Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Corpo de candidato à Presidência assassinado é enterrado no Equador

    Cerimônia realizada em um cemitério do norte da capital Quito e restrita a familiares

    Apoiadores do candidato à Presidência do Equador na funeral
    Apoiadores do candidato à Presidência do Equador na funeral Franklin Jacome/Agencia Press South/Getty Images

    Gerardo Lemosda CNN

    O corpo do candidato à Presidência do Equador Fernando Villavicencio foi enterrado na sexta-feira (11) no cemitério Monteolivo, em Quito.

    A equipe da campanha de Villavencio confirmou à CNN que o enterro foi realizado em total privacidade.

    O caixão foi escoltado pela polícia, junto com parentes próximos ao político do movimento Contruye.

    VÍDEO — Entenda o caso

    Villavicencio foi morto na quarta-feira (9) ao ser baleado enquanto deixava um comício político realizado no Anderson College em Quito, capital do país.

    A mídia local informou que cerca de 30 tiros foram disparados em um evento no norte de Quito. Vídeos que circulam nas redes sociais mostram Villavicencio entrando em um carro após o evento, antes do som de aparentes tiros e gritos.

    Pelo menos 9 pessoas ficaram feridas no ataque, “entre elas o candidato à presidência e dois policiais”, segundo a Procuradoria Geral do Equador.

    A Justiça do Equador determinou, na quinta-feira (10), a prisão preventiva dos seis acusados de matar Fernando Villavicencio. O pedido foi feito pelo Ministério Público do país, que alega ter apresentado elementos de flagrante delito que justificaram a decisão do juiz.

    O ministro do Interior do Equador, Juan Zapata, disse à CNN, na quinta-feira, que os seis homens presos eram estrangeiros e pertenciam a grupos criminosos, segundo evidências preliminares.

    Quem é Fernando Villavicencio

    Nascido em 11 de outubro de 1963, em Alausí, Fernando Alcibiades Villavicencio Valencia teve uma intensa trajetória como jornalista e sindicalista ao mesmo tempo em que abraçava a carreira política.

    / Reprodução/ CNN

    Estudou jornalismo e comunicação na Universidade Cooperativa da Colômbia, na qual se formou e iniciou seus trabalhos como comunicador social. Logo em seguida, iniciou na carreira política como um dos fundadores do Partido Pachakutik, em 1995.

    No ano seguinte, começou a trabalhar na Petroecuador, a companhia petrolífera estatal do país. Lá, atuou com jornalismo e logo assumiu posições sindicais. Ele se manteve como um líder dos trabalhadores da companha até 1999, quando foi demitido por uma ordem do então presidente Jamil Mahuad.

    Mesmo longe da Petroecuador, continuou denunciando os problemas da companhia, como delitos ambientais e trabalhistas. Ganhou notoriedade como um dos mais ferrenhos críticos do então presidente Rafael Correa.

    Em 2017, concorreu e foi eleito a uma vaga na Assembleia Nacional. Ocupou o cargo até maio deste ano, quando o presidente Guillermo Lasso assinou a “morte cruzada”, que resultou na dissolução do parlamento equatoriano.

    Crítico do correísmo e do governo Lasso, Villavicencio foi um dos personagens mais visíveis nas denúncias de corrupção nos setores de petróleo, energia, telecomunicações e estruturas criminosas, segundo seu perfil na Assembleia Nacional do Equador.

    Com informações de Flávio Ismerim, Marina Toledo, Reuters e Ana María Canizares

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original