Conselheiro de segurança nacional: EUA preparam mais sanções contra a Rússia

"Estamos preparando outro pacote de sanções a serem aplicadas neste caso", disse o conselheiro sobre prisão e envenenamento do opositor russo Alexei Navalny

Vladimir Putin e Joe Biden apertam mãos em Genebra, na Suíça
Vladimir Putin e Joe Biden apertam mãos em Genebra, na Suíça Foto: Mikhail Svetlov/Getty Images (16.jun.2021)

Jessica Campisi, CNN

Ouvir notícia

O governo Biden está se preparando para impor sanções adicionais à Rússia sobre o envenenamento e prisão do líder da oposição russo Alexei Navalny, afirmou o conselheiro de segurança nacional Jake Sullivan, no domingo (20).

“Estamos preparando outro pacote de sanções a serem aplicadas neste caso”, disse Sullivan ao jornal Dana Bash da CNN sobre o “Estado da União”. “Nós mostramos ao longo do caminho que não vamos fazer nada, seja nos ventos solares, ou na interferência eleitoral, ou no Navalny quando se trata de responder às atividades prejudiciais da Rússia”.

Sullivan disse ainda que as sanções virão assim que os EUA puderem “garantir que estamos obtendo os alvos certos”, acrescentando: “Quando fizermos isso, imporemos mais sanções com relação às armas químicas”.

Os comentários do conselheiro surgem dias depois da cúpula de três horas do presidente Joe Biden em Genebra com o presidente russo Vladimir Putin, que encerrou sua primeira viagem ao exterior desde que assumiu o cargo. Biden e Putin descreveram a reunião como positiva, mas sem grandes avanços. 

Biden, que desde então voltou à sua agenda em casa, pontuou que a prova do progresso com a Rússia virá mais tarde, quando os resultados de sua diplomacia se confirmarem.

O presidente norte-americano também disse, na semana passada, que advertiu o líder russo durante a reunião sobre as consequências se Navalny morresse na prisão, dizendo aos repórteres: “Eu deixei claro para ele que acredito que as consequências disso seriam devastadoras para a Rússia”.

O governo Biden impôs uma série de sanções às autoridades e entidades russas em março por causa do envenenamento e da prisão. As ações – realizadas em coordenação com a União Europeia, que também divulgou sanções – representam o primeiro movimento significativo contra Moscou desde que Biden assumiu o cargo.

Questionado por Bash mais tarde na entrevista sobre possíveis ações contra a China enquanto os EUA investigam as origens da Covid-19, Sullivan respondeu: “Não vamos, neste momento, fazer ameaças ou ultimatos.”

“O que vamos fazer é continuar a reunir apoio na comunidade internacional”, disse o conselheiro. “E se ficar claro que a China se recusa a cumprir suas obrigações internacionais, teremos que considerar nossas respostas a essa altura, e o faremos em conjunto com aliados e parceiros”.

Ele ainda falou sobre a eleição do chefe do judiciário ultraconservador Ebrahim Raisi para a presidência do Irã, dizendo que provavelmente não haveria grande impacto nas negociações nucleares com o país porque o Líder Supremo não mudou.

Os EUA, disse Sullivan, estão “mostrando ao Irã que se eles escolherem não negociar de boa fé e reassumir suas obrigações nucleares, não serão apenas os EUA – será a comunidade internacional – que os isolará.”

Ele acrescentou: “Os interesses de segurança nacional da América não mudam. Nosso interesse de segurança nacional é impedir o Irã de adquirir uma arma nuclear. Acreditamos que a diplomacia, e não a ação militar, é a melhor maneira de fazer isso.”

Mais Recentes da CNN