Coreia do Sul e EUA lançam oito mísseis em resposta a testes norte-coreanos

Presidente sul-coreano Yoon Suk-yeol, que tomou posse no mês passado, prometeu adotar linha mais dura contra o Norte

Jack KimSoo-hyang Choida Reuters

Ouvir notícia

A Coreia do Sul e os Estados Unidos dispararam oito mísseis superfície-superfície no início da segunda-feira (horário local) ao largo da costa oriental da Coreia do Sul, após a Coreia do Norte ter lançado mísseis balísticos de curto alcance no domingo (5), disse um funcionário do Ministério da Defesa da Coreia do Sul.

A ação é uma demonstração da “capacidade e prontidão para efetuar um ataque de precisão” contra a fonte dos lançamentos de mísseis da Coreia do Norte ou os centros de comando e apoio, segundo noticiou a agência Yonhap, da Coreia do Sul, citando as forças armadas sul-coreanas como fonte.

O presidente sul-coreano Yoon Suk-yeol, que tomou posse no mês passado, prometeu adotar uma linha mais dura contra o Norte e concordou com o presidente dos EUA, Joe Biden, em uma cúpula de maio em Seul para melhorar os exercícios militares conjuntos e a sua postura de dissuasão combinada.

Presidente da Coreia do Sul, Yoon Suk-yeol / Lee Jin-man/Pool via REUTERS (10.mai.2022)

Os militares da Coreia do Sul e dos Estados Unidos dispararam oito mísseis superfície-superfície durante cerca de 10 minutos a partir das 4h45 da manhã de segunda-feira, em resposta aos oito mísseis disparados pelo Norte no domingo, informou Yonhap.

Um funcionário do Ministério da Defesa da Coreia do Sul confirmou que oito Sistemas de Mísseis Tácticos do Exército (ATACMS) tinham sido disparados.

O Comando Indo-Pacifico dos EUA disse que o exercício incluía um míssil do Exército dos EUA e sete da Coreia do Sul.

“A Aliança ROK-EUA continua empenhada na paz e prosperidade na Península da Coreia e em todo o Indo-Pacífico. O compromisso dos EUA com a defesa da ROK continua a ser de ferro”, disse em uma declaração, usando as iniciais do nome oficial da Coreia do Sul.

Os mísseis balísticos de curto alcance da Coreia do Norte, disparados em direção ao mar ao largo da sua costa oriental no domingo, foram provavelmente o seu maior teste único e vieram um dia depois de a Coreia do Sul e os Estados Unidos terem terminado os exercícios militares conjuntos.

Os exercícios bilaterais Coreia do Sul-EUA envolveram, pela primeira vez em mais de quatro anos, um porta-aviões americano.

O Japão e os Estados Unidos também realizaram um exercício militar conjunto no domingo em resposta aos últimos testes de mísseis da Coreia do Norte.

A Coreia do Norte, que está há várias semanas combatendo o seu primeiro surto conhecido de Covid-19, criticou os exercícios conjuntos anteriores como um exemplo das contínuas “políticas hostis” de Washington em relação a Pyongyang, apesar da sua conversa sobre diplomacia.

Sequência de lançamentos

A Coreia do Norte conduziu este ano uma série de lançamentos de mísseis, desde armas hipersônicas a testes dos seus maiores mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs) pela primeira vez em quase cinco anos.

Yonhap, citando uma fonte não identificada, disse que a rajada do Norte foi lançada no domingo a partir de quatro locais, incluindo Sunan na capital, Pyongyang.

A Coreia do Norte continuou com a sua recente tendência de não reportar sobre lançamentos de mísseis nos meios de comunicação estatais, o que alguns analistas afirmaram ter como objetivo mostrar que o estão fazendo como parte de exercícios militares de rotina.

Washington e Seul também avisaram recentemente que a Coreia do Norte parecia pronta a retomar os testes de armas nucleares pela primeira vez desde 2017.

No mês passado, a Coreia do Norte disparou três mísseis, incluindo um que se pensava ser o seu maior ICBM, o Hwasong-17, depois de Biden ter terminado uma viagem à Ásia onde concordou com novas medidas para dissuadir o Estado com armas nucleares.

As forças combinadas da Coreia do Sul e dos Estados Unidos dispararam mísseis em resposta também a esses testes, o que os dois aliados dizem ser violações das resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

No mês passado, os Estados Unidos apelaram a mais sanções da ONU contra a Coreia do Norte por causa dos seus lançamentos de mísseis balísticos, mas a China e a Rússia vetaram a sugestão, dividindo publicamente o Conselho de Segurança da ONU sobre a Coreia do Norte pela primeira vez desde que este começou a puni-la em 2006, quando a Coreia do Norte realizou o seu primeiro teste nuclear.

Mais Recentes da CNN