COP26 tem início nebuloso após reunião fraca de líderes do G20

Reunião das 20 maiores economias do mundo terminou sem criação de imposto mínimo ou novas metas pelo clima; cientistas demonstram preocupação

Cúpula de Líderes do G20
Cúpula de Líderes do G20 Foto: Alan Santos/PR

Angela Dewanda CNN

Ouvir notícia

Foi na cidade de Glasgow que o engenheiro escocês James Watt melhorou o funcionamento da máquina a vapor e, involuntariamente, deu início à Revolução Industrial. Ele nunca poderia ter imaginado que os humanos queimariam tanto carvão, óleo e gás nos próximos dois séculos que colocariam em perigo o clima.

Agora, mais de 120 líderes falarão a partir desta segunda-feira (1º) na mesma cidade para iniciar as negociações climáticas da COP26, onde definirão o tom para duas semanas de negociações que podem terminar com um plano para descarbonizar rapidamente o planeta – ou fazer declarações aguadas para atrasar o que a ciência mostra que é necessário, possivelmente adiando até que seja tarde demais.

Líderes e especialistas em clima estão classificando a COP26 como a última melhor chance do mundo para enfrentar a crise climática. O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, cujo governo está patrocinando as negociações, alertará nesta segunda que a humanidade atrasou o tempo com a mudança climática.

“Falta um minuto para a meia-noite e precisamos agir agora”, disse ele em discurso de abertura, segundo declarações enviadas a jornalistas.

“Temos que passar de conversa, debate e discussão para ação no mundo real sobre carvão, carros, dinheiro e árvores. Não mais esperanças, alvos e aspirações, por mais valiosos que sejam, mas compromissos claros e cronogramas concretos para mudanças.”

A reunião dos líderes do G20 que terminou em Roma neste domingo (31) sugere que os líderes estão finalmente ouvindo a ciência, mas eles ainda não têm unidade política para tomar as decisões ambiciosas necessárias para enfrentar o momento.

A COP26 reúne cerca de 25 mil pessoas para um dos maiores eventos internacionais desde o início da pandemia – e acontece depois de um ano de condições meteorológicas extremas que ceifaram centenas de vidas em lugares inesperados que pegaram até cientistas do clima desprevenidos.

Desmatamento, Amazônia
Área desmatada na região amazônica do estado do Para, no Brasil / Foto: Ueslei Marcelino – 11.nov.2016/Reuters

O último relatório de ciência climática da ONU publicado em agosto deixou claro o que precisa acontecer: limitar o aquecimento global para o mais próximo possível de 1,5 graus Celsius acima das temperaturas pré-industriais para evitar o agravamento dos impactos da crise climática.

Para fazer isso, o mundo deve reduzir as emissões pela metade na próxima década e, em meados do século, chegar a zero líquido – onde as emissões de gases de efeito estufa não são maiores do que a quantidade removida da atmosfera.

Toda essa linguagem estava no comunicado dos líderes do G20, incluindo o reconhecimento de que, para atingir zero líquido em meados do século, muitos países membros precisarão colocar em prática suas promessas de redução de emissões, conhecidas como Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDCs, na sigla em inglês), ao longo desta década.

Mas o fracasso em colocar uma data final para o uso de carvão – o maior contribuinte individual para a mudança climática – e em fazer com que todos os países se comprometam firmemente com o zero líquido até 2050 (em oposição a 2060, como China, Rússia e Arábia Saudita se comprometeram) mostra que os países que usam e produzem combustíveis fósseis ainda têm uma grande influência nos acordos globais sobre o clima.

Na verdade, a tão esperada nova promessa de emissões da China apresentada na semana passada foi apenas uma fração maior do que a anterior.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, disse neste domingo que não estaria “fortemente armado” para zero líquido até 2050. O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, não mostrou interesse em deixar o carvão para a história.

A Índia não fez nenhuma promessa de líquido de zero e, como disse o legislador europeu Bas Eickhout à CNN, é uma das poucas nações que se opõe à data para a eliminação progressiva do carvão.

Michael Mann, um importante cientista da Universidade Estadual da Pensilvânia, disse que é promissor que os líderes reconheçam que precisam fazer mais nas emissões nesta década, mas o que é importante é garantir que todos os grandes emissores tenham planos consistentes em manter o aquecimento abaixo de 1,5 grau Celsius.

“E também o fechamento da ‘lacuna de implementação’. Ou seja, fechar a lacuna entre o que os chefes de estado se comprometeram nominalmente e o que estão realmente fazendo”, disse Mann.

Mann alertou que a COP26 não deve ser uma cúpula para táticas de adiamento e disse que ainda tem esperança de que os países possam concordar com a eliminação do carvão nas negociações, mesmo que os líderes do G20 não cheguem a um acordo sobre esse ponto.

“A própria Agência Internacional de Energia disse que não pode haver uma nova infraestrutura de combustível fóssil se quisermos evitar um aquecimento perigoso. E os países do G7 se comprometeram a eliminar o carvão e encerrar o apoio a novos projetos de carvão no início deste verão”, disse Mann.

“Precisamos ver compromissos semelhantes dos países do G20, incluindo um cronograma acelerado para a eliminação gradual do carvão.”

Promessas do G20 ‘não são ambiciosas o suficiente’

A declaração do G20 comprometeu-se a acabar com o financiamento do carvão no exterior até o final deste ano. O presidente chinês, Xi Jinping, na Assembleia Geral da ONU em setembro, anunciou o fim do financiamento chinês ao carvão internacional, tirando o maior financiador global de projetos de carvão.

Helen Mountford, vice-presidente de clima e economia do Instituto de Recursos Mundiais, disse que o acordo e as atuais promessas de emissões não são ambiciosas o suficiente para evitar os níveis mais perigosos de aquecimento e muitos, provavelmente, não conseguirão colocar os países no caminho de líquido zero.

“Para manter a meta de 1,5°C ao alcance, os países precisam definir metas climáticas para 2030 que traçam um caminho realista para cumprir esses compromissos de líquido de zero”, disse ela em um comunicado.

“Atualmente, vários países do G20 não estão em uma trajetória confiável para atingir suas metas líquidas de zero, incluindo Austrália, Rússia, China, Arábia Saudita, Brasil e Turquia.”

Usinas movidas a carvão em Neurath, na Alemanha / Foto: Reuters

‘Isso não é nem de perto o suficiente’

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse neste domingo que estava deixando Roma “com minhas esperanças não realizadas, mas pelo menos não estão enterradas”. Ele estava esperançoso de que Glasgow ainda pudesse “manter viva a meta de 1,5 grau”. Os comentários de Guterres refletem o humor de muitos na COP26.

Se o G20 não puder definir uma data final para o carvão e fazer um compromisso firme de zero líquido, há uma sensação de que envolver o mundo todo nessas questões-chave simplesmente não acontecerá.

Também existe uma questão de confiança. O mundo desenvolvido prometeu há mais de uma década que iria transferir US$ 100 bilhões por ano para o Sul Global para ajudá-lo a fazer a transição para economias de baixo carbono e se adaptar ao novo mundo da crise climática.

Essa meta não foi cumprida no ano passado, e um relatório da presidência da COP26 publicado na semana passada mostrou que ela não seria cumprida até 2023, com as atuais promessas em mãos.

Mohamed Nasheed, ex-presidente das Maldivas que lidera o Fórum de Vulnerabilidade ao Clima, lamentou a falta de ação na declaração do G20, especialmente sobre o fracasso na eliminação do carvão.

As Maldivas são uma nação na linha da frente na crise climática e corre o risco de ser submersa pelo aumento do nível do mar até o final do século.

“Este é um começo bem-vindo”, disse Nasheed em um comunicado. “Mas isso não impedirá que o clima aqueça mais de 1,5 graus e devastem grandes partes do mundo, incluindo as Maldivas. E então, claramente, isso não é o suficiente.”

Líquido zero, a eliminação do carvão e o financiamento do clima ainda serão uma prioridade para os negociadores.

Outras áreas que podem ser bem-sucedidas são um acordo sobre o fim e reversão do desmatamento até 2030 e movimentos em torno de acelerar a transição para veículos elétricos em todo o mundo.

Tom Burke, co-fundador do grupo de reflexão climática E3G, foi mais otimista, dizendo que a declaração do G20 mostrou uma mudança de pensamento entre os líderes em torno da urgência da crise climática.

“A grande vitória é essa mudança no foco de 2050 para 2030. Acho que é uma grande vitória importante”, disse ele à CNN.

“É um começo melhor do que esperávamos. O acordo político alcançado no G20 criará ímpeto político quando os líderes se reunirem para iniciar a COP.”

(Este texto é uma tradução. Para ler o original, em inglês, clique aqui)

Mais Recentes da CNN