Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Coreia do Norte reconhece separação de regiões apoiadas pela Rússia no leste da Ucrânia

    Contando Rússia e Síria, é o terceiro país a reconhecer as autoproclamadas Repúblicas Populares de Donetsk (DPR) e Luhansk (LPR), na região de Donbass

    Soldados ucranianos na linha de frente no Donbass, leste da Ucrânia, em 11 de abril de 2022
    Soldados ucranianos na linha de frente no Donbass, leste da Ucrânia, em 11 de abril de 2022 Diego Herrera Carcedo/Anadolu Agency via Getty Images

    Reuters

    A Coreia do Norte reconheceu nesta quarta-feira (13) duas “repúblicas populares” separatistas apoiadas pela Rússia no leste da Ucrânia como Estados independentes, disseram um líder separatista e uma agência de notícias estatal russa.

    A medida torna a Coreia do Norte apenas o terceiro país, depois da Rússia e da Síria, a reconhecer as duas entidades separatistas, as Repúblicas Populares de Donetsk (DPR) e Luhansk (LPR), na região de Donbass, na Ucrânia.

    Em um post em seu canal no Telegram, o líder da DPR, Denis Pushilin, disse esperar “cooperação frutífera” e aumento do comércio com a Coreia do Norte, um estado isolado e com armas nucleares a mais de 6.500 quilômetros de distância.

    A embaixada do DPR em Moscou postou uma foto em seu canal Telegram de uma cerimônia na qual o embaixador da Coreia do Norte na capital russa Sin Hong-chol entregou um certificado de reconhecimento à enviada do DPR Olga Makeyeva.

    A embaixada da Coreia do Norte em Moscou confirmou que reconheceu a independência de ambas as entidades na quarta-feira, informou mais tarde a agência de notícias russa TASS.

    A Rússia, que apoia as regiões desde 2014, as reconheceu na véspera de sua invasão da Ucrânia em um movimento condenado por Kiev e pelo Ocidente como ilegal.

    A justificativa da decisão de lançar a guerra, chamada de “operação militar especial”, seria proteger os falantes de russo que vivem na região do “genocídio”.

    Kiev e o Ocidente descartaram essas afirmações como um pretexto para travar uma guerra e tomar partes do território da Ucrânia. A Coreia do Norte já havia expressado apoio à anexação da Crimeia pela Rússia em 2014.