar, não é uma questão”, disse ela.

    Quando seus filhos questionam sobre retornar a um lugar onde tais horrores aconteceram, os Pinyans dizem que sim.

    “Explicamos a eles que não deixamos o navio afundar. Precisamos ir e consertar o lugar, consertar a comunidade. E depois disso, poderemos decidir, como família, o que faremos a seguir”, disse Lotan.

    *Com informações de Clarissa Ward, Brent Swails e Clayton Nage, da CNN.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original