Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Coreia do Norte usa youtubers para passar ao mundo a imagem de país “normal”

    Vídeos estão em inglês e seriam de norte-coreanos fazendo atividades cotidianas, como ir a parque de diversões ou comentar sobre o livro de Harry Potter

    A YouTuber norte-coreana YuMi visita o Rungna People's Pleasure Park em Pyongyang, Coreia do Norte, em um vídeo de 1º de setembro de 2022
    A YouTuber norte-coreana YuMi visita o Rungna People's Pleasure Park em Pyongyang, Coreia do Norte, em um vídeo de 1º de setembro de 2022 Olivia Natasha-YuMi Space DPRK daily / YouTube

    Jessie YeungGawon Baeda CNN

    Seul, Coreia do Sul

    A jovem vasculha uma geladeira cheia de picolés, tirando vários para mostrar para a câmera. “Esse é sabor de leite – a imagem é tão fofa”, diz ela em inglês, apontando para a embalagem com um sorriso. “E este é sabor de pêssego”.

    Depois de finalmente escolher uma casquinha de sorvete, ela a morde, declarando: “O biscoito está muito gostoso”.

    O vídeo de quatro minutos acumulou mais de 41 mil visualizações no YouTube, mas este não é um vlog comum. A mulher, que se autodenomina YuMi, mora na Coreia do Norte, talvez a nação mais isolada e secreta do mundo.

    Seu canal no YouTube, criado em junho passado, é uma das várias contas de mídia social que surgiram na Internet nos últimos um ou dois anos, nas quais residentes norte-coreanos afirmam compartilhar suas vidas cotidianas.

    Mas os especialistas dizem que nem tudo é o que parece nesses vídeos, e que as imagens contêm sinais reveladores de que as vidas exibidas estão longe da norma para os milhões de pobres sob a ditadura do líder Kim Jong Un.

    Em vez disso, eles sugerem que YuMi e outros como ela provavelmente estão relacionados a funcionários do alto escalão e podem fazer parte de uma campanha de propaganda destinada a repaginar a imagem internacional do país como um lugar mais identificável – até mesmo turístico – do que sua conversa constante sobre armas nucleares poderia sugerir.

    Os vídeos de YuMi “parecem uma peça bem preparada” com roteiro do governo norte-coreano, disse Park Seong-cheol, pesquisador do Centro de Banco de Dados de Direitos Humanos da Coreia do Norte.

    Sinais indicadores

    Durante décadas, a Coreia do Norte esteve relativamente isolada do resto do mundo, com rígidas restrições à liberdade de expressão, livre circulação e acesso à informação.

    Seu péssimo histórico de direitos humanos foi criticado pelas Nações Unidas. O uso da internet é fortemente restrito; mesmo os poucos privilegiados que têm permissão para usar smartphones só podem acessar uma intranet administrada pelo governo e fortemente censurada.

    Materiais estrangeiros como livros e filmes são proibidos, muitas vezes com punições severas para aqueles pegos com contrabando no mercado negro.

    É por isso que YuMi – que não só tem acesso a um dispositivo de filmagem, mas também ao YouTube – não é uma norte-coreana comum, dizem os especialistas.

    YuMi toma um sorvete em Pyongyang, Coreia do Norte, em um vídeo do YouTube carregado em 1º de agosto de 2022 / Olivia Natasha-YuMi Space DPRK daily / YouTube

    “Conectar-se com o mundo exterior é uma coisa impossível para um residente”, disse Ha Seung-hee, professora pesquisadora de estudos da Coreia do Norte na Universidade de Dongguk.

    YuMi não é a única YouTuber norte-coreana que chama a atenção: uma garota de 11 anos que se autodenomina Song A fez sua estreia no YouTube em abril de 2022 e já conquistou mais de 20 mil inscritos.

    “Meu livro favorito é ‘Harry Potter’ escrito por J. K. Rowling”, afirma Song A em um vídeo, segurando o primeiro livro da série – particularmente impressionante, dadas as regras tipicamente rígidas da Coreia do Norte que proíbem a cultura estrangeira, especialmente de nações ocidentais.

    O vídeo mostra Song A falando com sotaque britânico e sentada no que parece ser um quarto de criança idílico completo com um globo, estante, um bicho de pelúcia, uma foto emoldurada e cortinas rosa.

    Luxos para ‘uma classe especial’

    As representações cor-de-rosa da vida cotidiana em Pyongyang também podem dar uma pista sobre a posição social e as identidades de seus criadores.

    Os vídeos de YuMi a mostram visitando um parque de diversões e um show de cinema interativo, pescando em um rio, se exercitando em uma academia coberta bem equipada e visitando uma caverna de calcário onde jovens estudantes agitam a bandeira norte-coreana ao fundo.

    Song A visita um parque aquático lotado, um centro de exposições de ciência e tecnologia e filma seu primeiro dia de volta à escola.

    Song A, supostamente moradora de Pyongyang, Coreia do Norte, segura um livro de Harry Potter em um vídeo do YouTube carregado em 26 de abril de 2022 / Olivia Natasha-YuMi Space DPRK daily / YouTube

    Park, o especialista, diz que essas representações não são 100% falsas, mas são extremamente enganosas e não representam a vida normal.

    Há relatos da elite rica da Coreia do Norte, como funcionários do alto escalão do governo e suas famílias, tendo acesso a luxos como ar-condicionado, scooters e café. E as facilidades mostradas nos vídeos do YouTube existem, mas não são acessíveis à maioria das pessoas e são concedidas apenas a “pessoas especiais em uma classe especial”, disse Park.

    Essas instalações também provavelmente não estão abertas ou operando regularmente, como indicam os vídeos, disse ele. “Por exemplo, o fornecimento de energia na Coreia do Norte não é bom o suficiente para operar um parque de diversões, então ouvi dizer que eles só o operariam nos fins de semana ou em um dia especial como quando filmam um vídeo”, acrescentou Park.

    A Coreia do Norte é conhecida por frequentes apagões e escassez de eletricidade; apenas cerca de 26% da população tem acesso à eletricidade, de acordo com estimativas de 2019 do CIA World Factbook. Esses apagões foram capturados em imagens noturnas de satélite em 2011 e 2014, que mostraram a Coreia do Norte envolta em escuridão, quase se misturando ao mar escuro ao seu redor, em nítido contraste com as luzes deslumbrantes das vizinhas China e Coreia do Sul.

    A fluência do inglês dos YouTubers e o acesso a luxos raros sugerem que eles são altamente educados e provavelmente relacionados a funcionários do alto escalão, disse Park.

    Os desertores disseram anteriormente à CNN que alguns norte-coreanos aprendem inglês britânico em suas aulas de inglês. O British Council, uma organização sediada no Reino Unido, também realizou um programa de treinamento de professores de inglês na Coreia do Norte, enviando professores para lá por mais de uma dúzia de anos antes de ser interrompido em 2017.

    Um novo estilo de propaganda

    A propaganda norte-coreana não é nova; campanhas anteriores apresentaram pôsteres de estilo soviético, vídeos de tropas em marcha e testes de mísseis e imagens de Kim Jong Un em um cavalo branco.

    Mas especialistas dizem que os vídeos do YouTube e contas semelhantes de mídia social norte-coreana em plataformas chinesas como Weibo e Bilibili ilustram uma nova estratégia: Relacionabilidade.

    **uso restrito a esta matéria**
    Kim Jong Un assiste a um lançamento de míssil em uma foto divulgada pela mídia estatal norte-coreana / Rodong Sinmun

    “A Coreia do Norte está se esforçando para enfatizar que Pyongyang é uma ‘cidade comum’”, disse Park, acrescentando que a liderança “está muito interessada em como o mundo exterior os vê”.

    Ha, a professora pesquisadora, disse que a Coreia do Norte pode estar tentando se retratar como um “país seguro” para incentivar um maior turismo para sua economia abalada, especialmente após o impacto da pandemia de Covid-19.

    Embora ainda não tenha reaberto suas fronteiras aos turistas, “a pandemia vai acabar em algum momento e a Coreia do Norte tem se concentrado no turismo para fins econômicos”, disse Ha.

    Antes da pandemia, havia poucas opções de passeios em que os visitantes eram conduzidos pelo país por guias do Ministério do Turismo. Os passeios foram cuidadosamente coreografados, projetados para mostrar o país em sua melhor luz. Mesmo assim, muitos países, incluindo os Estados Unidos, alertam seus cidadãos contra visitas.

    Depois que a pandemia começou, “falou-se (na Coreia do Norte) sobre abandonar as formas anteriores de propaganda e implementar novas formas”, disse Ha. “Depois que Kim Jong Un ordenou (às autoridades) que fossem mais criativos em sua propaganda, começaram a aparecer vlogs no YouTube”.

    Um artigo de 2019 no jornal estatal da Coreia do Norte, Rodong Sinmun, citando Kim, declarou que os canais de propaganda e notícias do país devem “descartar corajosamente a velha estrutura de redação e edição com convenções estabelecidas e métodos convencionais”.

    O uso do inglês pelos YouTubers pode refletir esse esforço para alcançar espectadores globais. Tanto YuMi quanto Song A também incluem nomes em inglês para seus canais: YuMi também atende por “Olivia Natasha” e Song A por “Sally Parks”.

    Por que o YouTube?

    A Coreia do Norte postou outros tipos de propaganda no YouTube na última década – embora seus vídeos oficiais sejam frequentemente retirados pelos moderadores.

    Vista externa dos escritórios do YouTube em Londres, no Reino Unido
    Vista externa dos escritórios do YouTube em Londres, no Reino Unido / Foto: Toby Melville/Reuters (11.set.2020)

    Em 2017, o YouTube derrubou o canal de notícias estatal norte-coreano Uriminzokkiri e o canal Tonpomail controlado por coreanos étnicos no Japão leais a Pyongyang, dizendo que eles violaram os termos de serviço e as diretrizes da comunidade da plataforma.

    Outro canal do YouTube chamado Echo of Truth, supostamente administrado por uma residente norte-coreana chamada Un A, que se filmou desfrutando de atividades diárias em Pyongyang, foi desativado no final de 2020.

    Mas os fechamentos provocaram protestos de alguns pesquisadores que disseram que os vídeos forneciam uma visão valiosa sobre a Coreia do Norte e sua liderança, mesmo que fossem propaganda.

    Quando a CNN solicitou comentários do YouTube sobre esses canais excluídos e os de Song A e YuMi, um porta-voz disse que a plataforma “cumpre todas as sanções aplicáveis e leis de conformidade comercial – inclusive com relação ao conteúdo criado e enviado por entidades restritas”.

    “Se descobrirmos que uma conta viola nossos Termos de Serviço ou Diretrizes da Comunidade, nós a desabilitamos”, disse a nota.

    Especialistas disseram que os vídeos de YuMi e Song A podem ser uma tentativa de Pyongyang de atingir um público sem atrair a atenção dos moderadores.

    E por mais roteirizados que fossem, eles também ofereciam uma janela valiosa para o país, disseram os especialistas.

    “As pessoas já sabem que (os vídeos) foram criados para fins de propaganda […] o público já está ciente”, disse Ha. Mas, ela acrescentou, “acho que deveria haver educação e discussão adequadas sobre como devemos perceber (tal) conteúdo, em vez de apenas fechar as portas”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original