Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Coreia do Norte diz que interferência dos EUA em ativos espaciais será considerada “declaração de guerra”

    Alerta veio menos de duas semanas depois de Pyongyang ter dito que colocou o seu primeiro satélite espião no espaço

    O líder norte-coreano Kim Jong Un
    O líder norte-coreano Kim Jong Un KCNA/Reuters

    Akanksha Sharmada CNN

    A Coreia do Norte alertou que qualquer interferência ou ataque a seus “ativos espaciais” por parte dos Estados Unidos será “considerada uma declaração de guerra”, disse a mídia estatal KCNA no sábado (2).

    “A deplorável hostilidade da Força Espacial dos EUA em relação ao satélite de reconhecimento da RPDC não pode ser ignorada, pois nada mais é do que um desafio à soberania da RPDC e, mais precisamente, uma declaração de guerra contra ela”, disse o Ministério da Defesa do país em comunicado.

    RPDC significa República Popular Democrática da Coreia, o nome oficial da Coreia do Norte (RPDC).

    O alerta veio menos de duas semanas depois de Pyongyang ter dito que colocou o seu primeiro satélite espião no espaço, numa medida que os analistas previram que poderia permitir ao país atingir com mais precisão seus oponentes.

    ses que têm vivido tensões militares crescentes com a Coreia do Norte, puderam confirmar que o “Malligyong-1” entrou em órbita.

    Poucos dias após o lançamento norte-coreano, a Coreia do Sul colocou em órbita o seu primeiro satélite espião com a ajuda da empresa espacial SpaceX.

    A KCNA afirmou que o funcionário não identificado dos EUA alegou que os americanos “podem diminuir as capacidades de operação do país inimigo no espaço exterior”, empregando “métodos reversíveis e irreversíveis”.

    Não está claro quem pode ser esse funcionário dos EUA.

    A CNN não conseguiu encontrar ou verificar quaisquer comentários feitos recentemente por uma autoridade dos EUA.

    Pyongyang afirma que o seu satélite é de reconhecimento e “não é considerado uma arma espacial pelo direito internacional devido às suas características técnicas destinadas à observação”.

    No entanto, analistas dizem que a aeronave se destina a espionar e aumentar as capacidades militares da Coreia do Norte.

    O lançamento em novembro foi condenado pelos vizinhos da Coreia do Norte, Japão e Coreia do Sul, com Seul chamando-o de uma “violação clara” de uma resolução do Conselho de Segurança da ONU que proíbe a Coreia do Norte de usar tecnologia de mísseis balísticos.

    No entanto, Pyongyang advertiu que se o seu satélite de reconhecimento for considerado uma “ameaça militar” a qual “deve ser eliminada”, então também deverá destruir “os incontáveis ​​satélites espiões dos EUA que sobrevoam diariamente a região da península”.

    Ele também chamou os EUA de “semente de todo o mal” por supostamente transformar o espaço “em um teatro de guerra”.

    A medida de Pyongyang levou o governo sul-coreano a suspender parcialmente um acordo que tinha com a Coreia do Norte que limitava as atividades de reconhecimento e vigilância do Sul ao longo da zona desmilitarizada que separa os dois países.

    Posteriormente, a Coreia do Norte prometeu implantar novo equipamento militar ao longo da linha de demarcação militar.

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original